target="_blank">Some alt text
Promoções
target="_blank">Some alt text
Viaje com as séries
target="_blank">some alt text
Viaje comigo
target="_blank">some alt text
Ofertas Submarino
target="_blank">Some alt text
Os melhores do ano
target="_blank">Some alt text
Viajando no mundo das cores

Viaje com as séries #119 - The Flash

>>  segunda-feira, 4 de agosto de 2014


Acredito que todo mundo, pelo menos uma vez na vida, tenha se deparado com The Flash. Seja assistindo a desenhos, filmes, lendo HQs ou até mesmo pela expressão “Nossa, é The Flash”, quando nos referimos a algo ou alguém muito rápido, esse super-herói já esteve perambulando perto de nós. Agora ele ganhou uma série atual só para ele e promete agradar o pessoal que tem uma queda pelo gênero e, até mesmo, conquistar aqueles que não são tão fãs.
Apresentado em um dos episódios de Arrow, também da CW, Barry Allen ganhou o coração e a simpatia da Felicity linda do meu coração e ainda se mostrou um profissional diferenciado, com sentidos apurados para ajudar a resolver crimes. Ele é médico-legista na cidade de Central City e parou no território do Arqueiro para investigar um crime que ele achava ter ligação com um caso em que trabalhava. Barry é daqueles personagens praticamente impossíveis de não se apegar. Seu jeito todo aparentemente frágil, sua timidez e, principalmente, sua personalidade desastrada fazem com que a gente passe a torcer pelo cara. Pelo menos comigo foi assim. Eu totalmente poderia ser amiga dele. Sem falar que o ator Grant Gustin é totalmente carismático no papel, diferente de seu personagem chatinho e do mal de Glee.


O piloto da série, que está prevista para estrear em outubro, vazou na internet no dia 25 de junho, não pude segurar minha curiosidade e o vi. Gostei muito da apresentação, de como contaram sua história triste de infância, com a morte da mãe e a prisão injusta do pai, de como ele foi criado e como duvidou de si mesmo quando o assunto era o que viu na noite do assassinato da mãe. O episódio também conta, claro, como Barry recebe os “poderes” e acaba se transformando no Flash.
A coisa que mais marcou a vida de Barry, com toda certeza do mundo, foi ter visto sua mãe em perigo e não conseguir fazer nada para protegê-la. Ele só viu um borrão amarelo em volta dela e tudo o que lembra depois disso é de estar no meio de uma rua, longe de casa. Ninguém acredita que um borrão tenha sido o responsável pelo assassinato da mãe do garoto franzino, que costumava apanhar dos valentões e encontrar conforto nos pais, por conta disso, seu pai é considerado culpado, outro trauma para a vida do rapaz.
Quando adulto, Barry é o eficiente (e geralmente atrasado) médico-legista da cidade. Sua competência acaba passando por cima de seus atrasos, além de sua relação próxima com o detetive West, que sempre tenta tirá-lo de enrascadas. Ele é o melhor amigo de Iris, filha do detetive, e é tremendamente apaixonado por ela. Aquela velha história de friendzone. Os dois estavam juntos, assistindo ao lançamento da criação do Dr. Wells - um acelerador de partículas com o objetivo de abastecer a cidade com outra fonte de energia, revolucionar a ciência e etc - quando a invenção explode, as ondas de energia acabam matando muita gente, colocam o Dr. Wells na cadeira de rodas e deixam Barry em coma.
Nove meses depois, Barry acorda, completamente bem, e após um tempo percebe algo diferente em seu corpo. Com a ajuda do pessoal do laboratório STAR (Caitlin Neve, Cisco Ramon e Harrison Wells), ele começa a conhecer seus novos poderes e a usá-los para o bem. Ele também descobre que sua paixonite tem um novo amor (que pode se transformar em um vilão mais para frente) e que não foi o único a “mudar” com a explosão de meses atrás. O problema maior é que nem todos os atingidos são pessoas de bem. No episódio ele ajuda a polícia e tenta capturar um desses caras maus, mas acaba causando um acidente que provoca a morte de um inocente, o que o faz questionar sua atitude e o que fazer dali pra frente.


Nesse momento, ele parte para buscar conselhos com a única pessoa que ele acredita ser capaz de dá-los: Oliver Queen. A presença do Arqueiro no piloto foi excelente, principalmente essa imagem de mentor e amigo que Oliver deixou. No fim do episódio, uma revelação deixa um grande mistério no ar: será o vilão da temporada? Por que as mentiras? O que a imagem do futuro quer dizer?
Eu totalmente aprovei o episódio e continuarei acompanhando a série, que aparentemente agradou a todos de forma geral. Tanto os inseridos no mundo da HQ quanto os que não sabem praticamente nada da história original, como eu. É uma ótima dica de nova série para acompanhar na fall season.



Ah, parece que a MTV transmitirá a série por aqui. Ainda não é oficial e eu acho que seria mancada da Warner não passar, já que é ela quem transmite Arrow. Enfim, vamos aguardar. Anotem na agenda, a estreia nos EUA está marcada para o dia 7 de outubro.






Postar um comentário

Posts Recentes

  © Viagem Literária - Blogger Template by EMPORIUM DIGITAL

TOPO