target="_blank">Some alt text
Promoções
target="_blank">Some alt text
Viaje com as séries
target="_blank">some alt text
Viaje comigo
target="_blank">some alt text
Ofertas Submarino
target="_blank">Some alt text
Os melhores do ano
target="_blank">Some alt text
Viajando no mundo das cores

Os adoráveis - Sarra Manning

>>  terça-feira, 22 de outubro de 2013

MANNING, Sarra. Os adoráveis. São Paulo: Editora Novo Conceito, 2013. 384p. Título original: Adorkable.

O manifesto
1 - Não temos nada a declarar, a não ser sobre nossa dorkidade.
2 - Bazares de usados são nossos shoppings.
3 - É melhor transar do que ficar na mesmice.
4 - Necessariamente, o sofrimento não melhora você como pessoa, mas lhe dá assunto para blogar.
5 - Experimente Photoshop, tintura de cabelo, diferentes esmaltes e sabores de cupcake, mas nunca experimente drogas.
6 - Não siga líderes, seja um.
7 - A necessidade é a mãe da customização.
8 - Filhotes tornam tudo melhor.
9 - Garotas quietinhas raramente fazem história.
10 - Nunca esconda sua esquisitice, mas use-a como um escudo.

Jeane não é uma garota comum, então eu espero que esta resenha saia do comum.^^ Eu imagino este livro na tela dos cinemas, seria uma comédia romântica teen com muitas risadas... e alguns cabelos estranhos e roupas completamente esquisitas. Não julgue! O livro é sobre isso também, liberdade para ter cabelos horríveis e roupas grotescas... ops, nada disso, liberdade para ser diferente. Sem ser julgado e condenado por não gostar de todas as coisas certas, como quase todo mundo. Menos este blog, e o blog da Jeane, que todos deveriam gostar... Enfim, conheçam Os adoráveis da Sarra Manning.

Jeane Smith é uma garota incomum, ou completamente lunática, como diria Michael Lee. Ele é o cara lindo da escola, meninas escrevem poesias na porta do banheiro sobre as suas bochechas, sério mesmo! Ele é lindo, atleta, popular. Ela, segundo ele, tem cabelos grisalhos estúpidos e roupas repugnantes de poliéster, com seu jeito incomum de se tornar o menos atraente possível, e mesmo assim esperar ser notada. Para ela, Michael é o típico adolescente com uma ameba no lugar do cérebro, que usa roupa de marcas que exploram criancinhas na Ásia e tem um falso moicano completamente ridículo.

Os dois não tem nada em comum, eles poderiam passar anos na escola sem ao menos se cumprimentarem... se não fosse seus respectivos namorados estúpidos. Assim te contaria Jeane: Barney, era o namorado de Jeane, o típico nerd sem vida social que ela tirou do completo marasmo e fez dele uma pessoa melhor. Scarlett, namorada de Michael, a típica loira burra, com corpo de modelo e cérebro vazio. Obviamente ele se oferecera para ser seu tutor de matemática. Mas por algum desalinhamento dos planetas, os dois pareciam completamente ATRAÍDOS um pelo outro. 

“Pessoas começam a amar e param de amar o tempo todo, e não é como se eu e Barney fossemos Romeu e Julieta revisitado (embora eu tenha certeza de que sua mãe adoraria se eu bebesse veneno e, tipo, morresse), por isso, se Barney quisesse se apaixonar por outra pessoa, não havia nada que eu pudesse fazer.” p. 64

E como os dois continuaram com este comportamento estranho, Michael e Jeane acabaram se conhecendo. E se odiando mutuamente.

Jeane não tinha paciência com os garotos idiotas da escola, as aulas chatas e os estudantes sem opinião. Ela era famosa, seu blog Adorkable é um estilo de vida dork. Ela já ganhou vários prêmios, ministra palestras em vários países  tem milhares de seguidores no twitter e é cheia de personalidade. Mas ela também é uma garota solitária. Mora sozinha porque seus pais são completamente inaceitáveis e sua única irmã mudou para os EUA para fazer sua residência médica. Ela pedala por Londres procurando o próximo brechó e ignora toda a besteira da escola. Até o acidente.

“Ela ficou ali em silêncio e imóvel, o que teria sido um alívio em qualquer outro momento, mas não quando eu tinha certeza de que tinha acabado de matá-la. Ah, Deus! Isso vai estragar minha entrevista para Cambridge...” p.86

A partir daqui coisas mais estranhas acontecem, eles continuam se odiando e trocando farpas diárias, até que se odiar deixa de ser uma opção.

“Talvez eu tenha beijado Jeane porque isso a faria calar a boca. Ou aquela pode ter sido a maneira mais fácil de lhe mostrar que eu não era quem ela pensava que eu era, que realmente podia haver algumas profundezas ocultas em mim, no final das contas. Mas tenho a terrível sensação de que a beijei porque queria.” p.110

“Ele enrijeceu. Não, não desse jeito. Ele ficou tenso, e pareceu triste e desconfiado, como se achasse que eu não poderia deixar de devastar sua pobre, indefesa e inocente boca mais uma vez, o que não era o caso.” p.114

~~~~~~~

Já te convenci até aqui não? Jura? Ok, vamos lá. Este livro é fofo e divertido, e diferente, e despretensioso na mesma medida. Os personagens são adoráveis, se você tiver a mente aberta e não julgá-los antes mesmo de conhecê-los.

Não é qualquer um que vai gostar de Jeane, ela é birrenta, metida a besta e completamente sem noção. Ela é gordinha, baixinha, usa roupas horríveis e se acha boa demais para os pobres mortais de sua escola. Jeane é assim, e eu me encantei com ela com todos seus inúmeros problemas. Porque ela é sarcástica, divertida, me matou de rir e é corajosa. Tem que ter coragem para ir a escola daquele jeito, sério mesmo. E ela é metida a besta, mas pelo menos tem um bom motivo. Ela realmente faz muito sucesso com suas ideias malucas e seu blog famoso.

Mas Jeane também é cheia de preconceitos, ela quer ser diferente, mas ela considera tudo que é normal apenas um estereótipo, completamente inaceitável e não condizente com sua inteligência superior. E é ai que entra Michael, o garoto fofo normal. Inteligente, lindo, gente boa e cheio de amor para dar. E Jeane se comporta como uma vaca com ele.

Ou seja, meninas odiando a Jeane e amando o Michael em 3...2...1... (se for o seu caso não leia...). Isso não aconteceu comigo, a autora me conquistou direitinho com diálogos inteligentes e um livro YA bem mente aberta, que fala de sexo adolescente, moda, preconceito, família, futuro e muitas outras coisas, tudo com muito bom humor. Achei apenas que  a autora exagerou no drama adolescente no final, foi a única coisa que não curti muito.

Ei, você aí! Você tem que ler!!! Não que Jeane se importe, ela está pouco se lixando para as pessoas desmioladas que não tem inteligência para reconhecer que este livro é... Adorável! ^^ Leiam J

Avaliação (1 a 5):

Postar um comentário

Posts Recentes

  © Viagem Literária - Blogger Template by EMPORIUM DIGITAL

TOPO