target="_blank">Some alt text
Promoções
target="_blank">Some alt text
Viaje com as séries
target="_blank">some alt text
Viaje comigo
target="_blank">some alt text
Ofertas Submarino
target="_blank">Some alt text
Os melhores do ano
target="_blank">Some alt text
Viajando no mundo das cores

A breve segunda vida de Bree Tanner

>>  sexta-feira, 18 de junho de 2010


MEYER, Stephenie. A breve segunda vida de Bree Tanner. Rio de Janeiro: Intrínseca, 2010. 192p.

A saga de Bella e Edward virou febre mundial e conquistou milhões de leitores de todas as idades, um amor épico, um romance sobrenatural, uma paixão arrebatadora e cheia de perigos e provações. Eu me apaixonei pela série, li logo que lançou, antes do filme atrapalhar bastante (sempre tenho birra com as adaptações cinematográficas) e não ligo de dizer “Sou uma twilight mesmo e amo o Edward, com brilho e tudo mais” rsrs 

Então eis que surge um novo livro, uma visão totalmente diferente daquela que ficamos conhecendo na saga, narra um breve período que ocorre durante o livro Eclipse, terceiro livro da série. Enquanto em Eclipse torcíamos e nos angustiávamos para que nossos lindos vampiros de olhos amarelos e os “fofos” dos lobisomens saíssem sem um arranhão da batalha, aqui mesmo sabendo que o fim é trágico, você torce por um final diferente para a pobre e sofrida Bree. 

Conheça outro lado de Twilight com A breve segunda vida de Bree Tanner, onde os vampiros só conhecem sua sede e sua fome constante pelo adocicado sangue humano.

Jodelle Ferland como Bree
Bree tem entre 15 ou 16 anos quando acorda para sua nova vida, sua vida imortal. Nem ela sabe ao certo quantos anos tem e pouco se lembra de sua vida como mortal. O que ela sabe é que a fome que sentia antes, quando vivia na rua após fugir dos abusos de seu pai continua sentindo agora, mais forte do que nunca. Para ela a imortalidade não trouxe muitas vantagens.

Ela vive a margem de seu bando, tenta ao máximo que pode passar despercebida e permanecer viva, esperando a próxima caçada, quando a sede vem... apenas seus instintos importam; ela caça, ela mata e só o sangue quente consegue aliviar a garganta que arde constantemente, o estômago que queima. 

No meio do caos em que vive, Bree conhece Diego que vai ser seu único companheiro, que irá fazer aflorar seu lado humano. Ambos questionaram as verdades que foram apresentadas por Riley, o chefe do bando. Vivem amedrontados, para eles vampiros não podem sair à luz do sol, a obediência deve ser cega, as regras são claras. Quando os dois começam a descobrir o plano de Riley e Victoria, está perto a grande batalha contra os Cullens. O resultado da batalha, todo mundo já sabe. O que os levou até lá, vocês só descobre neste livro.

Desde que ouvi falar deste livro eu achei que não gostaria desta história. Sempre pensava que com tantos personagens interessantes na saga, porque a autora foi escrever um livro logo sobre a Bree, que só aparece durante um capítulo do livro e que todo mundo já sabe como termina. A autora explica: 

“Não há dois escritores que abordem um tema da mesma maneira. Todos temos inspirações e motivações distintas, temos nossas razões para manter alguns personagens por perto, enquanto outros desaparecem num amontoado de arquivos abandonados. Pessoalmente, nunca entendi por que alguns dos meus personagens adquirem vida própria com tanta intensidade, mas sempre fico feliz quando isso acontece. Esses personagens são os que requerem menos esforço para serem escritos, e por isso suas histórias, normalmente, são as que vão adiante.”

Então o legal do livro é exatamente proporcionar este novo ângulo a saga, nos conseguimos ver de outra maneira os recém nascidos, que já nasceram condenados a morte e que nunca tiveram uma chance. A vida e as atitudes dos vampiros caçadores é um contraste total com o comportamento da família Cullen. Acho que se eu reler Eclipse irei ter uma nova impressão sobre algumas partes do livro.

Agora o que não é legal no livro é exatamente a gente já saber o final da personagem, porque Bree vai te conquistar, ela era uma menina de rua em vida mortal e como vampira não teve também nenhuma chance. É triste, é trágico, você torce até para ela mudar o final do livro, mas não tem jeito. Saber o final, tirou para mim bastante do encanto do livro.

Finalizando achei o livro interessante, mas nem de longe é uma leitura indispensável. Se a lista tiver grande deixe este para o final, mas se você como eu for fã incondicional da série não vai resistir de qualquer jeito. Me digam o que acharam, e como diz a Camila, quem manda aqui sou eu, e não vou aceitar comentários falando mal do meu querido Edward ^ ^

Ah e quem é de Belo Horizonte, não perca amanhã o lançamento do livro na Livraria Saraiva, vamos?

Postar um comentário

  © Viagem Literária - Blogger Template by EMPORIUM DIGITAL

TOPO