target="_blank">Some alt text
Promoções
target="_blank">Some alt text
Viaje com as séries
target="_blank">some alt text
Viaje comigo
target="_blank">some alt text
Ofertas Submarino
target="_blank">Some alt text
Os melhores do ano
target="_blank">Some alt text
Viajando no mundo das cores

O cavaleiro de bronze – Parte 1 - Paullina Simons

>>  terça-feira, 26 de julho de 2016

SIMONS, Paullina. O cavaleiro de bronze. São Paulo: Editora Novo Século, 2013. 502p. (O cavaleiro de bronze, v.1 – Parte 1). Título original: The bronze horseman.

“Tatiana piscou. Todas as noites, quando eles se despediam, um suspiro dolorido saía de seus pulmões onde Alexander havia estado. Ela se sentia fisicamente mais vazia na ausência dele. E no seu quarto ela se rodeava de outras pessoas para senti-lo menos. Mas todas as noites, invariavelmente, Tatiana tinha que se deitar ao lado de sua irmã, e todas as noites virava-se para a parede implorando por força.
Posso fazer isso, ela pensou. Passei dezessete anos com Dasha e só três semanas com Alexander. Posso fazer isso. Sentir de um jeito. Comportar-me de outro, também.” p.163

Romance de guerra, um dos gêneros que eu mais gosto, apesar de sempre temer a “sofrência” toda rs. O que eu não esperava, era encontrar um new adult de guerra, porque seria assim que eu definiria, um romance adolescente, em plena Segunda Guerra Mundial. Quer mais? Tem um triangulo amoroso em pleno inverno Russo. E isso é só o começo da saga de O cavaleiro de bronze – Parte 1 da Paullina Simons.

Tatiana Metanova, 17 anos, nasceu e cresceu na Rússia comunista. O modo como viviam era tudo o que conheciam e se sentiam gratos. A família inteira dormia em um só quarto e eles tinham sorte e eram gratos por isso. Estavam mais perto da cozinha, tinham um banheiro quase que só para eles. No pequeno cômodo também vivia seu irmão gêmeo Pasha - o único homem e o orgulho dos pais-, sua irmã mais velha Dasha, seus pais e seus avós. Tatiana, conhecida como Tania, era uma moça simples, inocente, não conhecia nada da vida. Tinha um emprego na fábrica, cumpria suas obrigações, era essencialmente uma boa menina.

Quando conhece o soltado russo Alexander Belov, 22, Tatiana sente algo novo e inesperado pela primeira vez. Eles se encontram por acaso, e em uma tarde, tudo muda. Alexander tentar alertar a moça de vestido e salto alto, sobre a importância de se estocar alimentos, sobre a chegada iminente da guerra. Avisa sobre os tempos difíceis que virão e pede para que ela se prepare. Mas para ela, a guerra era só um evento novo e emocionante, algo diferente acontecendo. Hitler é apenas uma ameaça vazia. Ela compra um sorvete.

“- Dias difíceis virão para todos nós, particularmente para você, Tania. Você e Dasha. Agora que o Pasha não está aqui, seus pais precisam de você mais do que nunca. Sua coragem será testada, assim como a de todos os demais. Haverá um único critério, o critério de sobrevivência a qualquer custo, cabendo a você dizer o preço dessa sobrevivência. Mantenha a cabeça no alto, e se você vai sucumbir, que seja sabendo que não comprometeu a sua alma de alguma forma.” p. 245
                                                   
Tudo muda quando os alemães invadem Leningrado, no ano de 1941. Fome, desespero e medo. Durante o terrível inverno, milhares de pessoas morrem. As rações de racionamento são cada vez mais escassas. As pessoas lutando por um pedaço de pão. Falta aquecimento, comida... falta esperança. No meio de tudo isso, Tatiana e Alexander se apaixonam.

Ele é inteligente, forte, confiante e dedicado. Dono de uma alma bondosa, de um coração generoso. Mas ele também tem um passado sombrio, segredos que paga caro para esconder. Porém o que poderia ser um grande amor, morre antes mesmo de nascer. Alexander havia conhecido Dasha algumas noites antes, e a irmã mais velha de Tatiana estava apaixonada. A irmã mais querida, sua Dasha. O amor impossível de Tatiana e Alexander ameaça dividir a família. O sentimento que os une, que os faz querer sobreviver, precisa acabar.

