target="_blank">Some alt text
Promoções
target="_blank">Some alt text
Viaje com as séries
target="_blank">some alt text
Viaje comigo
target="_blank">some alt text
Ofertas Submarino
target="_blank">Some alt text
Os melhores do ano
target="_blank">Some alt text
Viajando no mundo das cores

Um Artista do Mundo Flutuante – Kazuo Ishiguro

>>  sexta-feira, 20 de julho de 2018

ISHIGURO, Kazuo. Um Artista do Mundo Flutuante. São Paulo: Editora Companhia das Letras, 2018. 225p. (Título Original: An Artist of the Floating World)

Kazuo Ishiguro é um escritor romancista nascido no Japão, mas que mora na Inglaterra desde a infância, tendo imigrado com seus pais. Em 2017, foi agraciado com o Prêmio Nobel de Literatura. E basicamente por isso resolvi ler esta obra lindamente editada e relançada pela Companhia das Letras (o livro foi originalmente publicado em 1986).

Me chama atenção como a literatura japonesa me atraiu este ano. Primeiro foi a descoberta do livro “Battle Royale”, de Koushun Takami que já está na minha estante esperando sua vez, e depois foi a sequência de livros do então desconhecido para mim Haruki Murakami. 2018 está se mostrando um ano de descobertas e fuga do meu “lugar comum” literário, que sempre foi o eixo EUA-Inglaterra-Irlanda. Isso foi algo que identifiquei no final do ano passado, e fico feliz que meu perfil esteja mudando, para ser mais inclusivo, em especial na Cultura. Convido vocês a também fazer essa auto crítica.

E é com esse gancho em Cultura que eu começo a minha resenha de Um Artista do Mundo Flutuante. É o que mais chama atenção e o que mais me atraiu no livro: a cultura familiar e tradicional japonesa, tão peculiar e estranha para mim, foi dissecada e analisada em tons semelhantes aos de um pintor, aqui uma comparação ao personagem principal do livro, Masuji Ono, um artista idoso.

Um exemplo do que falo, de como o autor é cuidadoso com as palavras e tece um cenário parecido com uma pintura é o trecho abaixo:

“Às vezes, de manhã cedinho, afasto a cortina e encontro o sol se derramando entre as lonas em raios coloridos, revelando nuvens de poeira no ar como se o teto tivesse acabado de cair naquele instante.” (p. 15)

O livro começa com Masuji vivendo com uma filha solteira, Noriko, e outra já casada, Setsuko (tendo passado por negociações e investigações bem sucedidas) e com um neto, Ichiro. O foco central é a casa, uma obra de arte em si, mas que sofre os efeitos da 2ª Guerra Mundial que recentemente acabou. A casa foi comprada de uma família que valorizava mais a honra do que o dinheiro, algo poético mas que beira a arrogância, e deu à família de Masuji um status e visibilidade que antes não tinham.

A narrativa do livro centra-se em Masuji, que tem tanto recordações de sua vida quando criança e adolescente, especialmente dos pais e dos costumes, quanto o presente, em um Japão alterado, ainda entre o tradicional e a invasão ocidental. Vemos claramente o respeito das filhas para com o pai, mas também não deixamos de reparar como não é mais uma coisa cega. Elas têm voz, argumentam, querem saber, tomam decisões. Em quem mais conseguimos ver essas novas tendências ocidentalizadas é no neto, Ichiro, fã de filmes de cowboy e um tanto quanto voluntarioso.

Ao falar do passado, não há como fugir também do passado tão próximo: a guerra. Masuji é o sobrevivente de uma geração que mandou filhos para a luta e os filhos não voltaram. Que viveu a destruição do que conhecia como certo e o que tinha como lar, e que agora sobre com a nova geração que os considera obsoletos.

Assim, o livro tem ares dramáticos e um tema denso, apesar de não ser novidade na literatura, mas com a grande vantagem da leveza da escrita poética.

Mesmo assim, o que mais me marcou no livro foi a jornada de Masuji para se tornar um artista, neste então mundo flutuante, de constantes alterações e incertezas, onde um “eu” não pode ser fixo e muitas vezes não pode nem ser escolhido. A tradição escolhe o que você vai ser, com quem você será, e quem você será.

A jornada de Masuji também foi flutuante, indo contra as imposições de seu pai, encontrando sua identidade na vida noturna da cidade, e até mesmo trabalhando na indústria da guerra, na produção de propagandas nacionalistas. Propagandas que incitavam jovens a lutar, o país a resistir, pessoas a morrer... pessoas mais próximas que ele próprio imaginava.

É um pouco difícil avaliar este livro, pois ainda estou sob a influência de seu impacto. E o mais interessante é que eu não senti o impacto, eu simplesmente me pego pensando na obra, avaliando aleatoriamente trechos e passagens, sem ainda ter uma opinião forte formada. Acho que isso é bom, foi uma obra de arte, uma pintura em letras que me tocou, me fez pensar, definitivamente me emocionou e que não esquecerei tão cedo.

Mesmo assim vou tirar algumas estrelas. Por que? Por que ela é sutil até demais, e acredito que a própria valorização exacerbada vai estragar seu sentido e seu propósito. Isso não faz muito sentido, mas é o melhor que posso explicar agora. Existem muitas obras neste modelo, esta é mais sutil, mais discreta, fica mais em segundo plano. Uma leitura fácil, bela e emocionante, mas que tenho medo de esquecer em algum tempo.

Adicione este livro no Skoob.

Siga nosso perfil no Instagram, tenha acesso a conteúdo exclusivo e participe de sorteios!

Avaliação: 








        
Comente, preencha o formulário, e concorra ao Kit Top comentarista de julho!

Postar um comentário

  © Viagem Literária - Blogger Template by EMPORIUM DIGITAL

TOPO