target="_blank">Some alt text
Promoções
target="_blank">Some alt text
Viaje com as séries
target="_blank">some alt text
Viaje comigo
target="_blank">some alt text
Ofertas Submarino
target="_blank">Some alt text
Os melhores do ano
target="_blank">Some alt text
Viajando no mundo das cores

Razão e Sensibilidade - Jane Austen

>>  sexta-feira, 26 de março de 2010


AUSTEN, Jane. Razão e Sensibilidade. São Paulo: Best Seller, 2006. 304p.


Não haja impedimento à união
de almas fiéis; amor não é amor
se se altera ao ver alteração
ou curvar a qualquer pôr e dispor.
Ah, não, é um padrão sempre constante
que enfrenta as tempestades com bravura;
é estrela a qualquer barco navegante,
de ignoto poder, mas dada altura.
(Soneto 116, Shakespeare)

Razão e Sensibilidade de Jane Austen foi o livro escolhido para o mês de março do Desafio Literário. O tema do mês de março é a leitura de um clássico da literatura universal, para conferir os livros escolhidos pelos outros participantes clique AQUI.

Ambientado na Inglaterra do século XIX, o livro narra a história das irmãs Dashwood que após a morte do pai perdem a propriedade em que viviam para o irmão mais velho. Naquela época os filhos homens e primogênitos eram os herdeiros naturais dos bens testamentários, e mesmo se não houvesse filho homem o herdeiro seria o parente mais próximo também do sexo masculino. Ciente da impossibilidade de amparar sua amada esposa e suas três filhas, o Sr. Dashwood em seu leito de morte pede ao filho que cuide da felicidade e do futuro das mulheres. 

Orgulho, avareza e alguns conselhos de sua esposa levam o irmão ao descumprimento da promessa, deixando as moças à própria sorte e com um dote insuficiente para lhes garantir um bom casamento. Elas se mudam então para um chalé oferecido por um primo na cidade de Devonshire, onde começa a história de amores e desamores das duas filhas mais velhas, Elinor e Marianne.

Ambas são moças finas e bem educadas, tiveram uma ótima criação e estão bem preparadas para conviver na sociedade. Elinor é a razão, inteligente e decidida leva a vida com tranqüilidade e bom senso; está sempre disposta a apoiar a mãe e a irmã e guarda para si suas dores e desapontamentos. Marianne é a sensibilidade, apaixonada e impulsiva não esconde seus sentimentos e intenções; ao sofrer uma grande desilusão perde toda a alegria e a vontade de viver.

A linda Marianne atrai olhares e elogios e logo conquista a admiração do Coronel Brandon, que todos consideram um ótimo partido e um casamento ideal. No entanto ela se encanta pelo Sr. Willoughby, um jovem interessante e atraente, mas sem fortuna própria e que depende da herança de uma velha prima adoentada. No decorrer do livro Willoughby se revela o cafajeste da história, interessado em sua ascensão social partirá o coração de Marianne.

Elinor se apaixona por Edward Ferrars, um jovem que como ela tem valores sólidos e boas intenções. Edward é irmão da cunhada de Elinor e a família do rapaz não aprova esta união, pois almeja para ele um casamento mais rentável. Mantendo este amor guardado para si, sofrerá calada durante toda a história enquanto vive em função de sua família. 

Austen narra a busca das irmãs pela felicidade, seus sofrimentos e desilusões diante da dura sociedade em que vivem. Um romance muito bem ambientado e principalmente uma crítica social acirrada. Numa época em que a mulher nascia para se preparar para o casamento e deveria ter muitos dotes, boa família e um bom patrimônio para conquistar um marido adequado, o livro é repleto de ironias e mostra a ambição, futilidade e o preconceito social existente. 

Não vou dizer que o livro foi fácil de ler, a narrativa minuciosa é um pouco cansativa e não me prendeu como o clássico “Orgulho e Preconceito”. Gostei muito de Elinor, mas os outros personagens não me conquistaram tanto.  Mas não há como negar que poucas autoras transportam o leitor com tanta eficiência para uma nova realidade, sofremos pelas protagonistas e nos revoltamos com alguns personagens ... e teve um momento em que tive que parar e “apertar o espartilho” (acho que eu cortava os pulsos se vivesse naquela época rsrsrs) antes de continuar.  

Imagine-se como uma mulher inteligente, estudada, prendada, versada em artes, música e literatura e com vestidos longos, espartilhos e toucas... e tudo que você tem para fazer é ir a baile e jantares, mostrar seus muitos dotes e sua boa educação enquanto procura por um bom marido? E você ainda tem que ter um dote e pagar por ele. Qual seria a sua escolha? Razão ou sensibilidade?

O livro foi adaptado para o cinema, eu preferi ler o livro antes mas seguem abaixo as informações do filme:






Razão e Sensibilidade
Título original: (Sense and Sensibility)
Lançamento: 1995 (Inglaterra)
Direção: Ang Lee
Atores: James Fleet, Tom Wilkinson, Harriet Walter, Kate Winslet, Emma Thompson
Duração: 135 min
Gênero: Drama

Postar um comentário

  © Viagem Literária - Blogger Template by EMPORIUM DIGITAL

TOPO