target="_blank">Some alt text
Promoções
target="_blank">Some alt text
Viaje com as séries
target="_blank">some alt text
Viaje comigo
target="_blank">some alt text
Ofertas Submarino
target="_blank">Some alt text
Os melhores do ano
target="_blank">Some alt text
Viajando no mundo das cores

Proposta inconveniente - Patricia Cabot

>>  terça-feira, 29 de julho de 2014

CABOT, Patricia. Proposta inconveniente. Rio de Janeiro: Editora Record, 2014. 350p. Título original: Na improper proposal.

“Não pôde simplesmente se afastar. Não pôde deixá-la em paz. Ah, não. Não o capitão Connor Drake, baronete e novo sócio da Cia. de navegação Dixon e Filhos. Não, ele teve de beijá-la. Não adiantaria arranjar desculpas, como o luar ter embaralhado sua mente ou ela estar chorando. Logo Payon Dixon, que ele jamais vira chorar, exceto uma vez, quando foi ferida por um navio de guerra português. Não, ele sabia muito bem o que estava fazendo.” p.112

Eu sou fã da Meg, mas não costumo acompanhar seus romances sob o pseudônimo de Patricia Cabot. Li A rosa do inverno faz anos, na época nem tinha o blog ainda, então não tinha muito ideia do que esperar. Hoje conto para vocês o que achei de seu novo livro no Brasil, que já encanta pela capa, Proposta inconveniente.

Payton Dixon, 18 anos, é a única menina no meio de quatro irmãos, embora ninguém desconfiasse disso ao olhar para Payton no meio dos irmãos, trabalhando em um dos barcos da família. Ela cresceu acompanhando o pai, Henry Dixon, e os irmãos em uma grande companhia de navegação inglesa. O sonho de Payton, agora que já é praticamente uma adulta, é ganhar um navio - como os irmãos ganharam ao completar 19 anos- e se tornar capitã. Claro que no início do século XIX, seu sonho não está entre as atribuições de uma dama.

E quem afirma isso é sua nova cunhada, Georgiana, a esposa de seu irmão mais velho, Ross. Ela acredita que Payton precisa ficar em Londres, debutar na sociedade e arranjar um marido, afinal, não falta dinheiro à família para pagar pelo seu dote. A simples ideia é inconcebível para Payton, uma moça acostumada a brigar de igual para igual com os irmãos, que não leva desaforo para casa.

Uma Payton com um vestido sedutor e espartilho era a última coisa que o capitão Connor Drake esperava encontrar em sua casa. Ele é um velho amigo da família, e trabalha com o pai de Payton desde bem novo. Agora que seu irmão mais velho morreu, Drake herdou um baronato e precisa se casar.

Payton sempre teve uma paixonite por Drake, e não consegue entender como ele irá se casar com outra mulher, uma mulher que não fosse ela, ainda mais a dissimulada da Srta. Whitby. Ele sempre a viu como uma criança, como a irmãzinha de seus amigos. E agora, de repente, nota que ela se transformou em uma mulher, uma mulher lindíssima. O problema, é que ele enxerga isso quando está prestes a se casar.

~~~~~~~~~

A escrita da Meg/Patricia é sempre muito gostosa e divertida. E nesse livro ela resolveu levar o enredo para alto-mar, com barcos, piratas, marinheiros sarados humm e muita confusão. Payton é uma menina moleca, que passou quase a vida inteira a bordo de um navio, em viagens onde vez ou outra enfrentava piratas ao lados dos irmãos completamente sem noção: Hudson, Raleigh e Ross.

Bem no início achei os irmãos dela estereotipados demais no quesito bonachão, eles são bobos, bêbados e... bobos, em quase todas as cenas. Achei meio forçado o humor dos irmãos e as atitudes de Payton, sempre gritando por atenção e querendo provar ser capaz de ser como os homens. Isso e seu grande amor prestes a se casar, deixam a moça mais incontrolável que o normal. Depois a autora deixa a sociedade Londrina e leva a história para o mar, o ponto alto do livro, muda bastante o modelo que costumamos encontrar nos romances de época. Aí tem muita aventura, muitas cenas divertidas e inúmeras cenas hots.

A narrativa em terceira pessoa se alterna entre os protagonistas, bem aos poucos vamos conhecendo quem é Drake de verdade, um pirata moreno e bonitão, totalmente piriguetagem literária. Agora a química entre o casal, deixou demais a desejar. Falta romantismo e sobra cenas hots, a Payton moleca e com ares de menina de repente vira uma deusa do sexo aos olhos de Drake.

Eu esperava mais do livro, achei legal e divertido, porém o enredo ficou simples e forçado em algumas partes. Apesar disso, foi uma leitura gostosa e um bom passatempo. Quero os outros livros da autora, qual vocês me indicam? Leiam. ^^

Avaliação (1 a 5):

Comente, preencha o formulário e concorra ao Kit Top comentarista do mês de julho!

Postar um comentário

  © Viagem Literária - Blogger Template by EMPORIUM DIGITAL

TOPO