target="_blank">Some alt text
Promoções
target="_blank">Some alt text
Viaje com as séries
target="_blank">some alt text
Viaje comigo
target="_blank">some alt text
Ofertas Submarino
target="_blank">Some alt text
Os melhores do ano
target="_blank">Some alt text
Viajando no mundo das cores

A mulher na janela - A. J. Finn

>>  quarta-feira, 18 de abril de 2018

FINN, A. J. A mulher na janela. São Paulo: Editora Arqueiro, 2018. 352p. Título original: The woman in the window.

“Um dos meus pacientes mais precoces costumava iniciar suas sessões dizendo “Sei que é estranho, mas...” E em seguida relatava fatos e experiências que de estranhos não tinham nada. Pois é assim que me sinto agora. É estranho, muito estranho, mas tudo aquilo que até agora há pouco me parecia urgentíssimo (ou que desde quinta-feira me parecia urgentíssimo), de uma hora para outra perdeu toda a importância. Jane. Ethan. Aquela mulher. Até mesmo Alastair.
Estou rodando com meu tanque na reserva, apenas como o valor da gasolina. Ou com o vapor do vinho, diria Ed, o piadista de sempre.
Amanhã falo com eles também. Com Ed e Livvy.” p.227

Sempre me sinto repetitiva por aqui ao começar uma resenha com “vocês sabem que eu adoro suspense”, mas inevitavelmente, sinto que preciso explicar meu amor pelo gênero, que eu leio todos os livros possíveis sobre o assunto e que adoro as surpresas envolvidas. Adoro matar as charadas, e depois de tantos livros, o autor ganha muitos pontos comigo quando não consigo acertar os desdobramentos. Será que isso aconteceu hoje? Confiram o que achei da estreia  do americano A. J. Finn com A mulher na janela.

Anna Fox é uma mulher sozinha e solitária. Separada do marido Ed e também da única filha Olívia, ela passa os dias tentando sobreviver à solidão, ao marasmo e a sua doença. Anna é uma psicóloga infantil, por anos cuidou de pacientes com todos os tipos de problema, até que após um trauma, ela agora também é uma paciente. Anna não sai de casa há mais de onze meses, desenvolveu agorafobia. Ela não consegue nem ir até o jardim de sua casa enorme. Alugou o sótão para um inquilino que ajuda com pequenas tarefas como jogar o lixo fora, pegar correspondência e tudo o mais que envolva o mundo exterior. Faz suas compras todas pela internet.

Com tanto tempo livre, muito vinho, muitos medicamentos e pouca coisa para fazer - ela só tem as consultas com o seu psiquiatra e as sessões de fisioterapia-, Anna passa os dias jogando xadrez online, conversando com estranhos na Internet e espionando os vizinhos...

E é assim que ela fica “conhecendo” a família que acabou de se mudar para sua rua. Os Russels – pai, mãe e filho adolescente. Ela fica obcecada com a rotina da família aparentemente perfeita, até que em uma noite, bisbilhotando através de sua câmera, ela presencia uma cena aterrorizante.

