target="_blank">Some alt text
Promoções
target="_blank">Some alt text
Viaje com as séries
target="_blank">some alt text
Viaje comigo
target="_blank">some alt text
Ofertas Submarino
target="_blank">Some alt text
Os melhores do ano
target="_blank">Some alt text
Viajando no mundo das cores

Eu sei o que você está pensando - John Verdon

>>  sexta-feira, 11 de novembro de 2011

VERDON, John. Eu sei o que você está pensando. São Paulo: Editora Arqueiro, 2011. 352p. Título original: Think of a number.

“Eu farei o que eu fiz
Não por dinheiro ou prazer,
Mas por dívidas a serem pagas
E correções a fazer,
Por sangue que é tão vermelho
Quando uma rosa pintada.
De modo que cada um saiba
Que colhe a semente plantada.” P.35

Eu adoro ficção policial e livros sobre serial killers, confesso que só não leio mais do estilo porque a modinha juvenil pegou, e a maioria dos lançamentos são de fantasia sobrenatural ou de YA Books. Este é o livro de estreia do autor americano John Vernon, com um enigma que deixa o leitor de cabelo em pé em Eu sei o que você está pensando.

Se alguém lhe dissesse para pensar em um número, sei em que número você pensaria. Não acredita? Pense em qualquer número de um a mil. Agora veja como conheço seus segredos.

É isto que acontece com Mark Mellery, um guru de auto-ajuda, que ficou conhecido após perder a esposa, largar o alcoolismo e escrever dois livros. Hoje ele administra um centro de recuperação, ele ajuda as pessoas a encontrar um caminho. Mas, ao encontrar esta estranha carta em sua caixa de correio... ele pensa em um número e ao abrir o envelope ele encontra o número 658... e descobre que o autor da carta sabia exatamente o que ele estava pensando.

Outra mensagem vem depois e Mark começa a ficar muito assustado, o autor das cartas parecia conhecê-lo profundamente. Desesperado e sem saber o que fazer sobre as ameaças, ele procura um antigo amigo de faculdade, um brilhante detetive de Nova York.

David Gurney está aposentado depois de 25 anos de uma carreira brilhante na polícia, o detetive era um especialista em desvendar terríveis casos de homicídio e pegou vários assassinos em série. Hoje ele mora em uma fazenda no interior ao lado da esposa, Madaleine, em um casamento mais do que frágil.

Sua esposa quer que ele se interesse por outras coisas, para ela é a primeira vez que ele realmente fica em casa e espera que ele possa se desligar em definitivo de sua vida de detetive. Porém, David logo fica interessado no misterioso poema que Mark lhe mostra, e este é só o começo de um caso muito interessante.

Um assassino inteligente, que parece adivinhar o que suas vítimas pensam e que cometeu um crime impossível, sem deixar nenhuma pista que faça sentido. Ele parece odiar suas vítimas tanto quanto à polícia. Consumido pelo desafio David acaba por se tornar consultor na investigação, pondo em risco seu frágil casamento e sua vida.

“Não só vocês estão errados como estão vendo tudo ao contrário. Eu deixo uma pista depois da outra e, mesmo assim, vocês não me pegam. Para ver como vocês, policiais, são uns inúteis.” P.226

Explicar o que achei deste livro vai ser complicado, quem gosta do estilo e está em dúvida peço que analise bem os pontos positivos e negativos; em especial eu gostei muito da ideia da trama, mas não gostei da evolução da narrativa. Veja bem, o autor criou um enredo muito interessante, você fica até quase o final tentando imaginar como o assassino poderia saber em que número a pessoa estava pensando, em como ele conseguiu fazer tantas coisas estranhas na cena do primeiro crime.

Os personagens são interessantes, mas não tão carismáticos. O detetive é muito inteligente - gostei do David - e sua esposa se alterna entre momentos de extrema sagacidade e outros de muita chatice. Ao contrário de outros seriais killers, este não despertou muito meu interesse no assassinato em si, suas charadas são ótimas, mas depois de acompanhar Gretchen Lowell e outros do estilo, este era quase sem graça para matar rs.

O que eu menos gostei foi que o começo do livro é muito parado, demora tanto para alguém morrer que eu voltei e li a sinopse novamente para ver se era isto mesmo rs. O autor faz uma analise psicológica de personagens e atitudes, que por vezes é cansativa e começa a virar uma ladainha de auto-ajuda (nada contra quem goste, eu não curto). 

Por outro lado as partes cansativas muitas vezes estão cheias de pensamentos interessantes e analises muito inteligentes sobre o comportamento humano. Se você ler com atenção é um daqueles livros que te fazem pensar, se estiver só interessado nos crimes e no suspense irá achar muito maçante.

No balanço final eu gostei muito do livro, o final é bem interessante embora tenha algumas coisas manjadas, o assassino eu duvido que alguém tenha sacado antes rs. Minha nota só não foi maior, porque comparando com outros do mesmo estilo este deixou um pouco a desejar. Se você gosta de suspenses inteligentes, leia!

Avaliação (1 a 5):

Postar um comentário

  © Viagem Literária - Blogger Template by EMPORIUM DIGITAL

TOPO