target="_blank">Some alt text
Promoções
target="_blank">Some alt text
Viaje com as séries
target="_blank">some alt text
Viaje comigo
target="_blank">some alt text
Ofertas Submarino
target="_blank">Some alt text
Os melhores do ano
target="_blank">Some alt text
Viajando no mundo das cores

O projeto Rosie - Graeme Simsion

>>  terça-feira, 13 de agosto de 2013

SIMSION, Graeme. O projeto Rosie.  Rio de Janeiro: Editora Record, 2013. 320p. Título original: The Rosie Project.

“Gene e Claudia tentaram por algum tempo me ajudar com o Problema Esposa. Infelizmente, a abordagem deles se baseava no tradicional paradigma do namoro, que eu já havia abandonado baseando-me no fato de que as probabilidades de sucesso não justificavam o esforço e as experiências negativas. Tenho trinta e nove anos, sou alto, estou em forma e sou inteligente; tenho um status relativamente elevado e uma renda acima da média como professor associado. Segundo a lógica, eu deveria atrair uma ampla variedade de mulheres.” p.9

Este é o segundo livro que leio do subgênero classificado como Lad lit, uma espécie de Chick-lit narrado por um protagonista do sexo masculino. Foi o que primeiro me atraiu no livro. Além disso ele é diferente, a narrativa, o protagonista, a inteligência do autor com sacadas fenomenais. Ele vem encantando muita gente por aí, hoje vou falar sobre O projeto Rosie do australiano Graeme Simsion.

Don Tillman, 39 anos, professor universitário, solteiro e com poucos amigos – quatro, sendo que dois deles já morreram-, tem uma maneira muito peculiar de encarar a vida. Don segue regras e planejamentos, cronometra meticulosamente cada passo do seu dia, do cardápio pré-definido até suas horas dedicadas aos esportes físicos, das visitas ao amigo Gene, até o tempo para limpeza do banheiro. Don só tem um problema, ele é solteiro! E conforme pesquisou, já foi cientificamente provado que homens casados e que se reproduzem tendem a viver mais.

E é por isso que Don precisa arrumar uma esposa. Mas não qualquer esposa, a esposa ideal. Não existe nada na vida de Don que não possa ser solucionado com uma pequena pesquisa científica, com exceção das mulheres. Don é um ótimo geneticista, um homem com inteligência acima da média, mas com total inabilidade de se relacionar com outro ser humano.  Ele nunca teve uma namorada, porque não consegue entender conceitos simples como “a dificuldade que elas têm em escolher um sabor de sorvete”; já que como vocês devem saber, ou deveriam, todos os sorvetes tem basicamente o mesmo gosto, devido ao resfriamento das papilas gustativas.

Para solucionar o problema de modo eficaz, Don tem uma ideia brilhante e decide compartilhá-la com seus amigos, Gene e suas esposa Cláudia. Don desenvolve o Projeto Esposa, com um questionário meticuloso que irá lhe ajudar a selecionar mulheres adequadas como parceiras. Seus critérios são muito pouco flexíveis, e como ele vai descobrindo, difíceis de serem alcançados.

A pesquisa exige tempo, um tempo que começa a alterar sua rotina, principalmente depois que ele conhece Rosie. Uma mulher totalmente inadequada, mas que começa a fazer com que Don mude um pouco seu modo de ver a vida. A partir daí, Don, seus horários e os sabores de sorvete nunca mais serão os mesmos.

~~~~~~

O projeto Rosie é encantador, fofo, inteligente e divertido. Tem uma narrativa bem diferente, você realmente sente que o livro é narrado por um homem, e o personagem é incrível. Eu já estou com saudade de Don, é daqueles personagens que mereciam mais livros, eu aprendi muito com ele. Aprendi por exemplo, que eu não devo tomar café após as 15:48. Já que interfere no sono, a meia vida da cafeína dura de 3 a 4 horas, portanto é irresponsabilidade tomar café depois deste horário! (p.14) E depois ainda reclamo que tenho insônia - apesar de que raramente tomo café, prefiro chá mate rs. Don é apaixonante, ele conquista com seu jeito e me lembrou muito do Sheldon, da série The Big Bang Theory.

Don é um computador ambulante, um cara cheio de regras e muito conhecimento, mas que não sabe conviver com as pessoas ou se integrar para ter uma boa vida social. Don é ineficaz quando se trata de relacionamento, de qualquer tipo de relacionamento. Na verdade Don, embora não saiba, é portador da Síndrome de Asperger. A doença é classificada como uma forma branda de autismo, porém, diferente do autismo clássico, quem tem Asperger não apresenta comprometimento intelectual ou retardo cognitivo, muitos portadores da síndrome possuem QI acima do normal.

“- Será que não dá pra você fingir que é um ser humano normal e apenas me ouvir?
Eu não tinha muita certeza se conseguiria imitar um ser humano normal, mas concordei em caminhar. Era óbvio que Rosie estava confusa com as emoções, e respeitei sua tentativa de dominá-las. No fim, ela acabou quase nem falando. Isso tornou a caminhada bastante agradável – era praticamente como caminhar sozinho.” p. 109

Os portadores normalmente têm “dificuldade de interação social, dificuldades em processar e expressar emoções, interpretação muito literal da linguagem, dificuldade com mudanças em sua rotina, pessoas desconhecidas, ou que não veem há muito tempo, comportamentos estereotipados.” FONTE: http://www.einstein.br/einstein-saude/pagina-einstein/Paginas/entendendo-a-sindrome-de-asperger.aspx e Wikipédia.

Agora sobre este ponto, minha primeira crítica, o autor perdeu uma grande oportunidade de desenvolver mais o emocional de Don como portador de uma síndrome pouco conhecida e dificilmente diagnosticada. No livro nós rimos de Don, da sua falta de tato, das suas mancadas, das loucuras que ele diz na cara de uma pessoa. Nós rimos dele, nos divertimos a sua custa. Mas, Don tem uma doença, isso é citado, mas não é desenvolvido. Como Don se sente sem ter amigos? Sem nunca ter tido uma namorada? Como ele se sente quando as pessoas fazem piada com ele ou o ignoram? Achei que o tema foi subdesenvolvido, uma pena.

A segunda crítica é para o final, mas nem é realmente um ponto negativo, é só que eu adorei a historia e não queria que tivesse acabado tão rapidamente. Eu queria muito mais sobre a vida de Don. Achei que o final foi meio “bollywodiano”.

Acima de tudo eu indico muito a leitura, foi um dos livros que se destacaram este ano por sua originalidade. Espero ansiosa por mais livros do autor, a narrativa é deliciosa e o protagonista é fantástico. Leiam com certeza!

Projeto Rosie do Graeme Simsion:

  1. O projeto Rosie (The Rosie Project)
  2. O efeito Rosie ( The Rosie Effect)
Avaliação (1 a 5):

Postar um comentário

Posts Recentes

  © Viagem Literária - Blogger Template by EMPORIUM DIGITAL

TOPO