“- Elas dizem: ele é meu e você diz: tudo bem, tudo bem, ele pertence a vocês, claro, podem leva-lo. Nada me importa. Nem eu, nem minha comida, nem meu pão, nem minha vida, ele tampouco, nada me interessa. – Ele levou o seu rosto bem perto dela e suspirou raivoso: - Eu, Tatiana, luto por nada.” p.415

~~~~~~~~~

Esse é daqueles livros que sofrem por falta de propaganda, pouca gente conhece no Brasil e é super famoso lá fora. E o boca a boca da saga prometia, os fãs falam maravilhas e eu fiquei louca para ler. A Editora Novo Século já começa fazendo lambança, dividiu o livro 1, The bronze horseman, em duas partes!!! E ainda lançou sem escrever na capa essa informação. Ou seja, lá fora é uma trilogia. Aqui já tem 3 livros lançados: parte 1 do livro 1, parte 2 do livro 1, livro 2 inteiro e nada do 3 ainda! Espero que lancem logo e que não partam de novo, tenham misericórdia!

Voltando a história... Vi mais de uma pessoa falando que era “melhor que Outlander”, comecei a ler com isso na cabeça e dancei, não tem nada em comum e esse aqui é bem adolescente no início. Resultado, achei muito infantil! Eu sei que a pobre coitada da Tatiana não sabia, nem a Dasha. Mas vê-las esbanjando comida no início, nem aí para a guerra, levando tudo na brincadeira, me dava vontade de estapear as duas. Elas lá, guardando dinheiro, e eu quase gritava para o livro “compra comida suas antas!!”. Porque depois, dinheiro seria igual capim, valeria nada. Outra coisa que me dava vontade de tacar o livro longe... foi a novela do Alexander e da Tatiana. Gente, para mim não fazia nenhum sentido! Tudo bem que ela era menor de idade e ele namorado da irmã, ela não queria magoar a irmã e tal. Mas daí ele, um homem adulto, ficar apaixonado por ela e sem terminar com a Dasha. E ela aceitando tudo, encontros as escondidas, beijos roubados. Enquanto isso um amigo dele, o Dimitri, um chatooo, fica lá meio que namorando com ela. Eu estava INDIGNADA! Mas eis que, tudo se explica, o que não extingue minha insatisfação, mas pelo menos deu para entender os motivos.  

Quando a guerra aperta, o livro só vai melhorando. Tatiana coitada, amadurece muito rápido e vira logo o capacho da família. Eu morria de dó da forma como a exploravam, do egoísmo de Dasha, de tudo que acontecia diariamente. O final é sensacional, você já quer logo ler o 2... que na verdade é a tal parte 2, que eu só descobri depois de terminar de ler aff. Ou seja, eu estava pensando que boa parte do livro me irritava, sendo que na verdade era tipo ¼ que me irritava kkk.

A ambientação e a construção histórica foi impecável. A narrativa da autora é deliciosa, por isso disse que é mais um NA, flui muito bem e de certa forma o início é bem “leve”, mesmo se levarmos em conta todo o cenário. E acredito que as continuações serão ainda melhores, afinal, aqui a trama é mais forte que o romance, que vai ganhando terreno aos poucos. Tem suas partes tristes, muito tristes, mas não achei tão comovente, me deu muita agonia, mas não cheguei a chorar. 

Romances épicos são irresistíveis. Romances de guerra são sempre muito fortes e marcantes. Esse tem uma combinação inovadora de juventude, romance histórico e romance de guerra. Tem um casal apaixonante, tem um enredo excelente. Dúvidas? Leiam logo!

Adicione ao seu Skoob!

O cavaleiro de bronze da Paullina Simons
  1. O cavaleiro de bronze – parte 1  (The bronze horseman)
  2. O portão dourado – parte 2 (The bronze horseman)
  3. Tatiana & Alexander (Tatiana and Alexander)
  4. The summer garden (ainda não lançado no Brasil).
Interligados
0.5 Children of liberty
0.75 Bellagrand
3.5 Tatiana's Table: Tatiana And Alexander's Life Of Food And Love

Avaliação (1 a 5): 4.5

Postar um comentário

Posts Recentes

  © Viagem Literária - Blogger Template by EMPORIUM DIGITAL

TOPO