target="_blank">Some alt text
Promoções
target="_blank">Some alt text
Viaje com as séries
target="_blank">some alt text
Viaje comigo
target="_blank">some alt text
Ofertas Submarino
target="_blank">Some alt text
Os melhores do ano
target="_blank">Some alt text
Viajando no mundo das cores

Rebelde - Amy Tintera

>>  sexta-feira, 13 de maio de 2016

TINTERA, Amy. Rebelde. Rio de Janeiro: Editora Galera Record, 2016. 334p. (Reboot, v.2) Título original: Rebel.

Todos me conhecem pelo número de minutos em que estive morta.
Eles pensam que isso define quem sou, pensam que podem me controlar.
Eles estão enganados.”

Gostei muito de Reboot. Um YA diferente, pois apesar de ter todas as características de uma distopia, tem também uma vibe meio de zumbi, que achei bem diferente. Um vírus dizima parte da raça humana, mas alguns deles, voltam depois de mortos. Eles se tornam humanos mais ágeis, quase imortais, uma raça evoluída. São chamados de Reboots, e temidos/controlados pelos humanos. Resuminho básico para quem não conhecia, porque hoje vou falar do segundo livro com Rebelde da Amy Tintera.

Contém spoilers se você não leu Reboot.

Wren Connolly, mais conhecida como 178, o número de minutos que ficou morta antes de acordar, achava que não restava mais nenhuma humanidade dentro dela. Ela era o soldado perfeito da CRAH, obedecia todas as ordens sem questionar, não sentia nada por ninguém, humanos ou reboots, eles eram apenas mais uma missão. Tudo muda quando conhece Callum, o 22. Aos poucos ele foi quebrando todas as barreiras, e lhe mostrou que ela podia sim sentir empatia, podia até mesmo amar.

Ela usa todo o seu treinamento para fugir da CRAH e salvar Callum, na fuga, acabam libertando todos os reboots de uma instalação. O grupo consegue fugir e chegar a reserva reboot, onde acreditam que poderão viver em paz. Chegando lá, descobrem que o líder, Micah, tem outros planos. Ele pretende invadir as bases e matar todos os humanos. Ou todos os que não voltarem como reboots.

Agora Wren e Callum precisam decidir de que lado ficam nessa história. Lutar ao lado dos reboots, fugir e viver longe da guerra, ou, tornarem-se rebeldes.

“Eu sorri, ficando na ponta do pés para beijá-lo mais uma vez. Ele sorriu contra os meus lábios e me perdi em seus braços, decidida a esquecer da insanidade que nos rodeava pelo tempo que fosse possível.” p.274

~~~~~~~~~

Eu gostei muito da leitura! Mas, e é a segunda vez que acontece isso comigo... eu jurava que era uma trilogia, e pelo jeito termina aqui mesmo. Esse livro foi lançado em 2014 nos EUA e não saiu mais nada depois. Gostei da leitura, mas como final, esperava mais. Não termina no ar, mas ficou tudo muito mal resolvido. Não dá para enxergar muito bem o que vem em seguida para o mundo, e para alguns personagens. Acho que se eu tivesse pesquisado antes, já lesse ciente de que seria o final,  iria pensar diferente, vá saber rs.

Enfim, o livro é cheio de aventura, romance e muita adrenalina. Quando você pensa que eles estão fugindo para algo melhor, caem no meio de uma confusão maior ainda. Wren tentando se adaptar a essa nova forma de vida, livre, gostando de alguém, se preocupando com outras pessoas. É muito legal a forma como ela vai mudando seu modo de pensar, se tornando mais humana. E tudo por causa de Callum, que é puro amor. Ele gosta, ele cuida, ele não exige muito em troca. Casal fofo. Adorei todas as cenas entre eles! Mas fiquei agoniada com o tanto que se separam durante o livro, um vai para um lado, o outro vai fazer outra coisa, e dá merda. Aí eles se desencontram e eu fiquei roendo as unhas para não acontecer nenhuma tragédia no final.

O livro tem uma abordagem interessante quando fala de humano X reboot. Os humanos fizeram de tudo para escraviza-los, mas os reboot são superior em força, agilidade e se regeneram muito rápido. Quando eles fogem, muitos deles querem se vingar e destruir os humanos. Criar um novo mundo mais evoluído, só de reboots. E eles demoram um pouco a perceber, que o que importa é a atitude de cada pessoa, não a sua “raça” ou como queiram denominar.

A mesma abordagem se repete com os personagens. Para eles Wren é super fodona porque carrega o número 178 (quanto mais tempo uma pessoa ficar morta antes de acordar como reboot, mais forte e temível ela se torna), enquanto Callum é um simples 22, não esperam muito dele. E no decorrer do livro, a autora mostra que respeito, força e liderança é questão de caráter, não de um “número”. No fim, outras características são muito mais importantes, com sua força de vontade para lutar e vencer.

Ou seja, em um livro YA, voltado para o público jovem a autora aborda de forma muito interessante o preconceito e a quebra de paradigmas. Gostei muito da premissa e da lição por trás da história. Para quem curte o gênero é sempre uma boa pedida. Leiam!

Adicione ao seu Skoob!

Duologia Reboot da Amy Tintera
  1. Reboot (Reboot)
  2. Rebelde (Rebel).
Avaliação (1 a 5): 3.5 

Comente, preencha o formulário, e concorra ao Kit Top Comentarista de maio.

Postar um comentário

  © Viagem Literária - Blogger Template by EMPORIUM DIGITAL

TOPO