target="_blank">Some alt text
Promoções
target="_blank">Some alt text
Viaje com as séries
target="_blank">some alt text
Viaje comigo
target="_blank">some alt text
Ofertas Submarino
target="_blank">Some alt text
Os melhores do ano
target="_blank">Some alt text
Viajando no mundo das cores

Leah fora de sintonia - Becky Albertalli

>>  quarta-feira, 10 de outubro de 2018

ALBERTALLI, Becky. Leah fora de sintonia.  Rio de Janeiro: Editora Intrínseca, 2018. 320 p. título original: Leah on the offbeat.


Não escondo de ninguém o quanto sou fã de Simon vs. a agenda homo sapiens e que não sou fã de modinha, ou seja, li e me apaixonei pela história antes de virar filme. Tanto que me recuso a chamar a história de Com amor, Simon. Logo, quando fiquei sabendo que Leah, a melhor amiga de Simon, ia ganhar uma história própria, confesso que me dividi entre a curiosidade e a impressão de que a autora havia lançado o livro por causa do boom  provocado pelo lançamento do filme. A conclusão a que cheguei conto para vocês agorinha.

Quando está tocando bateria, Leah Burke está sempre em sintonia – pena que nem tudo na vida é fácil assim.

Leah é diferente da maioria de seus amigos: filha de mãe solteira e com uma vida bem menos privilegiada, ela ama desenhar, mas morre de medo de expor seu trabalho. E, embora a mãe saiba que ela é bissexual, Leah ainda não teve coragem de contar a verdade nem a seu melhor amigo Simon, que é gay. Para completar, o mundo que ela conhece está prestes a mudar drasticamente. A escola se aproxima do fim, e a tensão entre seus amigos aumenta a cada dia. Leah está perdida, sem saber o que fazer, sem saber o que sentir. E fica ainda mais confusa quando certa garota linda e simpática – com quem ela até então implicava – não sai mais de sua cabeça.

Leah está fora de sintonia, e talvez seja disso mesmo que ela precisa, para sair de sua zona de conforto e finalmente ir atrás do que quer.

                                                                ____________

A história se passa um ano depois de Simon vs. a agenda homo sapiens e foi muito bom ver a continuação da história de Simon e Bram depois do que ocorreu no primeiro livro. Fiquei muito feliz de poder acompanhá-los, dessa vez como coadjuvantes.

Além disso, curti muito a intenção da autora de mostrar os conflitos por que os adolescentes passam nesse momento transitório da vida. Aquele momento em que a pessoa não sabe o que ou quem vai ser no futuro, o que vai acontecer, se há mesmo vida após o ensino médio, se há como ter ou não um relacionamento a distância.

Entretanto, caros viajantes, na minha humilde visão, esses foram os únicos pontos positivos da história.

Acompanhar Leah tão de perto me fez achá-la uma adolescente cansativa, insegura (demais para o bem dela e do leitor), implicante demais. Como eu disse acima, sei que intenção da autora foi das melhores ao mostrar ao leitor o lado inseguro de uma pessoa dessa faixa etária, mostrar que Leah não é tão forte quanto demonstra, mas pra mim isso ficou demonstrado de forma negativa, mais atrapalhou do que ajudou na construção da personagem.

Além disso, em determinados momentos, não reconheci o Simon que tanto amei no livro anterior. Algo nele estava diferente de uma forma que me fez me perguntar se era o mesmo Simon. Mas vale ressaltar que nesta história ele é mostrado do ponto de vista de Leah. Felizmente ele não era o foco da história, de modo que não deu tempo de pegar ranço (ainda bem!).

Uma coisa que me incomodou foi a sensação de que, para justificar determinado acontecimento na história, a autora forçou um conflito entre dois personagens – me refiro ao ponto que descrevi, no resumo, sobre a garota que não saía da cabeça de Leah. Acho que foi um pouco exagerado o conflito e enrolados os acontecimentos (talvez seja um pouco culpa do bom e velho drama adolescente) para chegar ao desfecho que, para mim, deixou muito a desejar.

Falando em desfecho, ele deixou a desejar, ainda, porque achei que alguns pontos não foram amarrados de forma satisfatória. Por exemplo, houve um conflito em que fiquei supondo várias formas legais de como ele poderia ser resolvido, e, na hora H, a solução foi vaga e a quebra de expectativa foi decepcionante.
 
Enfim, gostei da ideia de Leah ter uma história própria, mas não curti a forma com que a história foi executada. Para quem já acompanha a história de Simon e sua turma vale a leitura!

Adicione ao seu Skoob!


Avaliação (1 a 5):









                     Comente, preencha o formulário, e concorra ao Kit Top comentarista de outubro!

Postar um comentário

  © Viagem Literária - Blogger Template by EMPORIUM DIGITAL

TOPO