target="_blank">Some alt text
Promoções
target="_blank">Some alt text
Viaje com as séries
target="_blank">some alt text
Viaje comigo
target="_blank">some alt text
Ofertas Submarino
target="_blank">Some alt text
Os melhores do ano
target="_blank">Some alt text
Viajando no mundo das cores

A filha da feiticeira - Paula Brackston

>>  quarta-feira, 23 de outubro de 2013

BRACKSTON, Paula. A filha da feiticeira. Rio de Janeiro: Editora Bertrand, 2013. 449p. Título original: The witch’s daughter.

“O ofício da feitiçaria tradicional é benigno e bom, e acredito que ela o tomará para si. Na verdade, já se mostrou uma aluna interessada, passando cada vez mais tempo comigo, ouvindo atentamente e executando minhas instruções com cuidado e interesse. Confesso que estou gostando tanto da companhia quanto do entusiasmo dela. É claro, está fora de questão sequer permitir que ela passeie nos reinos mais sombrios da arte. Essa magia não tem lugar em sua vida. Não desejaria a ninguém o preço que paguei pelo poder que escolhi aceitar. E foi uma escolha, por mais que eu possa querer culpar as circunstâncias e o infortúnio. Foi a minha escolha.” p.198

Eu adoro fantasias com bruxas, quem acompanha as resenhas a mais tempo sabe disso, no blog têm vários livros do estilo resenhados. Quando vejo um lançamento do gênero já fico toda empolgada e este ainda é um livro individual, fiquei animada. Hoje vou contar para vocês o que achei sobre A filha da feiticeira da Paula Brackston.
“Meu nome é Elizabeth Anne Hawksmith, e tenho 384 anos.Cada era exige um novo diário.Assim sendo, começa este Livro das Sombras.”
Batchcombe, Wessex, 1627.
Elizabeth Anne Hawksmith, mais conhecida como Bess, vivia de forma simples e feliz com sua família. Até que o pequeno lugarejo onde moravam foi assolado pela peste. Primeiro ela perdeu o irmão, depois seu pai e sua amada irmãzinha. Bess, com apenas 15 anos, também sucumbiu a peste e mesmo com todos os cuidados da mãe estava destinada a morrer. Quando Bess sobreviveu sem nenhuma marca, a ira do vilarejo cai sobre sua família. O magistrado chega a cidade, sua mãe é presa e acusada de feitiçaria. A mãe é condenada a morte, e antes que a sentença se cumpra, ela implora a Bess que procure o misterioso Gideon Masters, só ele pode salvar Bess de ser perseguida e condenada ao mesmo final trágico.

Gideon é um homem solitário e misterioso, e quando Bess pede proteção, ele oferece outra coisa, ele quer iniciá-la na arte da bruxaria. Ele oferece a Bess a liberdade e a imortalidade. Mas o preço pode ser auto demais, Gideon não quer apenas salvar Bess, quer que ela fique ao seu lado para sempre.  E é então que ela começa a fugir.

Inglaterra, dias atuais.
Elizabeth leva uma vida praticamente reclusa. Ela cuida de sua horta, faz seus rituais, vende seus remédios e poções naturais na feira da cidade. A discrição é necessária, ainda hoje ela precisa fugir de seu antigo mestre, aquele que a perseguiu através dos séculos.

Elizabeth conhece Tegan, uma jovem solitária que faz de tudo para conquistar sua atenção. Mesmo relutante, Elizabeth começa a ensinar a menina os rituais da feitiçaria. E enquanto ela começa a relembrar o  passado, sabe que os demônios que a perseguem não ficarão longe por muito tempo.

~~~~~~

Paula Brackston escreve bem, de forma rápida e clara. E o fato do livro ser individual me deixa mais animada, em breve sairá outro livro da autora por aqui e pretendo ler também. Achei interessante que o livro é classificado como um juvenil, mas boa parte da historia é narrada por uma protagonista adulta; o que pode gerar expectativas não correspondidas pelos leitores mais velhos. 

Eu adoro bruxas e gostei de como ela desenvolveu a passagem do tempo durante os séculos. Bess adolescente em 1627, ela em Paris em 1917 acho e por ai vai, ela sempre tentando usar seus poderes para o bem, aperfeiçoando a cura e tentando fugir de seu passado.

Bess é uma ótima protagonista adolescente, ela sofrendo com a perda da família e com os eventos que culminaram a morte da mãe até sua fuga. A Bess do futuro foi um pouco inocente demais para o meu gosto, quando se repetia o mesmo desdobramento  - Gideon se disfarçando para se aproximar dela, e ela nunca desconfiando a tempo, eu fui ficando com preguiça rs. Eu sempre acho que os "imortais" ou personagens que vivem tantos anos, deveriam ser mais maduros e inteligentes. :P 
A Bess atual, ou Elizabeth, eu gostei também, ela é uma mulher solitária que vê em Tegan uma chance de ter alguém em sua vida, de passar seus ensinamentos para a garota.

O final para mim foi a parte menos interessante do livro, tudo muito rápido e meio apático, não é nem o que aconteceu, mas a forma como tudo foi contado que perdeu pontos comigo.

No fim achei um livro bem escrito, interessante e que eu não me arrependo de ter escolhido... mas que poderia ser melhor. Faltou algo nele para me conquistar, para me fazer morrer de amores pela historia e ela acabou como um livro apenas bom.

Nem sei exatamente o que faltou, um ápice no final, mais emoção, um romance bem desenvolvido. Ou um suspense que não estivesse tão na cara – o papel de Gideon na historia.

Enfim, quem curte bruxas vale a pena conhecer a historia, mas não é dos melhores deste estilo.  ^^

Avaliação (1 a 5):
Comentou? Não esqueça de preencher o formulário do Top Comentarista de Outubro!

Postar um comentário

  © Viagem Literária - Blogger Template by EMPORIUM DIGITAL

TOPO