target="_blank">Some alt text
Promoções
target="_blank">Some alt text
Viaje com as séries
target="_blank">some alt text
Viaje comigo
target="_blank">some alt text
Ofertas Submarino
target="_blank">Some alt text
Os melhores do ano
target="_blank">Some alt text
Viajando no mundo das cores

Dois a dois - Nicholas Sparks

>>  quarta-feira, 17 de maio de 2017

SPARKS, Nicholas. Dois a dois. São Paulo: Editora Arqueiro, 2017. 512p. Título original: Two by two.

“- Eu não sou forte – protestei. – Nem corajoso.
- Quando eu penso no último ano e em tudo por que você passou, não sei como você conseguiu. Vi você se transformar no pai que eu soube que poderia ser. Vi você na pior depois... E vi você se reerguer. Tudo isso enquanto abria um negócio, com todas as dificuldades que vêm no pacote. Não existe muita gente que teria encarado os últimos seis meses como você encarou.” p.435

Não sou fã assumida do Nicholas Sparks, mas seus romances normalmente mexem comigo. O que eu mais gosto dos seus livros é a incógnita do final, você nunca sabe o que esperar, drama com romance... ou romance com uma pitada de drama. Final feliz ou trágico? O legal é a surpresa. Tanto que vários livros do autor eu deixei de ler por já ver alguém entregando se era romance ou “de chorar”. Descobrir durante a leitura é a melhor parte, então podem ter certeza que nunca vão ler nada assim nas minhas resenhas rs. Enfim, seu último lançamento no Brasil é uma história de pai e filha que toca corações. Confira o que achei de Dois a dois.

Russell Green acreditava que sua vida estava estável e bem resolvida. Era casado com a mulher que amava, Vivian, tinha uma linda filhinha de 6 anos, London e um bom emprego. Tinha ótimos pais, que estavam sempre presentes e adoravam a única neta. Uma irmã mais velha que era também sua melhor amiga, Marge, e a esposa da irmã, Lis. Apesar das altas horas trabalhando para arcar com todas as despesas da casa – Vivian parou de trabalhar quando a filha nasceu -, e do chefe exigente, ele gostava da sua carreira de publicitário.  

Tudo muda em poucos meses. Russ passa por uma situação complicada no trabalho, e percebendo que logo será demitido, resolve usar as economias da família e montar seu próprio negócio. No início as coisas se complicam, ele não tem nenhum cliente e nenhum dinheiro. Sua esposa se recusa a mudar seu estilo de vida, ela não acredita que deva economizar, afinal, não é culpa dela o marido não poder mais sustentá-la. Então ela resolve voltar a trabalhar, e de um dia para o outro, começa um emprego com carga horária integral e muitas viagens a trabalho.

De repente Russ se vê sendo pai em tempo integral. Ele precisa cuidar da casa, das roupas e da alimentação, das várias atividades diárias da filha e todo o universo infantil. Ele também começa a se adaptar as novas exigências do trabalho. Tudo isso enquanto novas mudanças chegam para abalar sua vida.

~~~~~~

Esse livro foi uma montanha russa de emoções. No início eu desgostei de quase tudo. Achei a narrativa truncada (parecia um diário reflexivo), o pai bobo e a mãe insuportável. Foram 150 páginas em que achei que ia odiar o livro todo, com exceção das cenas onde apareciam a Marge e London, vocês não têm noção do quanto essa menininha é fofa! Depois eu comecei a gostar mais, teve uma grande reviravolta, e aí eu passei a gostar muito... amei algumas cenas, torci muito por algo, me emocionei antes do final. Ou seja, terminei amando a leitura.

Uma coisa engraçada foi ver Russ indignado e se desdobrando para dar conta de tudo. Limpar a casa, levar London em todas as atividades (escola de artes, piano, balé, etc), cuidar das roupas, cozinhar um jantar aceitável... enquanto a esposa estava fora trabalhando. Ele narra de uma forma onde parece impossível ele dar conta de tudo, enquanto a odiosa esposa tem reuniões até tarde e chega cansada demais para ajudar (ou transar) e só quer uma taça de vinho. RÁ! Eu ri internamente dessas cenas, porque normalmente as mães fazem isso e muito mais, muitas vezes ainda trabalham, e os maridos chegam em casa “cansados” demais para ajudar. A inversão de papéis foi interessante; não que tenha feito eu simpatizar um pouco com Vivian.

Russ é um boboca. Apaixonado, faz tudo o que a esposa quer, está sempre disposto a agradar e nunca nega nada. Eu queria dar uns tapas para ele acordar pra vida. O sujeitinho não tem nenhuma autoestima. No decorrer do livro ele começa a amadurecer, deixando de lado seu lado “capacho” em tempo integral. Foi lindo de ver ele amadurecendo, melhorando as coisas com a filhinha, tudo entrando nos eixos. E eu amei todos esses contrapontos, as mudanças nas tramas e com os personagens.

Odiei Vivian, vou detestar essa mulherzinha para sempre. E foi um dos pontos que me fez desgostar do final, eu queria ralar a cara dela no muro de chapisco até deformar, queria que o carma acabasse com a raça dela. E tudo aconteceu muito diferente do que eu esperava. Claro que cada história tem dois lados, a postura do marido contribuiu em muito para suas atitudes iniciais. Isso é o lado ruim de uma história narrada em primeira pessoa, só conhecemos o lado de Russ na trama. E, por isso, eu só conseguia odiar as atitudes da mulher... Pensando bem, acho que eu ia odiar ela de qualquer forma na verdade rs.

Os personagens secundários roubam as cenas! Os pais de Russ são fofos, unidos, amados demais. Sua irmã Marge é a melhor personagem. Forte, sábia, sempre pronta para ajudar o irmão mais novo e a lhe dar muitos puxões de orelha. Seu sarcasmo, seu jeito nem aí, adorei tudo nela. Seu relacionamento com Lis, tudo muito fofo.

O final foi lindo por um lado, mas me deixou arrasada por outro. Eu já estava esperando que algo ia rolar, mas mesmo assim me emocionei muito em algumas cenas.

Essa história fala sobretudo de família e de casamento. O lado romântico da história é algo secundário, um mero acontecimento. O autor aborda de forma muito realista a vivência entre os casais em um casamento, e como fazê-lo dar certo. Das pequenas coisas que fazemos para agradar, de tudo que abrimos mão para manter a relação tranquila. E de como, muitas vezes, absolutamente não depende de nós.

Entre altos e baixos, adorei a leitura. Gostei muito da forma como o autor soube colocar cada reviravolta, como vamos aos poucos gostando de cada um dos personagens (menos a vaca mor lá rs) e torcendo por eles. Para quem gosta de um romance adulto e muito real, é uma ótima pedida. Leiam!

Adicione ao seu Skoob!

Avaliação (1 a 5):

Comente, preencha o formulário e concorra ao Kit Top Comentarista de maio!

Postar um comentário

Posts Recentes

  © Viagem Literária - Blogger Template by EMPORIUM DIGITAL

TOPO