target="_blank">Some alt text
Promoções
target="_blank">Some alt text
Viaje com as séries
target="_blank">some alt text
Viaje comigo
target="_blank">some alt text
Ofertas Submarino
target="_blank">Some alt text
Os melhores do ano
target="_blank">Some alt text
Viajando no mundo das cores

Eligible – Curtis Sittenfeld

>>  segunda-feira, 20 de março de 2017

SITTENFELD, Curtis. Eligible: A Modern Retelling of Pride and Prejudice. Random House, 2016. 513p. (The Austen Project, 4).

Conheci este livro pelo Goodreads: ele foi indicado como melhor obra de ficção de 2016. Como uma boa Maria-Caça-Prêmios que sou, li a sinopse e pensei “Puxa, que divertido será ler uma versão moderna de Orgulho e Preconceito, um dos meus livros favoritos e clássico imortal da biblioteca mundial”. Realmente não refleti muito, pois não havia nada a ganhar: certamente essa história nunca seria melhor que a primeira, que faz parte do meu seleto rol de livros 5 estrelas favoritos.

Adquiri o e-book, hábito muito comum ultimamente, pois me permite praticar o inglês, além de me gabar por ler em primeira mão as mais esperadas obras para amigas que não tem um pingo de inveja. Mas enfim, cada um tem sua mania, correto? E uma de minhas manias é ver e rever o filme Orgulho e Preconceito (que garantiu uma indicação ao Oscar de melhor atriz para a Keira Knightley), que é uma verdadeira obra de arte, um dos meus favoritos. E essa mania foi intensificada com a leitura desta obra: me peguei revendo o filme, correndo atrás do livro original para reler e relembrar os momentos inesquecíveis do Sr. Darcy e a Sra. Bennet.

Esse é o grande ponto forte deste livro: ele nos faz relembrar o quanto gostamos de Orgulho e Preconceito, e por que a obra de Jane Austen é algo histórico, atemporal e especial. O livro foi escrito numa época que não havia netflix, crossfit, corridas marcadas pelo instagram, yoga ou programas como The Bachelor (oops... Eligible) para nos divertir. Mesmo assim, lendo, sentimos o mesmo amor, o mesmo preconceito, os mesmos orgulhos nos dominam e a mesma paixão nos cativa. Claro, a visão do protagonista mudou bastante: fomos do ideal romântico, o cavalheiro milionário Sr. Darcy para um mundo onde Grey’s Anatomy é a lei, e McDreamy e McSteamy são Deuses dignos de nossa idolatria. Os escândalos são outros, as colocações sociais também mudaram. Porém os casais, o papel da mulher, do homem, da vida em casal, o romance, o amor ainda é igual. Aí está o sucesso de Orgulho e Preconceito, e foi aí onde Eligible se baseou.

O livro se passa em Cincinnati, Ohio, e os personagens são os mesmos. Liz Bennet é a principal, tem 4 irmãs e os pais são herdeiros e moram numa casa que já viu melhores momentos na vida. Liz e Jane dividem um apartamento em Nova York, onde Liz é jornalista aos 38 anos e Jane é instrutora de Yoga aos 40 (as idades estão bem corretas, devidamente atualizadas de acordo com índices da FGV, fui informada...). As outras 3 moram com os pais: Mary é uma rebelde reclusa, que vai de graduação em graduação para evitar trabalhar, e Kitty e Lydia são unha e carne, ratas de crossfit e as pessoas mais rueiras do mundo.

Devido à saúde do pai, Jane e Liz passam uma temporada em Cincinnatti, onde o médico Dr. Chip Bingley se muda para trabalhar junto de seu melhor amigo, o neurocirurgião Fitzwilliam Darcy. Bingley acaba de sair de um reality show onde foi atrás de uma esposa, e a cada semana escolhia as favoritas presenteando-as com rosas até que sobrou só uma – teoricamente o amor de sua vida e sua futura noiva. Esse programa é Eligible (algo em português traduzido como “Partidão”), uma cópia escancarada e bem engraçada do famoso reality show americano The Bachelor (“O Solteiro”. A série foi brevemente exibida no Brasil pelo canal Warner). Chip não encontrou o amor e se mudou para Cincinnatti, onde encontra Jane.

O roteiro do livro segue o mesmo de Orgulho e Preconceito, mas com atualizações que as vezes são tão ruins que doem (o casamento escandaloso de Lydia me fez passar páginas, de tão ruim que ficou), e outras vezes bem sucedidas (as irmãs viciadas em Crossfit, bem como Georgie, a irmã de Darcy são os melhores). Porém, para atingir o objetivo traçado creio que deveria ser ainda mais preciso, sem as leves (mas importantes) alterações na história que fizeram (especialmente o nome e status do Sr. Wickham). Quem busca esse livro espera algo que só foi parcialmente alcançado, e isso é um problema.

Depois de terminar a leitura descobri que o livro faz parte do “The Jane Austen Project”, onde autores fizeram essa releitura moderna das obras de Jane Austen. Esse foi o quarto livro lançado, e os demais foram os seguintes:

1.       Sense & Sensibility (Razão e Sensibilidade) – Joanna Trollope
2.       Northanger Abbey (A Abadia de Northanger) – Val McDermid
3.       Emma – Alexander McCall Smith
4.       Eligible – Curtis Sittenfeld

Se eu vou ler os demais livros? Provavelmente não, mas quem sabe um dia queira algo despretensioso, leve e sem expectativas... Provavelmente nem mesmo assim lerei, mas aprendi há um bom tempo a nunca dizer nunca!

Postar um comentário

  © Viagem Literária - Blogger Template by EMPORIUM DIGITAL

TOPO