target="_blank">Some alt text
Promoções
target="_blank">Some alt text
Viaje com as séries
target="_blank">some alt text
Viaje comigo
target="_blank">some alt text
Ofertas Submarino
target="_blank">Some alt text
Os melhores do ano
target="_blank">Some alt text
Viajando no mundo das cores

Pão-de-mel - Rachel Cohn

>>  quinta-feira, 30 de outubro de 2014

COHN, Rachel. Pão de mel. Rio de Janeiro: Editora Galera Record, 2008. 220p. (Cyd Charisse, v.1). Título original: Gingerbread.

“Nos programas de TV, quando adolescentes transam -, isso é sempre uma coisa ruim, ou algo que precisa ser rediscutido até que os personagens possam finalmente transar. Na vida real, não é tão difícil. Olhar, querer, tocar, problema.
O sexo não termina sempre em problema. Na TV, se você é adolescente e faz sexo ou você é (a) um personagem secundário, ou (b) vai aprender  uma lição importante, seja porque fica grávida, porque pega Aids ou qualquer outra doença sexualmente transmissível, ou pelo menos vai sofrer com cenas de pais histéricos por causa disso.
A maioria das pessoas da minha idade que conheço, simplesmente faz isso, não fica conversando sem parar a esse respeito, e certamente não tolera conversar sobre isso com os pais.” p.71

Tenho este livro faz séculos, na época vi muitos elogios, mas acabou ficando parado sem ler, até que o escolheram para o Clube das gêmeas. É o primeiro livro da trilogia YA Cyd Charisse e conta a história de uma menina/moça e seus dramas próprios da idade. Hoje vou contar para vocês o que achei de Pão-de-mel da Rachel Cohn.

Cyd Charisse, 17 anos, foi expulsa do Colégio Interno para adolescentes privilegiados onde estudava, após ser pega em cenas constrangedoras com o namorado, Justin. Ela volta a viver em São Francisco com os pais, e enquanto está sem aula aproveita para curtir em companhia do novo namorado, Siri. Está tentando entrar nos eixos, parou com as loucuras que fazia na escola. E ao contrário do ex que estava envolvido com drogas, Siri é um surfista legal e boa praça.

Os pais de Cyd, ou melhor, sua mãe e seu pai adotivo Sid, tentam impor limites e melhorar o comportamento fechado da garota, que se sente ignorada pela mãe que tem duas crianças em casa para cuidar. Seus únicos amigos são sua boneca Pão-de-mel e uma velhinha do asilo onde prestou serviço comunitário, Pão Doce.  A boneca ganhou do pai, junto com um Pão-de-mel, ela nunca se esqueceu desse dia, mesmo nunca mais encontrando com ele.

Sua constante rebeldia acaba saindo do controle, e os pais a enviam para Nova York afim de passar o verão com seu pai biológico, Frank. Ele é um executivo de sucesso e não tem muito tempo para cuidar de uma filha adolescente, afinal já criou dois filhos, hoje adultos. Cyd gosta da ideia, está empolgada com a cidade e curiosa para conhecer o pai e os meio-irmãos. Cyd vai descobrir que tudo era muito diferente do que imaginava.

~~~~~~~

Achei legalzinho, mas esperava gostar mais. Principalmente porque vejo todo mundo falando muito bem e não achei nada demais. Tem seu lado positivo, Cyd é diferente do estereótipo das protagonistas adolescentes, não tem papas na línguas, é revoltada, já passou por tanta coisa envolvendo drogas e sexo que nem parece ter a idade que tem. Contraditoriamente, ela também não larga sua boneca, cria histórias imaginárias em sua cabeça e tem uma língua afiada. Achei interessante o contraste entre tudo o que ela passou e seu jeito de menininha as vezes.

Ela é divertida, mas é tão cabeça de bagre que não consegui criar grande empatia com a personagem. A menina é rica e tem uma família presente. O padrasto além de criá-la como filha é muito carinhoso, sua mãe é um pouco distraída, mas dá para ver que se preocupa com a filha. Ou seja, é daquelas rebeldes sem causa que me irritam. Tenho preguiça de meninas mimadas, e a Cyd passa boa parte do livro pentelhando todo mundo.

Obviamente tem toda a parte  que caminha para uma evolução da personagem, mas  embora o final tenha sido bonitinho, não me conquistou. Não tem também aquele mocinho apaixonante, Siri é aquele cara bonito que não mostra muito para que veio.

Não tenho ainda os outros dois livros da trilogia, se tiver a oportunidade quero ler os outros para saber como termina, mas não é prioridade. Independente disso acho o livro interessante para o público mais jovem, o jeito descolado de Cyd e as consequências de suas atitudes irresponsáveis passam uma espécie de lição as avessas para o leitor. ^^

Trilogia Cyd Charisse da Rachel Cohn
  1. Pão-de-mel (Gingerbread)
  2. Siri (Shrimp)
  3. Cupcake (Cupcake).


Avaliação ( 1 a 5):

Comente, preencha o formulário e concorra ao Kit Top Comentarista do mês de outubro!

Postar um comentário

Posts Recentes

  © Viagem Literária - Blogger Template by EMPORIUM DIGITAL

TOPO