target="_blank">Some alt text
Promoções
target="_blank">Some alt text
Viaje com as séries
target="_blank">some alt text
Viaje comigo
target="_blank">some alt text
Ofertas Submarino
target="_blank">Some alt text
Os melhores do ano
target="_blank">Some alt text
Viajando no mundo das cores

Viaje com as séries #15 – Lost Girl

>>  segunda-feira, 9 de julho de 2012


Mais uma segunda-feira chegou e, claro, escrevo hoje sobre mais uma série para vocês. A série de hoje é diferente, com teor sensual, com muita aventura e ação, além de momentos cômicos: Lost Girl.


A série é canadense e estreou no canal Showcase em setembro de 2010, tem duas temporadas exibidas e a terceira estreia em março de 2013. Aposto que vocês devem estar curiosos sobre o motivo que a faz diferente, né? Vamos lá.

A protagonista dessa produção é um ser sobrenatural que eu nunca tinha visto antes em séries, Bo é uma súcubo. Um demônio com aparência feminina, extremamente sensual, que se alimenta da energia vital dos seres humanos. Ela suga a energia proveniente do prazer do atacado. Caso não tenha controle, ela pode matar uma pessoa sugando sua energia. Isso aconteceu com uma pessoa especial no passado e Bo não se perdoa até hoje.


Bo cresceu em um lar adotivo, em uma família humana, e até seus 28 anos ela se manteve inconsciente de sua natureza não-humana e do mundo Fae. A primeira demonstração de seu poder ocorreu aos 18 anos, quando ela matou seu primeiro amor. Sem saber como ela foi capaz disso, Bo fugiu de sua casa, deixou de lado sua vida normal, seu passado e vive em constante mudança, principalmente quando mata novamente.


Até que a protagonista conhece Kenzi e a protege de um homem, no processo, ela mata o cara e o deixa para trás. Então, a polícia é chamada e Dyson, um detetive Fae infiltrado na polícia humana, assume o caso por ter indícios de um crime sobrenatural. Assim, ele e todo o mundo Fae conhece a existência de Bo e ela passa a saber de toda uma história de hierarquia sobre os seres sobrenaturais. Os Fae são criaturas que vivem entre e se alimentam de humanos há muito tempo, são divididos nos de luz e escuridão. Cada novo Fae precisa escolher um lado para viver. Na hora dessa escolha, Bo prefere ser neutra e não fica de lado nenhum. O que é um choque para os clãs, já que é a primeira vez na história que uma Fae não escolhe um lado e rejeita as vantagens de cada um.

Nova neste mundo tão confuso, já que fora criada por pais humanos, Bo precisa aprender muito sobre os de sua espécie, que são inúmeros e das mais variadas formas. Quando descobre o que é, Bo parte em uma jornada pessoal para descobrir suas origens, afinal quem são seus pais, por que ela foi criada por humanos e por que não conhecia os de sua espécie até então?

Kenzi, que é uma personagem hilária e minha preferida na série, incentiva Bo a tirar partido de sua natureza sobrenatural e através de suas habilidades, elas abrem uma agência de detetive particular paranormal, continuando a investigar mais sobre si mesma, o mundo Fae e seu lugar dentro dele.

Como a súcubo é um ser sexual, a série tem bastante disso. Bo topa homens, mulheres, os dois juntos e o que vier. Então prepare-se para presenciar as cenas e conhecer os mais diferentes tipos de seres sobrenaturais. Apaixone-se ou odeie-os.

Informações Gerais
  • Gênero: Sobrenatural, Mistério, Crime;
  • Duração: Aproximadamente 45 minutos;
  • Diretor: John Fawcett;
  • Produtores: Jay Firestone, Paul Rapovski, Plato Fountidakis, Michelle Lovretta e Peter Mohan;
  • Elenco: Anna Silk, Kristen Holden-Ried, Ksenia Solo, Zoie Palmer e Rick Howland.

Curiosidade
A atriz que vive a protagonista da série é muito parecida com a Anamara, uma ex-BBB. Quando eu comecei a ver, criei antipatia por ela, tudo porque não ia com a cara da participante do reality. Hoje essa antipatia ficou para trás – com a atriz.





Até a próxima semana.

Postar um comentário

Posts Recentes

  © Viagem Literária - Blogger Template by EMPORIUM DIGITAL

TOPO