target="_blank">Some alt text
Promoções
target="_blank">Some alt text
Viaje com as séries
target="_blank">some alt text
Viaje comigo
target="_blank">some alt text
Ofertas Submarino
target="_blank">Some alt text
Os melhores do ano
target="_blank">Some alt text
Viajando no mundo das cores

Geekerela - Ashley Poston

>>  quarta-feira, 14 de março de 2018


POSTON. Ashley. Geekerela. Rio de Janeiro: Intrínseca, 2017. 384 p. Título original: Geekerella.

Nunca fui uma garota de “contos de fadas”. Ao contrário da maioria das meninas, não curto muito as princesas da Disney e aquele negócio todo de príncipe encantado e blá blá blá. Mas conheço todas elas. Contraditoriamente, sou a primeira a me oferecer para assistir e ler livros que façam releituras de contos de fadas. Já li novas versões de A bela e a Fera, Bela adormecida, mas as que mais me atraem e me fazem querer ler são as releituras de Cinderela. Antes de Geekerela, o livro de que mais gostei, dos que remetem a essa história, foi Cinder e Ella. E, apesar de já saber como esse conto de fadas terminará, não consegui resistir e tive que ler Geekerela.

Danielle, ou Elle, como é chamada pelas pessoas próximas, é uma adolescente de 17 anos que vive em Charleston, nos Estados Unidos, com a madrasta Catherine (ou “pessimadastra”, como Elle a chama) e as gêmeas, Chloe e Calliope,  filhas de outro casamento de Catherine. Ela é órfã de pai e de mãe e é a típica gata borralheira. É maltratada pela madrasta e pelas “irmãs postiças”, e obrigada a trabalhar na casa como uma empregada (sem remuneração, claro), apesar de ter herdado o imóvel quando os pais morreram. Tem seu horário controlado, com toque de recolher e tudo, e não pode fazer nada sem autorização da madrasta.

Os pais de Elle eram fãs de ficção científica e outras coisas nerds, em especial uma série de TV dos anos 80, no estilo de Star Trek, chamada Starfield. O pai de Elle era tão fã que, junto com algumas pessoas também fãs, fundou a ExcelsiCon, uma convenção para fãs de sci-fi e, principalmente, de Starfield. Elle, com o tempo, se tornou fã da série e assistia com o pai às reprises que eram exibidas, e o acompanhava nas convenções.

A mãe de Elle morreu quando ela era muito pequena, de modo que ela não tem muitas lembranças da figura materna. Já o pai faleceu quando ela tinha 14 anos e, desde então, a vida de Elle virou um inferno, já que fica submetida às perversidades da madrasta e das irmãs postiças.

Para ganhar um dinheiro para sobreviver e, quem sabe um dia, sair de casa, Elle trabalha em um food truck de comida vegana chamado Abóbora mágica. O carro já está velho, mas chama a atenção por onde passa por causa de sua cor chamativa e pela colega de trabalho de Elle, Hera, que tem o cabelo verde curto e um monte de piercings no rosto. Nas horas vagas, Elle escreve em seu blog, chamado Artilharia rebelde, que criou para manter contato com outros fãs de Starfield.

Um belo dia, ela recebe a ótima notícia de que Starfield vai ganhar um remake em forma de filme, ao mesmo tempo em que descobre que nada mais nada menos que Darien Freeman, o ídolo teen do momento, e de quem Elle tem verdadeiro pavor, vai estrelar o filme. Ela fica sabendo também que haverá uma convenção na ExcelsiCon (aquela fundada pelo seu pai e à qual ela não comparece desde o falecimento dele). Nessa convenção haverá um concurso de cosplay cujo prêmio maior será participar de um baile de máscaras com Darien Freeman e ganhar ingressos para a première do filme em Los Angeles. Ela decide que vai participar do concurso para honrar o amor de seus pais pela série e porque quer demais assistir ao filme na première. Ela só não contava com o que ia ter que passar para chegar lá. Se chegasse.

Não imaginava, ainda, que ia encontrar, nas mensagens enviadas por um misterioso contato, força para lutar contra sua madrasta e suas odiosas irmãs falsas, e finalmente seguir seus sonhos.

