target="_blank">Some alt text
Promoções
target="_blank">Some alt text
Viaje com as séries
target="_blank">some alt text
Viaje comigo
target="_blank">some alt text
Ofertas Submarino
target="_blank">Some alt text
Os melhores do ano
target="_blank">Some alt text
Viajando no mundo das cores

Na estrada Jellicoe - Melina Marchetta

>>  terça-feira, 14 de junho de 2016

MARCHETTA, Melina. Na estrada Jellicoe. São Paulo: Editora Seguinte, 2016. 294p. Título original: The Jellicoe road.

“O manuscrito dela está em cima da mesa, mas parece mais fino. As páginas estão espalhadas, como se alguém tivesse lido. Como se alguém tivesse passado por ali, o que me deixa tensa. Não há numeração nas páginas, então não sei se estou com o começo ou com o fim, nem se está na sequência certa, mas, ultimamente, não estou procurando muito por continuidade.
Só estou procurando algo que faça sentido para mim.” p.52

A capa desse livro é lindíssima, foi a primeira coisa que me chamou a atenção. Fiquei encantada com o trabalho do capista, com os detalhes, até porque ela é muito mais interessante do que a capa original. Depois fui procurar saber sobre o livro que é bem conhecido no Goodreads, com uma média alta de nota. E todo mundo ama! E aí fiquei curiosa para saber se eu também iria gostar tanto. Confiram o que achei de Na estrada Jellicoe da Melina Marchetta.

Ninguém sabe como começou, mas todos seguem as regras. Na pequena cidade de Jellicoe, Austrália, uma guerra territorial é travada anualmente entre três grupos. Eles dividem fronteiras e propriedades, fazem reféns e negociam resgates. Os estudantes do internato, os adolescentes da cidade conhecidos como citadinos e os alunos de uma escola militar que acampam na região uma vez ao ano, os cadetes.

Taylor, 17 anos, é a líder de um dos prédios do internato e foi escolhida para representar seus colegas nessa disputa. John Griggs, o líder dos cadetes, possui uma ligação misteriosa com o seu passado, mas tudo terminou muito mal e ela odeia o que ele fez. Suas memórias do passado são fragmentados, não se lembra muito de sua vida pessoal. Sabe que foi abandonada pela mãe na estrada Jellicoe quando criança, e foi criada por Hannah, a única presença adulta em sua vida.

Quando Hannah viaja sem dizer nada, e ninguém sabe para onde ou quando volta, Taylor começa a investigar mais sobre o seu passado. Encontra um manuscrito escrito por Hannah, nele é narrada a história de cinco crianças que viveram na estrada Jellicoe há vinte anos. Aos poucos, ela vai encontrando pistas de que aquela história é real, e de que tem ligação com sua vida.

~~~~~~

Eu adorei o final, gostei muito! Mas só comecei a gostar mesmo do livro depois da página 200, antes disso achei tudo muito viajado, e isso me fez mudar a nota final rs. Todo mundo gosta desse livro, estou me sentindo até muito pouco filosófica por não curtir tanto, porque a história é realmente complexa e intricada, o que parece fora de lugar no início será explicado depois e tal. Mas eu achei o começo muito chato, as pistas fragmentadas, a mente confusa de Taylor, os sonhos estranhos... aspectos que provavelmente eram para deixar o leitor intrigado, me deixaram impaciente hehe.

No início é uma história YA que você não consegue ambientar muito bem. Fiquei pensando se era distopia, se era fantasia. Porque tinha a tal guerra, mas não parecia uma guerra mesmo, já que só os adolescentes sabiam disso. Aí comecei a pensar na coisa como um jogo, uma brincadeira, e aos poucos fui me interessando pelos outros personagens, citadinos e cadetes. Não gostar de Taylor logo de cara, pesou no meu julgamento, sei que ela tinha problemas com as lembranças, mas as passagens desordenadas foram me desconectando da personagem. A história do passado, dos cinco amigos, era mais interessante do que a do presente.

Aí depois da página 200 o livro melhora muito e daí para frente é impossível não ficar curioso, devorei o resto rapidinho. E gostei muito do final, mesmo tendo matado os segredos. Acho que isso foi uma das coisas que me fez amar menos, todo mundo fala que a história surpreende e que “nada é o que parece”, mas no decorrer da leitura eu acertei tudo o que ia acontecer, aí acho que perde um pouco da graça, não teve surpresas.

O casal demora para se destacar, mas gostei muito do envolvimento dos dois. Foi doce, profundo, foi até comovente considerando tudo o que acontecia ao redor, bem fofo.

Gente, até a resenha está confusa, eu percebi. Mas o livro é cheio de segredos, não da para eu contar muita coisa sem spoilers. Então para quem está curioso, vocês vão ter que ler e me contar se gostaram rs.

A fragmentação da narrativa é a característica principal. E reconheço que Melina Marchetta escreve muito bem, sua narrativa é inteligente e intensa. Tem até uns traços bem poéticos que gostei bastante. Ela vai aos poucos montando o quebra-cabeça criado. Acho que é uma questão de gosto mesmo, não amei a leitura, mas achei o livro bem escrito.

Para quem gosta de YAs diferentes e que prometem algo fora do comum, fica a dica dessa leitura intrigante e diferente. Quem leu, me conte o que achou. ^^

Adicione ao seu Skoob!


Avaliação (1 a 5): 3,5

Comente, preencha o formulário, e concorra ao Kit Top comentarista de junho.

Postar um comentário

Posts Recentes

  © Viagem Literária - Blogger Template by EMPORIUM DIGITAL

TOPO