target="_blank">Some alt text
Promoções
target="_blank">Some alt text
Viaje com as séries
target="_blank">some alt text
Viaje comigo
target="_blank">some alt text
Ofertas Submarino
target="_blank">Some alt text
Os melhores do ano
target="_blank">Some alt text
Viajando no mundo das cores

As confissões das irmãs Sullivan - Natalie Standiford

>>  quarta-feira, 11 de março de 2015

STANDIFORD, Natalie. As confissões das irmãs Sullivan. Rio de Janeiro: Editora Galera Record, 2015. 350p. Título original: Confessions of the Sullivan Sisters.

"Eu confesso.
Sei o que fiz, e a senhora sabe a razão - foi por um verdadeiro amor. A senhora já se apaixonou alguma vez, Poderosa? Sei que já foi casada cinco vezes - mas já se apaixonou? É algo inevitável. A pessoa perde o controle. Fica sem poder fazer nada.” p.14

Este livro me chamou atenção entre os lançamentos pela sinopse, achei diferente do YA padrão e fiquei curiosa. Não conhecia a autora, mas muita gente fala bem de seu outro livro Como dizer adeus em robô, então me arrisquei. E hoje conto para vocês o que achei de As confissões das irmãs Sullivan.

Os seis irmãos Sullivan's estavam acostumados com as tradições natalinas da família, desde o mais velho St. John, 21 anos, até o mais novo, Takey, com apenas 6. Os pais viviam em um mundinho particular, deixando para os empregados a tarefa de cuidar dos filhos, mas todos gostavam do Natal. Era a noite do tradicional jantar de Natal na casa da avó, a detentora de toda fortuna da família, Arden Louisa Norris Sullivan Weems Maguire Hightower Beckendorf, conhecida não pelos nomes dos maridos mortos, mas como Poderosa. Naquela noite, Poderosa, faz um anúncio chocante, toda a família estava cortada de seu testamento. A não ser que ela receba uma confissão. E, claro, os pais sabem que foi uma das três filhas que ofendeu a avó, e agora precisam confessar para salvar a família da miséria.

“- Uma pessoa da família me ofendeu profundamente – explicou a Poderosa. – Não vou dizer quem foi. Mas, a não ser que essa pessoa confesse o crime para mim, por escrito, até a véspera do Ano Novo, quando eu morrer, vou doar a parte de vocês da minha fortuna para a minha instituição beneficente preferida.” p.9-10

A irmã mais velha, Norrie, tem 17 anos e está no último ano do colégio. Prestes a ser apresentada à sociedade no baile de debutantes, uma das tradições mais importantes para a Poderosa, ela precisa aceitar o convite do garoto que a avó escolheu. O problema é que Norrie está apaixonada, e diante disso, nada mais importa.

A irmã do meio, Jane, não gosta de viver de acordo com as convenções, e está sempre causando distúrbio na escola católica onde estudam. Depois de criar um blog para falar mal da família e de brigar constantemente com a freira que ensina religião, tem muito o que confessar.

A irmã mais nova Sassy parece ser a mais inocente das três. Mas ela guarda um segredo terrível e precisa confessar para salvar a família. Sassy é desastrada, e depois de dois acidentes onde saiu ilesa, acredita ser imortal. Isso, foi o que começou toda a confusão. Agora resta descobrir qual delas é a verdadeira culpada, e se Poderosa, será capaz de perdoar.

~~~~~~~

A ideia é interessante, mas a execução foi muito fraquinha. Gostei da premissa, da avó rica e dos netos inconsequentes, que acabam pondo tudo em risco. São muitos irmãos, algumas cenas são engraçadas, mas ficou tudo muito mal desenvolvido.

O livro se divide em três partes, cada uma das irmãs vai escrever sua confissão em primeira pessoa. Norrie é sem graça toda vida, a história dela até seria interessante, mas o relacionamento não foi bem desenvolvido, a química é zero, e termina sem final. A Jane é a melhor protagonista das três, é inteligente, divertida, direta e sua parte é mais interessante. Seus artigos no blog metendo o pau na família são hilários. Gostei de verdade dessa parte. A historia de Sassy é completamente sem graça e sem noção, parece que a autora precisava de mais uma confissão e não sabia o que inventar. E como a da Sassy era a última, eu já estava sem paciência.

Depois das confissões entregues, termos o veredicto. E isso poderia ter sido tão legal, mas achei corrido e o final bobinho. 

Com isso a autora não se destacou para mim, talvez algum dia leia seu outro livro que falam tão bem, Como dizer adeus em robô, quem leu algum dos dois me conte o que achou. Enfim, acho que o público pré-adolescente pode gostar, mas eu não achei muita graça e não indico.

Adicione o livro ao seu Skoob!


Avaliação (1 a 5): 2.5

Postar um comentário

  © Viagem Literária - Blogger Template by EMPORIUM DIGITAL

TOPO