target="_blank">Some alt text
Promoções
target="_blank">Some alt text
Viaje com as séries
target="_blank">some alt text
Viaje comigo
target="_blank">some alt text
Ofertas Submarino
target="_blank">Some alt text
Os melhores do ano
target="_blank">Some alt text
Viajando no mundo das cores

A espada do verão - Rick Riordan

>>  segunda-feira, 16 de novembro de 2015

RIORDAN, Rick. A espada do verão. Rio de Janeiro: Editora Intrínseca, 2015. 446p. (Magnus Chase e os Deuses de Asgard, v.1) Título original: The sword of summer.

“- Você pode fazer um glamour e virar uma coisa menor? De preferência algo que não uma corrente, porque não estamos mais nos anos 1990.
A espada não respondeu (dã), mas imaginei que estivesse zumbindo em um tom mais interrogativo, como: Tipo o quê?
- Sei lá. Alguma coisa que caiba no bolso e seja inofensiva. Uma caneta, talvez?
A espada pulsou, quase como se estivesse rindo. Imagine-a dizendo: Uma caneta que vira uma espada. É a coisa mais idiota que já ouvi.” p.221

O Tio Rick está de volta com nova série, agora abordando a mitologia dos Deuses Nórdicos. Sei que muita gente vem desgostando e achando seus livros todos iguais... Eu adoro a fórmula e, estou nem aí! Adoro os heróis, os deuses, as missões impossíveis, a ameaça do fim do mundo e tudo o mais. Se ele escrever sobre Candomblé vou ler e bater palmas hehe. Enfim, vou contar para vocês o que achei (adivinhem?) do primeiro volume da série Magnus Chase e os Deuses de Asgard com A espada do verão.

Magnus Chase era um garoto normal, até que sua mãe foi morta de forma misteriosa e ele concluiu que seria o considerado o principal suspeito. Antes que fosse para a prisão, fugiu e morou por dois anos nas ruas de Boston, sobrevivendo de pequenos furtos e caridade. Aos 16 anos essa é sua vida, sem planos ou expectativas. Um dia, descobre que seus tios estão procurando por ele, mas sua mãe mandou que ele mantivesse distancia do Tio Randolph. Ele não sabe se o Tio Frederick é confiável, embora goste muito da prima, a filha dele, Annabeth.

Magnus não sabia o que esperar, mas se alguém lhe dissesse que as lendas vikings eram reais e ele estava no meio de tudo isso, daria gargalhadas. Quando descobre que é filho de um deus nórdico e que os monstros estão se reunindo para o Ragnarök, o Juízo Final, nem tem tempo de se assustar, afinal, já está bem no meio da confusão.

E é aí que descobre, da pior forma possível, que algumas vezes é preciso morrer para começar uma nova vida.

~~~~~

Como vocês podem ver, realmente são muitas as semelhanças com as outras séries do autor, seja com Deuses Gregos, Deuses Egípcios ou Deuses Nórdicos. Sempre temos protagonistas caindo de paraquedas em um mundo desconhecido, que eram simples humanos até descobrirem serem filhos de deuses e etc e tal. Aí a vida deles muda completamente, participando de missões mortais, cujo fracasso culmina com o fim do mundo. Mesmo com tantas similaridades, para mim o autor consegue criar personagens ótimos, pano de fundo interessante e enredos que prendem o leitor feito cola.

Aqui ficamos conhecendo os deuses nórdicos, onde existem nove mundos que se sobrepõem. Eles acreditam que em algum momento irá acontecer o evento apocalíptico conhecido como Ragnarök, onde os deuses irão lutar e morrer, e um novo mundo vai nascer, um mundo melhor, sem violência. Ficamos conhecendo Frey, Odin, Freya, Loki, Thor e muitos outros deuses.

Os nove mundos:
Asgard - O mundo dos Deuses
Midgard - O mundo dos Humanos
Jotunheim - O mundo dos Gigantes
Vanaheim - O mundo dos Vanir
Alfheim - O mundo dos Elfos
Musphelhein - O mundo do Fogo
Svartalfheim - O mundo dos Elfos Negros
Nidavellir - O mundo dos Anões
Niflheim - O mundo do Gelo, onde também fica Helheim (Hel) – O mundo dos mortos.

Magnus, é ótimo! Ele é bem piadista, nesse aspecto lembra muito o Percy Jackson, mas achei o personagem mais escolado. Como viveu dois anos na rua, não tem muita coisa que o intimide, se adapta muito fácil a tudo e se vira bem melhor. Os personagens secundários são bem inusitados: Blitzen – um anão fashion,  Hearthstone – um elfo surdo-mudo feiticeiro e Samirah – uma valquíria filha de Loki, formam uma frente unida para ajudar Magnus em sua missão.

Achei a série mais realista e menos “boazinha”, prevejo muito sofrimento pela frente. Adorei a leitura e indico para os fãs de fantasia juvenil com certeza. Rick Riordan tem um estilo que nunca me enjoa, devoro os livros e me divirto muito até o final. Leiam!!

Adicione ao seu Skoob!

Série Magnus Chase e os Deuses de Asgard do Rick Riordan
  1. A espada do verão (The sword of summer)
  2. O martelo de Thor (The Hammer of Thor)
  3. The ship of de dead (ainda não lançado no Brasil, previsto para 2017 nos EUA).
Avaliação (1 a 5): 4,5

Postar um comentário

Posts Recentes

  © Viagem Literária - Blogger Template by EMPORIUM DIGITAL

TOPO