De outro lado temos Darien Freeman, o famoso ídolo teen que vai estrelar o remake de Starfield. Os motivos que o fizeram aceitar o papel vão muito além do dinheiro e da fama. É que, apesar de não falar muito sobre o assunto, Darien é fã da série desde que se entende por gente e sabe cada detalhe, cada fala, cada um dos 54 episódios. Na verdade, o Darien que ele aparenta para as pessoas, para os fãs, nada mais é do que um personagem, que serve para esconder quem ele realmente é: um cara normal, fã de Fanta laranja, inseguro e que não gosta do que faz. Ou até gosta, mas não da forma como seu empresário (que também é seu pai) conduz sua carreira. Ele se sente sufocado e, às vezes, queria desistir de tudo e ser alguém normal, mas seu pai não mede forças para que seu maior investimento (Darien) lhe dê mais e mais lucro.

Um belo dia, por acaso, ele começa a se comunicar via mensagem com uma misteriosa moça que também é fã de Starfield, a única pessoa que faz Darien se sentir como ele mesmo e querer ainda mais outras coisas da vida que não envolvam fãs malucas, dinheiro e outras loucuras. Mas, se ele vai ter coragem de revelar a essa garota quem ele é, aí é outra história.

                                                          ____________________

Começando pelo início, acho de bom tom explicar o título. Muita gente, ao lê-lo pela primeira vez, franziu o cenho e olhou pra mim com uma cara tipo: “Como assim?”. Então explico: Geekerela vem da junção das palavras GEEK + CINDERELA. Tenho certeza de que um pouco do motivo você já entendeu lendo o imenso resumo que fiz ali em cima. O restante deixo para a história contada ao longo das 384 páginas revelar.

Seguindo, o livro é narrado em primeira pessoa, alternadamente, por Elle e Darien. Elle é o tipo de personagem sofrida que me agrada, porque não exagera nem fica se fazendo de forte sem ser ou de vítima. Darien me ganhou no primeiro capítulo narrado por ele, quando percebi que não era o garanhão que a TV pregava e, principalmente, quando ele mostra toda a sua insegurança e “normalidade” que nenhum fã seria capaz de conhecer.

Tive muita raiva de Catherine, a madastra, e de Chloe, uma das gêmeas. Mãe e filha são tão parecidas que não sei dizer quem eu queria mais esfregar a cara no muro de chapisco. Hera, a colega de trabalho de Elle, é tão, mas tão, mas tão legal, que eu queria tê-la como amiga também. O pai de Darien, Mark, também é um babaca; não me admiraria se ele conhecesse Catherine, os dois se apaixonassem e se casassem e tivessem “monstrenguinhos”. Formariam uma dupla bem cruel.

Há outros personagens que são legais, mas com uma participação menos importante, logo, vou deixar para que vocês os conheçam ao longo da leitura.


Em relação à história e ao enredo, apesar de já sabermos como tudo vai correr por se tratar de uma releitura de Cinderela, não tem como não se envolver com a releitura que é construída em cima desse conto de fadas.

Ao longo da história me lembrei muito de Cinder e Ella, sobretudo na questão de ter uma fã de uma história específica e um cara misterioso que conversa com ela por mensagem; mas, mesmo assim, as histórias conseguem ser bem diferentes ainda que tão semelhantes.

É um livro muito fácil de ler. A autora escreve de forma fluida, então fui lendo e lendo e, quando vi, já estava no final. As tiradas são engraçadas, o sofrimento da personagem e a saudade que ela sente dos pais são quase palpáveis. Senti um misto de sentimentos que só não sentiria se eu fosse uma Catherine ou um nox (um monstro de Starfield).

A forma com que a autora apresenta Starfield me deixou tão interessada que cheguei a pesquisar no google pra ter certeza de que a série não existia.

Concluí a leitura com um sorriso no rosto, o coração quentinho e uma vontade imensa de voltar para a primeira página e ler de novo.

Só posso dizer, então, que todos precisam ler esse livro. Nem que seja para desobstruir o cérebro de outra leitura mais pesada. Se você é fã de histórias como Star Trek e Star Wars, vai querer; se é fã de contos de fadas e suas releituras, deve ler; se não gosta de nada disso, leia assim mesmo, porque você corre um sério risco de gostar. E riscos assim são sempre bons correr! E, como diz o “ditado”: “Apontar para as estrelas. Mirar. Disparar!”.

Adicione ao seu Skoob!

Avaliação (1 a 5):


Comente, preencha o formulário, e concorra ao Kit Top Comentarista de março!



Postar um comentário

  © Viagem Literária - Blogger Template by EMPORIUM DIGITAL

TOPO