Mas será que o que ela viu é digno de crédito? Uma mulher solitária, bêbada e a base de medicamentos seria confiável? Todo o seu mundo é colocado em cheque. Fantasia ou realidade? Alucinação? Nem mesmo Anna sabe ao certo.

~~~~~~~~~~

Já vou começar chutando o pau da barraca! É muita audácia de qualquer sinopse comparar alguém com Hitchcock, ignorem isso, até porque não tem NADA EM COMUM (a não ser alguém numa janela e uma câmera dã) e sigam em frente. Deve ser por causa de Uma janela indiscreta, referência óbvia e inadequada. Se querem comparar, vamos falar de A garota no trem, esse sim, me lembrou tanto que chegou a incomodar...

As semelhanças entre os livros são enormes! Protagonista bêbada e desacreditada, que viu algo em quem ninguém acredita, algo que sequer existe e que no final, nem ela sabe se viu mesmo. Uma viu através do trem, outra através da janela. As duas são solitárias e não fazem nada da vida. Uma sofria pelo abandono do ex, ah, a outra também. Inicialmente é tudo muito parecido. Mas temos diferenças importantes, que para mim, salvaram esse livro (não sou lá fã de A garota no trem).

O primeiro é que Anna é bem menos chata! O segundo é que o descontrole emocional dela foi compreensível (eu matei logo no início qual era o trauma). A Rachel de A garota no trem levou um pé na bunda, eu passei o livro todo pensando: supere, siga em frente, acorda pra cuspir sua chata rs. Anna não, Anna tinha motivos reais para um sofrimento e um trauma assim. A bebida foi consequência. O terceiro, é que Anna é uma protagonista inteligente, e consequentemente, isso torna interessante acompanhar seus devaneios. Mesmo eu que odeio personagens alcoólatras, não consegui ter birra dela. Claro que irritou, bastante, mas dava para compreender rs. Foi interessante ver uma psicóloga, que sabia explicar racionalmente todos os problemas que estavam acontecendo, sabia que não podia misturar remédios com bebidas, fazia isso mesmo assim. Que sabia como teria que ser seu tratamento, mas fazia tudo ao contrário.  Outra coisa interessante é que Anna tenta ajudar outras pessoas que sofrem da mesma fobia, através de um grupo online. Poderia ter sido mais desenvolvido essas conversas, mas gostei bastante.

ATENÇÃO: pule isso se odiar qualquer tipo de spoiler e vá para o próximo parágrafo. Anna é complexa e no final me fez questionar algo que ainda não consegui responder. O que faz alguém seguir em frente e ainda ter vontade de viver? No final, em uma cena onde ela luta como uma leoa para viver, eu pensava. Mas por quê? Porque ela não parou e pensou “huhu vou morrer, beleza”. Ela era uma mulher sozinha, que não saia de casa, que não tinha ninguém e que abandonou a profissão. O que fazia Anna seguir em frente? Qual a motivação para querer sobreviver? Ela não tinha esperança, não tinha objetivos... Apenas instinto? Ainda não tenho respostas, embora a própria personagem questione isso no livro e tente responder. Quem leu e quiser compartilhar sua opinião sobre isso, vou ficar muito contente.

Voltando a trama (oi você que pulou um parágrafo, resista, continue sem olhar), o suspense tinha três pontos importantes. 1) O mistério em torno da vida da protagonista e o que a fez ficar daquele jeito e o porquê do divórcio. 2) Se realmente tinha acontecido algo com os vizinhos e o que foi. 3) Se o 2 fosse verdade, quem foi? O 1 estava na cara, tanta a parte do que tinha acontecido, quanto a parte do porque do divórcio, coisa de escritor iniciante mesmo (porque ele conseguiria fazer isso sem o leitor desconfiar logo de cara). Até achei que gostaria bem menos do livro por causa disso. O 2 eu desvendei logo, mas não sou inexperiente no gênero cof, cof. O 3 me surpreendeu! O 3 se alguém falar que matou a charada eu truco na hora rsrs. O 3 me fez subir a avaliação final do livro e terminar chocada! O final em si foi exageradamente cinematográfico, mas eu comprei a história. Eu quero muito ver isso no cinema!! O filme vai rolar e só espero que eles não mudem nadinha! Talvez eles consigam deixar o item 1 menos óbvio, seria legal rsrs.

O foco é Anna do início ao fim, mas eu gostei dos outros personagens, eles não foram suficientemente desenvolvidos, mas isso fez sentido com a ideia central da trama.

Para quem curte suspense esse livro vale a leitura. E a leitura flui bem, apesar do cenário limitado, quando eu vi, já tinha devorado meio livro. A narrativa prende, o leitor se envolve. E  agora quem já leu me diz, o que vocês acertaram? Esse vale a compra, leiam!

Adicione ao seu Skoob!

Avaliação (1 a 5):
Comente, preencha o formulário, e concorra ao Kit Top comentarista de abril!

Postar um comentário

  © Viagem Literária - Blogger Template by EMPORIUM DIGITAL

TOPO