target="_blank">Some alt text
Promoções
target="_blank">Some alt text
Viaje com as séries
target="_blank">some alt text
Viaje comigo
target="_blank">some alt text
Ofertas Submarino
target="_blank">Some alt text
Os melhores do ano
target="_blank">Some alt text
Viajando no mundo das cores

O que é fascismo? E outros ensaios - George Orwell

>>  sexta-feira, 18 de agosto de 2017

Orwell, George. O que é fascismo? E outros ensaios. Rio de Janeiro: Editora Companhia das Letras, 2017. 160p. Título original:

Sinopse: Entre as décadas de 1930 e 1940, George Orwell colaborou em diversos veículos da imprensa britânica como observador implacável da sociedade e da cultura. Em ensaios, resenhas e colunas reunidos em O que é fascismo?, o criador do mundo distópico de 1984 explora uma galeria de temas cujo fio condutor é a política, sua maior obsessão intelectual e literária. A visão desencantada de Orwell ilumina os fatos e as obras capitais da época para torná-los compreensíveis para o homem comum. Sempre movido pela inteligência da dúvida, mas também apaixonado por suas fortes convicções socialistas e democráticas, o autor critica filmes, livros e outros escritores com a mesma lucidez devotada às leituras da política doméstica e europeia, centradas na ascensão no nazifascismo e na tragédia da Segunda Guerra Mundial. Com organização e prefácio de José Augusto, esta seleção de grandes momentos da produção jornalística de Orwell se compõe exclusivamente de textos inéditos em livro no Brasil.

Já comentei anteriormente a minha paixão por memórias? Não? Então, eu sou completamente fascinada por livros de memórias. Dentre meus favoritos, estão os ensaios de George Orwell. Verdade, são muito mais jornalísticos do que memorialísticos, porém estão no fundo do meu coração. Quando falamos em Orwell, as pessoas na hora gritam “EU ADORO REVOLUÇÃO DOS BICHOS” ou “É AQUELE DO BIG BROTHER” (a sempre referência do clássico “1984”), mas o meu grito, berro e tiro é “’Homenagem a Catalunha’ é um dos meus livros favoritos”. Desde que li seu relato sobre a experiência na Espanha em Guerra, iniciei uma jornada em busca de todas e quaisquer publicações com o nome do Sr. Orwell na capa. Isso me levou a livros interessantíssimos, como “Na Pior em Paris e Londres” (ao que uma amiga viu o livro na estante e disse que prefere estar na pior em Paris e Londres do que na melhor em BH... mas isso é tema para um Viagem futuro...) e outros não tão empolgantes, como “Dias na Birmânia”.

A Editora Companhia das Letras lança no Brasil as diversas obras desse celebrado autor, com alta qualidade, digna da importância das publicações na história da literatura mundial. Fico muito feliz quando um autor, brasileiro ou estrangeiro, recebe uma edição digna da qualidade de seu trabalho, que realmente entende o público alvo, a delicadeza das palavras, o conteúdo trabalhado. Todas as publicações do autor feitas pela editora acertam em cheio, o que já me deixa predisposta a gostar e dar uma nota relativamente boa.

Quanto ao texto, o livro reúne diversos ensaios, colunas, resenhas (Sim!), pensamentos literários, políticos, de vida, até então inéditos no Brasil. Isso faz com o que a leitura do livro seja fluida, fácil e interessante. Os textos escolhidos claramente estampam as preferências declaradamente marxistas do autor (o que já era de se esperar, considerando o título escolhido), e para mim serviram como uma boa fonte de análise crítica. Consegui, como um terceiro observador, ver um marxista quase puro avaliar obras, textos e situações de não marxistas, não esquerdistas, ou até mesmo outros marxistas e outros esquerdistas/comunistas. Se você, leitor, conseguir fazer o mesmo, achará o livro muito interessante.

Agora, se você preferir levar as opiniões para o pessoal, correrá o risco de se envolver em diversas discussões políticas de boteco, internamente ou em conversas com outras pessoas, o que nem sempre é legal. Orwell era marxista puro, lutou pelos ideais, e pensar com o ideal político de alguém em 1930-1940 com o mesmo pensamento de 2017 é um erro grotesco, na minha opinião. Por isso escolho considerar o livro como um grande exercício de desenvolvimento do pensamento político ao longo dos anos, e mais um exemplar do dom da escrita que o autor tem, algo extremamente raro. Recomendo para fãs do autor. Não recomendado para pessoas com fortes convicções políticas.

Adicione ao seu Skoob!

Avaliação (1 a 5):


Comente, preencha o formulário, e concorra ao Top Comentarista de agosto!

Postar um comentário

  © Viagem Literária - Blogger Template by EMPORIUM DIGITAL

TOPO