target="_blank">Some alt text
Promoções
target="_blank">Some alt text
Viaje com as séries
target="_blank">some alt text
Viaje comigo
target="_blank">some alt text
Ofertas Submarino
target="_blank">Some alt text
Os melhores do ano
target="_blank">Some alt text
Viajando no mundo das cores

Tarde demais - Colleen Hoover

>>  segunda-feira, 3 de setembro de 2018



HOOVER, Colleen. Tarde demais. Rio de Janeiro: Editora Galera Record, 2018. 384p. Título original: Too late.

“Eu me aproximo mais e relaxo no corpo dele, escutando o som de seu coração batendo depressa dentro do peito. Fecho os olhos e tento me lembrar de alguma vez em minha vida louca e fodida em que tenha sentido que eu importava, mas não consigo me lembrar de nada. Vivo nesse planeta há vinte anos, e está é a primeira vez que sinto alguém realmente se importar comigo.” p. 77

Colleen Hoover dispensa apresentações. Sou fã de new adult, e a autora é uma das minhas favoritas do gênero. Dito isso, esse livro é bem diferente dos outros dela. Logo no início em uma nota, ela explica que ele surgiu aos poucos na internet, capítulos que ela ia publicando quando estava com bloqueio para escrever sua história atual. O livro foi publicado com a junção desses capítulos, que foram publicados online. Além de diferente nesse aspecto, ele também é um livro muito mais pesado, com cenas fortes, muitos palavrões e não é indicado para menores de idade. Hoje conto para vocês o que achei de Tarde demais.

Sloan está presa faz algum tempo em um relacionamento abusivo, e tem consciência disso. Para ajudar seu irmão deficiente e sem condição de se sustentar sozinha, ela aguenta o que precisar, pelo menos até terminar a faculdade. As vezes sonha em fugir, em outras, ama o namorado  mesmo com todos os seus defeitos. Ela vive em uma casa onde não consegue dormir, onde festas intermináveis e estranhos entrando e saindo o tempo todo não dão trégua. Mas ela não tem alternativa, segue apenas sobrevivendo.

Asa Jackson ama Sloan, ela lhe pertence. Ele cuida da sua garota, e espera receber o mesmo amor em troca. Asa quer ser o melhor em sua área, e ele já é, o maior traficante dentro de um campus universitário. Ele faz o que for preciso, afinal, não deixaria ninguém prejudicar suas posses, e Sloan, é a mais importante delas.

Carter se encantou por Sloan quando a conheceu na aula de espanhol, linda e divertida, a moça com certeza iria distraí-lo das aulas chatas. Quando reencontra a moça na casa de Asa, consegue, por pouco, controlar a surpresa. Afinal, para todos os efeitos, ele é o novo parceiro de Asa nos negócios. E precisa representar o papel.

Sloan e Carter começam a se envolver, uma atração perigosa, que se descoberta, pode ser fatal.

~~~~~~

O enredo é realmente mais forte, e muito mais pesado do que os outros livros da autora. Muito palavrão, muitas cenas de abuso e estupro, muita violência. Para quem já lê livros assim mais pesados, como eu, não tem novidade nesse sentido. Eu achei muito bom no começo! O enredo, os personagens, tudo. É uma história bem apelativa e que fisga o leitor, além disso, temos a ótima narrativa da Colleen. Mas a medida que fui lendo, foi impossível não se irritar com os personagens! A fórmula protagonistas bocós + amor miojo, não desce mais.

Primeiro temos Sloan, uma moça maior de idade, na faculdade, mas que precisa de Asa para se sustentar e cuidar do irmão. Desde o início ela fala que mesmo trabalhando, não teria condições de pagar o tratamento dele, porque o irmão que tem necessidades especiais perdeu o benefício do Estado e ela não tem dinheiro. Asa paga as despesas do irmão, e claro, sua moradia. Ela passa o início do livro jurando que ama Asa mesmo ele sendo um traficante abusivo (segundo ela, ele tem um lado bom). E depois passa o restante da história se sentindo impotente para fugir e se livrar dele, transando com o cara (uma hora para distraí-lo, outra hora sendo estuprada), enquanto está apaixonada por Carter.  Gente, ela mora nos EUA, o país do desemprego zero! Vai trabalhar!! Ah não, vou ser sustentada por um traficante drogado, vou ser estuprada diariamente porque não tenho onde morar, não almoço porque não quero usar o $ sujo dele (mora lá, usa o carro, mas morre de fome). Aí coloca um irmão com necessidades especiais que teoricamente o cara sustenta (filha você está na faculdade, porque diabos você não vai lá ver porque o governo cortou os benefícios e como conseguir de volta?). Ela passa o livro com fome, chorando pelos cantos, se sentindo o cocô do cavalo do bandido... sem mover uma palha para mudar isso. Na faculdade, a única coisa que aparentemente ela estuda é espanhol... deve ser por isso que é tão tapada kkk.

Do outro lado temos Carter, um dos policiais disfarçados que está investigando Asa. Um policial de 25 anos, que se apaixona pela bunda da menina na primeira aula de espanhol, e depois passa o livro inteiro lutando com o dilema de “não se envolver”, ou “arrumar uma forma de salvá-la” e “não estragar o disfarce da equipe toda por uma garota”. Carter é o mocinho bonzinho, um santo. Ele vê que Asa está transando com ela, mas sabe que “não tem nada que ela possa fazer”. Vê a menina sendo abusada, mas não pode se meter. Rouba uns beijos dela, transa com ela, mas aceita normalmente a moça por quem está apaixonada sendo estuprada por outro homem. Que mocinho mais banana! E que bosta de policial! Ele não investiga nada, fala que ele está lá como novo parceiro de negócios de Asa mas não mostra nada... nenhuma transação, nenhuma ação para comprar drogas, nada! Aparentemente Asa precisava de alguém fluente em espanhol... Carter é o anjo bom que apareceu para salvar Sloan, mas como policial... é um zero a esquerda do início ao fim.

O relacionamento entre os dois é bonitinho no final. Mas  aquela paixão toda do nada, todos os desdobramentos onde Sloan passa por tudo aquilo e ele só observa e tal, não me deixou amar o casal.

E temos Asa, o pouco que salva no livro está no vilão. Apesar do estereótipo do cara mau que foi abusado na infância, o personagem é interessante. Perturbado, com alguma possível doença mental, agressivo e abusivo. Asa foi criado por uma mãe drogada, um pai violento e sobreviveu. Hoje ele é um cara rico (de vender maconha? Ninguém sabe de onde começou a riqueza toda), lindo, que comanda o tráfico universitário (pouco se diz sobre isso, só vemos festas e festas, mas vamos acreditar que ele é mau pra chuchu. Até porque tem dois policiais disfarçados só para pegar o cara... ok.). Mas em tudo o que se refere a Sloan, o cara é assustador. Violento, intimidador, chantagista e manipulador. Algumas cenas que envolvem os dois são realmente grotescas.

Resultado, por tudo isso, eu não amei a leitura. Não consegui engolir as falhas no desenvolvimento dos personagens e na trama. Apesar disso, eu curti o enredo mais forte, a forma como a autora estruturou a história e até de ela ir inserindo no final: epílogo 1, epílogo 2, prefácio... tudo lá no final. Dos livros da Colleen foi o que menos gostei, quem leu me conte o que achou.

Adicione ao seu Skoob!

Avaliação (1 a 5):





Comente, preencha o formulário, e concorra ao Top comentarista de agosto no blog!

Postar um comentário

  © Viagem Literária - Blogger Template by EMPORIUM DIGITAL

TOPO