target="_blank">Some alt text
Promoções
target="_blank">Some alt text
Viaje com as séries
target="_blank">some alt text
Viaje comigo
target="_blank">some alt text
Ofertas Submarino
target="_blank">Some alt text
Os melhores do ano
target="_blank">Some alt text
Viajando no mundo das cores

Como (quase) namorei Robert Pattinson - Carol Sabar

>>  quinta-feira, 8 de janeiro de 2015

SABAR, Carol. Como (quase) namorei Robert Pattinson. São Paulo: Editora Jangada, 2011. 462p.

“Como eu me detesto...
Nem Delirando! Nem delirando consigo ser um pouco menos patética. Será que me custava pelo menos fantasiar com o Robert Pattinson verdadeiro? Em vez desse...Robert Pattinson Paraguaio de tatuagem no braço,sotaque americano e músculos aparentes? Tudo bem. Tenho de admitir que esse vulto sentado do outro lado da cama é indescritivelmente deslumbrante, o homem mais lindo que meus olhos já viram (é uma pena que vá esmaecer e sumir no espaço a qualquer instante). Mesmo assim...É pirataria pura.” p. 102

Eu adoro chick-lit, algumas histórias são surreais, mas a diversão compensa esse lado... por outro lado, morro de preguiça de Crepúsculo. Não dos livros, quando eu li amei, mas da loucura toda das fãs ensandecidas da saga e do ator, até porque não gosto dos filmes. Então quando este livro foi publicado não tive vontade de ler, mas mudei de ideia depois que adorei Azar o seu! da autora. E hoje conto a vocês o que achei de Como (quase) namorei Robert Pattinson da Carol Sabar.

Eduarda Maria, a Duda, tem 19 anos e é completamente viciada na saga Crepúsculo. Já perdeu as contas de quantas vezes leu os livros e assistiu aos filmes, tem um perfil no Orkut e um Twitter dedicado a saga, e acredita que nenhum homem chega aos pés do ator Robert Pattinson. Ela sabe tudo sobre ele, é completamente obcecada pelo ator. E sua loucura chega ao ápice quando ela e as amigas viajam para Nova York. Um semestre para tentar encontrar o autor pessoalmente, e ao mesmo tempo, aprender inglês.

Ao chegas aos EUA com sua irmã Susana e as amigas Lisa e Margô, ela só consegue pensar em sua paixão. Até que acontece um acidente com seus livros, que por sinal foram na mala escondidos das meninas, Duda surta. E percebe que precisa mudar de atitude e se concentrar na vida real. Ela nunca namorou, nunca se interessou por ninguém, bom, exceto ELE.

Seus planos vão por água abaixo quando conhece Miguel Defilippo, seu vizinho e dono do apartamento que elas alugaram, um sósia do Robert Pattinson. Ele odeia ser confundido com o ator e tem razão. Miguel é apaixonante, lindo, musculoso, rico e muito mais interessante. Inevitavelmente ele balança o coração de Duda, mas o moço é também muito misterioso e vive desaparecendo do nada. Já seu novo amigo Pablo, um espanhol do curso de inglês, está mais do que disposto a conquistá-la, se ela lhe der uma chance. Só que o coração de Duda, só consegue pensar em um certo cara...

~~~~~~~~~

Esperava mais do livro por ter gostando tanto de Azar o seu!, mas foi uma leitura leve e divertida. Acho que minha preguiça dessas fãs alucinadas por alguém famoso contou negativamente, tinha vontade de jogar a Duda na parede e mandá-la acordar para a vida. A menina é imatura, mimada, riquinha e eu tinha preguiça dos seus surtos e chororô constantes por pouca coisa. Isso pesou negativamente, prefiro protagonistas adultas no chick-lit, enchem menos o saco kkkk.

Por outro lado, gostei das loucuras todas e da aventura nos EUA. Do vizinho gato, bem mais bonito na minha imaginação do que o branquelo do Robert Pattinson hehe, e do Pablo. A irmã dela é tão chata quanto, mas gostei das aventuras das quatro durante o intercâmbio e dos cenários descritos. E sempre gosto daquele vai e vem dos romances, onde só no final algo acontece entre o casal e tal. 

A história pode ser vista também como uma fanfic, com Duda como Bella e Miguel como Edward, claro, além de Pablo no papel do Jacob. 

Duda viaja na maionese, algumas cenas eram engraçadas, outras eram bem repetitivas, o livro é bem grande, poderia ser um pouco mais enxuto com menos surtos imaginários.

Sempre acho também meio exagerado quando alguém se apaixona perdidamente sem envolvimento real algum, as decisões que tomam são tão grandes para este amor a jato. Relevando isso, o final foi bem romântico e bonitinho. Acredito que o público feminino mais jovem vai curtir mais do que eu, apesar da história não me ganhar, gosto da escrita da Carol. Leiam!

Avaliação (1 a 5):

Comente e participe do sorteio do Top comentarista de Janeiropreencha o formulário!

Postar um comentário

Posts Recentes

  © Viagem Literária - Blogger Template by EMPORIUM DIGITAL

TOPO