target="_blank">Some alt text
Promoções
target="_blank">Some alt text
Viaje com as séries
target="_blank">some alt text
Viaje comigo
target="_blank">some alt text
Ofertas Submarino
target="_blank">Some alt text
Os melhores do ano
target="_blank">Some alt text
Viajando no mundo das cores

Enigmas de Londres: Espíritos do Tâmisa - Ben Aaronovitch

>>  terça-feira, 19 de fevereiro de 2013


AARONOVITCH, Ben. Espíritos do Tâmisa. Rio de Janeiro: Editora Casa da Palavra, 2012. 368p. (Enigmas de Londres, v.1). Título original: Rivers of London.

“- Então magia é real – eu disse. O que faz de você um...o quê?
- Um mago.
- Como Harry Potter?
Nightngale suspirou.
- Não, não como Harry Potter.
- Em qual sentido?
- Não sou um personagem de ficção.” p.50


Literatura fantástica com ficção policial. Esta é a aposta da série do autor Londrino que fez sucesso como roteirista da série de TV Doctor Who, Ben Aaaronovitch. Com um ar teatral e um humor ácido não consigo lembrar de outro livro do estilo com que eu possa compará-lo. O livro é diferente e a leitura teve desdobramentos inusitados. Hoje vou falar do primeiro volume da série Enigmas de Londres com Espíritos do Tâmisa.

Peter Grant era apenas mais um jovem guarda da Policia Metropolitana de Londres e deveria passar por um período como patrulheiro nas ruas, como todos os policiais novatos. Isso porque segundo seu chefe “nada molda mais o caráter do que ser agredido, cuspido e vomitado pelos populares”. E, por isso, quando encontraram aquele cadáver na rua... que pareceria apenas mais um bêbado dormindo se não estivesse decapitado, ele e sua colega Lesley May foram os únicos a permanecerem no local, vigiando o perímetro, depois de todo mundo ir para casa dormir.

E isso foi só o começo, porque logo em seguida Peter encontra um fantasma que parece ser a única testemunha do crime. Isso mesmo, um fantasma. E é quando ele pensa “certo, só porque você enlouqueceu não significa que deva deixar de agir como policial”. E então ele faz o que era esperado, pega um bloquinho e anota todas as informações passadas pelo senhor fantasma.

“Algumas vezes fico pensando se por acaso tivesse sido eu a buscar o café, e não Lesley May, minha vida teria sido muito menos interessante e certamente muito menos perigosa. Teria sido qualquer um, ou foi o destino? Quando penso nisso, acho útil citar a sabedoria de meu pai, que uma vez me disse: Quem sabe por que alguma coisa acontece, porra?” p.11

E é então que Peter é recrutado para trabalhar e uma unidade especial da policia que trata de casos envolvendo magia e sobrenatural, tornando-se o aprendiz do detetive Nightingale. Ele precisa aprender a usar a magia, usar seu sexto sentido para detectar o sobrenatural em determinado local e cuidar de um cachorrinho muito diferente, Toby.

Além de descobrir quem está por trás da morte do homem decapitado, e de outras que vão surgindo - todas relacionadas com magia-, ele precisa enfrentar vampiros e usar de inteligência para promover uma trégua entre os deuses do rio Tâmisa.

~~~~~

O autor escreve bem, sua narrativa é bem peculiar, seus personagens são muito humanos e o livro é recheado do sutil humor inglês. O enredo conta também com um toque teatral, quase como se fossemos aplaudir os personagens depois de um grande ato.

Narrado em primeira pessoa pelo protagonista, ficamos conhecendo Peter, um policial que descobre a existência da magia e do sobrenatural. E daí é uma salada só, fantasmas, vampiros, deuses, bruxos e Molly – a empregada de Nightingale que até agora não sei o que realmente era.

O enredo é interessante e bem escrito, mas eu sinto que perdi algo; ou eu não me conectei com o livro, ou realmente faltou algo. Vi alguns comentários em resenhas internacionais dizendo que os personagens lembram muito os de Doctor Who, eu nunca assisti a série e não saberia dizer. O humor inglês é também difícil de se perceber, em algumas passagens eu fiquei até meio perdida – pode ser também algum problema de tradução, mas sem o original em mãos eu não saberia dizer.

E apesar de me divertir e rir em algumas passagens, eu não consegui me envolver com os personagens. Peter não tem aquele apelo do protagonista, aquela empatia com o leitor, que nos faz torcer e sofrer por ele. Nenhum dos personagens mexeu comigo, eu apenas queria chegar ao final para descobrir o mistério dos assassinatos e como eles resolveriam o caso. A parte dos deuses do rio eu achei meio sem noção, como se pudesse ter ficado fora da historia sem a menor diferença. O romance também não ganha espaço no livro, Peter demonstra bastante interesse por Lesley e por outra personagem que aparece na historia, mas fica só nos pensamentos carnais do personagem rs.

Por outro lado, eu gostei muito da narrativa objetiva de um personagem masculino. Bom, de qualquer forma, eu achei o livro muito diferente do que estou acostumada a ler e fiquei super curiosa para ler os próximos livros da série. Espero que só melhore, quem leu me diga o que achou. ^^

Indico para todos que gostam de fantasia, magia e um toque de ficção policial e suspense. Mas não se enganem com a frase da capa do livro “o que aconteceria se Harry Potter crescesse e se unisse ao CSI?” é puro marketing... só para variar. Leiam! =]

Série Enigmas de Londres do Ben Aaronovitch
  1. Espíritos do Tâmisa (Rivers of London)
  2. Moon Over Soho (os demais ainda não lançados no Brasil)
  3. Whispers Underground
  4. Broken Homes.
Avaliação (1 a 5): 3,5

Postar um comentário

Posts Recentes

  © Viagem Literária - Blogger Template by EMPORIUM DIGITAL

TOPO