target="_blank">Some alt text
Promoções
target="_blank">Some alt text
Viaje com as séries
target="_blank">some alt text
Viaje comigo
target="_blank">some alt text
Ofertas Submarino
target="_blank">Some alt text
Os melhores do ano
target="_blank">Some alt text
Viajando no mundo das cores

Uncharted: O quarto labirinto - Christopher Golden

>>  sexta-feira, 21 de dezembro de 2012


Golden, Christopher. Uncharted: O quarto labirinto. São Paulo: Editora Benvirá, 2012.416p. Título original: Uncharted: the fourth labyrinth.

“- Quem diabos eram esses caras? – Drake perguntou num fio de voz.
- Os caras que tentaram me levar ou os caras que mataram esses caras? – Jada perguntou.
- Tanto faz – Sully falou.
- Jada, o que foi que aquele sujeito disse pra você logo antes de desaparecer? – Drake perguntou.
Ela o encarou, como se decidisse se deveria contar ou não. Então respirou fundo.
- Voltem pra casa – respondeu.
- Poxa... – Drake falou. – Sabe, talvez esteja exagerando um pouco aqui, mas vou me arriscar e anunciar que estamos oficialmente ferrados.
Ninguém discutiu com ele.” p.150

Eu não entendo nada de jogos de vídeo game, não riam, mas os únicos que já joguei foram Age of empires e The sims :P. Então não faço ideia de que jogo seja Uncharted, sei que é um jogo que faz muito sucesso e que o livro também será adaptado para o cinema. Agora já de livros eu entendo um pouquinho =], e hoje vou contar para vocês o que achei da estória de Uncharted: o quarto labirinto do americano Christopher Golden.

Nathan Drake nunca fora um cara politicamente correto, mas também não era um completo sacana – o que dizia a si mesmo enquanto atravessava um floresta tropical em um jipe sendo seguido por traficantes armados. Mas,  no fim, até que salvar aquela garota tinha lhe rendido uma ótima gratificação. Duplamente pago ele pega um avião de volta aos EUA. Seu serviço é localizar e resgatar antiguidades, por vezes, onde resgate é sinônimo de roubo. Ele aprendeu tudo o que sabe com seu melhor amigo, que também foi uma espécie de pai para ele.

E é este amigo que liga com a voz apreensiva e preocupada, pedindo que fosse encontrá-lo imediatamente. Nate nunca tinha visto Victor Sullivan tão nervoso. E não era para menos, algo terrível havia acontecido. Luka Hzujak, grande amigo de Sully, havia sido assassinado grotescamente. O arqueólogo era especialista em labirintos mitológicos, e parece que uma de suas descobertas deixou alguém muito zangado.

Eles resolvem investigar e partem em busca de respostas para todo aquele triste mistério. Jada, filha de Luka e afilhada de Sully, parte junto com eles nesta aventura, tentando descobrir o assassino de seu pai.

Eles viajam pelo mundo em busca de pistas, do EUA para o Egito e para a Grécia, chegando até a China. Eles querem desvendar o que havia de tão importante nos antigos labirintos e percebem que a busca é muito perigosa. Eles não estão sozinhos. Atraído pelos tesouros um poderoso empresário está disposto a fazer de tudo chegar primeiro ao final deste mistério. Com muita ação e adrenalina acompanhe Drake neste labirinto cheio de perigos.

~~~~~~

Lembro quando eu li O primeiro dia e disse que eu tinha achado um porre porque não gostava de arqueologia e astrologia; agora vejo que eu não gostei mesmo foi da narrativa do outro livro, porque aqui eu já fiquei super envolvida com todas as investigações e descobertas. O autor tem uma narrativa ágil que deixa o leitor grudado em cada pista e doido para descobrir o que vem a seguir. Gostei de saber mais sobre o assunto, que muitas vezes relacionava pessoas reais com lendas mitológicas, com historias que sempre acreditamos serem apenas lendas, mas que na verdade tem um base real. Por exemplo, Midas o rei que transformava tudo que tocasse em ouro ou o labirinto de Dédalo.

Os personagens também são interessantes, Drake com seu jeito sempre engraçadinho e pouco ortodoxo, Sully que tenta manter alguma ordem na busca e Jada, corajosa e cheia de atitude. No começo achei que surgiria um romance entre Drake e Jada, mas ficou apenas na vontade. Tudo toma um rumo bem “Indiana Jones” e acontecem coisas bem surreais.

E por falar em surreal, apesar do livro amarrar bem todas as pontas do mistério, eu não fiquei convencida de tudo aquilo. Sei lá, tem lá um santuário intocado, enterrado em algum lugar e que nunca nenhum pesquisador encontrou. Ai chegam lá os três, mexem em uma pedrinha e descobrem um labirinto secreto. Eu não me convenci, e mesmo sendo uma aventura de fantasia, sei lá, eu duvidei da trama o tempo todo.

O livro tem toda cara de série, mas não achei nenhuma informação a respeito, então acho que por enquanto é um livro único. O autor tem várias obras de fantasia no currículo, é roteirista de jogos e parece conhecer bem este seguimento. Apesar de eu não ter amado o livro tenho certeza que conquista o público jovem, principalmente os meninos que curtem este tipo de jogo e livros de muita ação e aventura.

Se você curte o estilo vale a pena conhecer a escrita do autor, leiam! Quem leu me diga o que achou de Uncharted. ^^

Avaliaçaõ (1 a 5):

Postar um comentário

Posts Recentes

  © Viagem Literária - Blogger Template by EMPORIUM DIGITAL

TOPO