target="_blank">Some alt text
Promoções
target="_blank">Some alt text
Viaje com as séries
target="_blank">some alt text
Viaje comigo
target="_blank">some alt text
Ofertas Submarino
target="_blank">Some alt text
Os melhores do ano
target="_blank">Some alt text
Viajando no mundo das cores

Viaje com as séries #131 - Adotada

>>  segunda-feira, 10 de novembro de 2014

Tudo o que é diferente me chama a atenção. Nem sempre positivamente, mas adoro quando isso acontece. Não sou muito de ver MTV sem ser na hora dos clipes musicais, mas durante as propagandas vi um anúncio de uma nova série, um reality show que ia mandar uma mulher viver na casa de estranhos por uma semana, inserindo-a no mundinho deles. Adotada tem um formato parecido com aquele Troca de Esposas que a Record passava antigamente, mas a diferença é que a protagonista do negócio não tem papas na língua e solta tudo o que pensa.


Maria Eugênia é conhecida pelo pessoal que vê MTV, ela é ex-namorada do Supla e pelo que andei lendo, ajudou ele a encontrar um “amor” em Papito in Love, agora ele está na equipe que encontra as mais diferentes famílias para adotarem a garota. A mulher, na verdade, ela tem 27 anos é modelo, produtora e hostess, que aceitou esse desafio maluco.


Não vi desde o primeiro episódio, mas depois que resolvi conferir um, sempre vejo. Adoro que ela fala o que quer, opina na vida das pessoas – com críticas positivas – e dá aquela alfinetada em quem precisa. Mareu, como é chamada, é divertida, exagerada e tem seu estilo diferente. Ela chega na casa das pessoas com três malas enormes e coloridas, começa a ser chamada de filha e a partir daí passa a analisar os familiares. O desafio aqui é ela conseguir se adaptar aos lugares incomuns para ela e nem sempre ela consegue.


No fim de cada período em uma casa, Maria Eugênia deixa uma espécie de dossiê, um depoimento de como se sentiu com a família e conselhos para os membros delas. Até agora, tudo que ela disse nessas cartas foi acertado, tocou no ponto certo das pessoas e eu acho o máximo. Sabe aquelas coisas que a gente sabe que precisa mudar ou que sabe o motivo de acontecer, mas que precisa uma pessoa de fora vir falar para gerar uma mudança ou para a ficha cair? É assim.
No último episódio, ela foi para uma família dark. O pai é daqueles que não aceita mudanças na rotina, ele usa preto e só preto, a casa tem muitas partes pretas, caveiras e coisas malucas espalhadas, como a certidão de óbito de Raul Seixas emoldurada na sala. O nome dos filhos são Raul Presley, Janis Morrison, Avril Osbourne e por aí vai. São cinco, acho. 



Mareu tentou levar um pouco de cor pra casa, mudar um pouco o ambiente, já que só o pai mesmo que quer tudo dark e rock o tempo todo. O tempo fechou quando ele não quis participar e ela se sentiu indesejada no lugar. Mareu não ficou o tempo normal na casa, foi embora antes e de pijamas.



 


Em outra, com uma mãe jovem, ela não acreditava que a garota deixava sua filha com os pais para ir para a balada, direto. Deu várias diretas, inclusive dizendo que se a garota não trabalha, devia cuidar da filha e não deixá-la em uma creche o dia inteiro. Como comentei, por enquanto, todas as críticas que vi ela fazer foram construtivas e precisavam ser feitas para tentar gerar a mudança que a família precisa para melhorar. 



Fica a dica. 

*Como comentei na semana passada que Selfie estava na berlinda, achei interessante informar por aqui que ela foi mesmo cancelada pela emissora. 


Postar um comentário

  © Viagem Literária - Blogger Template by EMPORIUM DIGITAL

TOPO