target="_blank">Some alt text
Promoções
target="_blank">Some alt text
Viaje com as séries
target="_blank">some alt text
Viaje comigo
target="_blank">some alt text
Ofertas Submarino
target="_blank">Some alt text
Os melhores do ano
target="_blank">Some alt text
Viajando no mundo das cores

Água para elefantes - Sara Gruen

>>  terça-feira, 24 de maio de 2011

GRUEN, Sara. Água para elefantes. Rio de Janeiro: Editora Sextante, 2011. 272p.Título original: Water for elephants.

“Às vezes acho que se eu tivesse de escolher entre uma espiga de milho e fazer amor com uma mulher, escolheria o milho. Não que eu não fosse gostar de curtir uma última trepada – ainda sou homem e algumas coisas nunca morrem-, mas só de pensar naqueles grãos doces estourando entre os dentes fico com água na boca. É uma fantasia, eu sei. Nenhuma das duas coisas vai acontecer. Mas gosto de pesar minhas opções, como se eu estivesse diante de Salomão: uma última trepada ou uma espiga de milho. Que dilema maravilhoso. Às vezes substituo o milho por uma maçã.”

Em um emocionante olhar para o passado, esta história é narrada por seu protagonista e nós mergulhamos junto com ele no mágico mundo do circo. Mais do que o relato de suas aventuras, conseguimos ver a alma de Jacob, seus amores, sonhos, alegrias e decepções. Em uma grande lição de amor e de vida conheça Água para elefantes de Sara Gruen.

Jacob Jankowski com seus mais de 90 anos, vive em uma casa de repouso desde que perdeu a esposa. Em mais de 70 anos ele nunca contou a ninguém sobre o período de sua vida em que trabalhou no circo, até que as lembranças começam a tomar sua mente. Talvez porque o circo tenha chegado à cidade e quando ele olhou a tenda sendo montada se lembrou de tudo, do dia em que pulou naquele trem em movimento.

Tudo começou quando ele ainda estava na faculdade, prestes a se tornar um veterinário, com pouca experiência e cheio de sonhos. Ele nunca tinha tido uma namorada de verdade, mas sonhava com as longas pernas de uma colega. Sua timidez e suas provas finais eram suas maiores preocupações, até que um acidente fatal lhe tira os pais e junto todo o futuro com o qual sonhou.

Órfão, sem ter onde morar e sem nenhum dinheiro no bolso, ele acaba vagando por uma longa estrada e por um golpe do destino pula em um trem, mas aquele não era um trem qualquer; aquele era o Circo Irmãos Benzini, o maior espetáculo da Terra.

Sem saber nada daquela sociedade totalmente fechada, ele faz poucos amigos e muitos inimigos, acaba sendo contratado para cuidar dos animais e se apaixona perdidamente, ou melhor, platonicamente por Marlena, a belíssima moça que fazia o número de cavalos. Só que Marlena era também a esposa de August, chefe do setor dos animais e portanto seu patrão.

E Jacob tem que lidar com as mudanças repentinas de humor de August; com Tio Al, o empresário tirano dono do circo; e com Walter, o anão que era seu colega de quarto e parecia odiar todo mundo, menos sua cadela. Mas Jacob também conhece Rosie, a elefanta gentil que parecia burra demais para fazer um número e que deveria ser a salvação do circo.

Água para elefantes é uma história narrada aparentemente sem grandes pretensões, com uma linguagem fluida e deliciosa de se ler, vamos acompanhando o dia a dia da vida de nosso protagonista, ora no circo, ora no asilo onde vive. Suas lembranças são marcantes, suas histórias são tristes e divertidas. Jacob é um idoso com 93 anos, mas que tem pleno domínio de suas faculdades mentais e faz uma análise crítica de sua vida e seu estado físico atual.

Me diverti em várias situações, me emocionei em outras. Acompanhando a vida de Jacob, eu também torci por todos os personagens que fui conhecendo. Rosie, a elefanta, é o animal mais fofo que eu já vi em um livro. As partes em que ele narra sua vida atual, suas dificuldades na velhice, e olha para seu corpo como se ele não funcionasse mais é triste e angustiante, ele tenta se manter forte e lúcido vivendo naquele asilo e sem nenhum direito de escolha.

O Jacob de sua juventide se apaixona a primeira vista por Marlena e sofre com seu amor platônico, ele se sentia culpado só por pensar na esposa de seu patrão. Eu gostei da personagem, mas não acho que o romance seja a principal mensagem do livro, embora tenha sido a causa de muitos acontecimentos futuros.

A América estava vivendo um período de grande depressão, milhares de trabalhadores desempregados, e embora os trabalhadores do circo vivessem em situação precária, eles estavam felizes de ter um emprego, comida e um teto (ou vagão) para dormir. Já a vida dos animais do circo era deplorável, eu fiquei revoltada durante a leitura porque sei que isso realmente acontece com tantos bichos inocentes. 

É impossível não mergulhar dentro desta história, não se apegar aos personagens e torcer por eles em cada página. A magia está em se contar a vida de personagens tão comuns com tamanha honestidade, a vida com todos seus altos e baixos, com suas alegrias, tristezas e a idéia da velhice e da morte narradas com muita sinceridade. 

Eu não diria que este é um livro triste, embora em tenha me emocionado em várias partes, está é uma história de vida, tem romance, tem risadas, mas também tem dramas, perdas e lágrimas.  Jacob e Rosie são personagens que vão ficar para sempre guardados comigo.

O livro foi originalmente lançado em 2007 e foi republicado agora em razão do lançamento da adaptação cinematográfica de mesmo nome. O drama é estrelado por Reese Witherspoon, Robert Pattinson e Christoph Waltz; com roteiro de Richard LaGravanese e direção de Francis Lawrence (Eu sou a Lenda, Constantine). Eu ainda não assisti ao filme, não gostei da atuação do Robert na saga Twilight e não consigo imaginá-lo na pele do ruivo Jacob, mas ainda pretendo ver. Deixo o trailer para vocês:




Leiam o livro, a história é linda e comovente, divertida e emocionante!!

Avaliação (1 a 5):

Postar um comentário

  © Viagem Literária - Blogger Template by EMPORIUM DIGITAL

TOPO