target="_blank">Some alt text
Promoções
target="_blank">Some alt text
Viaje com as séries
target="_blank">some alt text
Viaje comigo
target="_blank">some alt text
Ofertas Submarino
target="_blank">Some alt text
Os melhores do ano
target="_blank">Some alt text
Viajando no mundo das cores

O guardião - Daniel Polansky

>>  quinta-feira, 30 de agosto de 2012

POLANSKY, Daniel. O guardião. São Paulo: Geração Editorial, 2012. 448p. (Cidade das sombras, v.1).Título original: Low Town.

“- Você sabe o que é isto? – perguntou ela, chamando minha atenção para a parte de dentro da coxa da menina e para uma série de manchas vermelhas que descaracterizavam sua pele.
Tentei falar, mas não consegui.
- Descubra que porra está acontecendo – disse ela, com sua constante amargura substituída pelo medo – e descubra logo.” p.213

O livro do qual vou falar hoje pertence ao gênero nomeado como “fantasia urbana” ou “fantasia noir”, são leituras mais adultas e mais densas, que misturam o caos das grandes cidades, com fantasia e mistério. Com uma narrativa forte e um anti-herói como protagonista, conheçam O guardião de Daniel Polansky.

A Cidade Baixa ou Cidade das Sombras é um lugar feio, abandonado, imundo e sórdido. Um local moralmente destruído, dominado por tipos vis, com seu território dividido entre diversos traficantes e onde a guarda nada faz pela população pobre. É neste lugar que vive aquele conhecido como O guardião, um sujeito feio e solitário, sem sentimentos e implacável.

Quando criança ele sobreviveu a grande peste, mas perdeu os pais e a irmã no processo. Viveu e cresceu nas ruas, acabou indo para a guerra e depois se tornou agente da Coroa. Hoje ele ganha a vida traficando drogas, ninguém sabe muito sobre seu passado, ele não tem amigos ou família, e vive também como um dependente, do Sopro de fada e outras drogas.

Sua rotina de usuário e vendedor de drogas, assim como de Guardião de seu território, muda quando ele encontra o corpo de uma garotinha morta e estuprada em uma viela. Por nenhum e vários motivos ele começa a investigar, entrando em conflito com parte de sua antiga vida e fazendo novos inimigos.

A menina era apenas a primeira vítima, o desespero toma conta da cidade e O guardião acaba se tornando um dos suspeitos. Agora ele precisa enfrentar os agentes da Casa Negra - seus antigos empregadores-, e contar com a ajuda do Grou, o mago da cidade, para desvendar um crime sórdido com traços de magia negra.

~~~~~

O guardião foi uma leitura no mínimo inquietante. Diferente das fantasias que costumo ler, a narrativa é mais densa, brusca e com vocabulário forte. Os personagens são pessoas sofridas e apagadas, como se virassem sombras naquele mundo triste. Nosso protagonista é o legítimo anti-herói, sem amigos, sem família, que vende drogas para sobreviver e não poupa seus inimigos. Durante a narrativa percebemos como ele evita se apegar a qualquer um, como ele acha sua própria aparência grotesca e não tem nenhum sentimento romântico pelas mulheres que vão sendo apresentadas.

Ao mesmo tempo a narrativa nos mostra algumas passagens de sua antiga vida, quando criança, na guerra ou como agente da coroa. Nem tudo é revelado, mas vamos tendo uma ideia de como ele se tornou o que é hoje. Uma das coisas que gostei foi do senso de humor do personagem, com tiradas ácidas no melhor estilo humor negro.

A parte de investigação policial perdeu pontos comigo, apesar de ter gostado da narrativa, achei tudo muito manjado. É aquela coisa, o livro todo ele tem um suspeito e acaba sendo “a pessoa que a gente menos imagina”. Sabe aquela coisa meio Agatha Christie? Achei que esta parte poderia ter sido melhor elaborada. E com isso o livro não teve aquele ápice no final, não achei o final ruim, mas achei morno.

Eu fiquei curiosa para saber mais sobre O guardião, eu não sei se no próximo livro sua alma irá se abrandar um pouco, ou se o autor manterá seu anti-herói até o final. Não achei informações sobre as continuações, quando conseguir atualizo aqui para vocês. Deixo para quem quiser saber mais sobre o livro, uma entrevista MUITO LEGAL com o autor no Podler (em inglês, legendado).


Este não é um livro que indico para qualquer leitor, por ser uma obra dura e pouco romantizada, por sua narrativa pouco suavizada, é um livro para o publico adulto. Eu gostei da proposta diferente, mas não amei o livro, então indico apenas para quem gostar do estilo ou quiser se aventurar em algo original.  Se esta for a sua, leia!

Avaliação (1 a 5):

Postar um comentário

Posts Recentes

  © Viagem Literária - Blogger Template by EMPORIUM DIGITAL

TOPO