target="_blank">Some alt text
Promoções
target="_blank">Some alt text
Viaje com as séries
target="_blank">some alt text
Viaje comigo
target="_blank">some alt text
Ofertas Submarino
target="_blank">Some alt text
Os melhores do ano
target="_blank">Some alt text
Viajando no mundo das cores

Os prós e os contras de nunca esquecer - Val Emmich

>>  quarta-feira, 13 de março de 2019


EMMICH, Val. Os prós e os contras de nunca esquecer. Rio de Janeiro: Editora Intrínseca, 2018. 320 p. Título original: The Reminders.

Desde que recebi a primeira caixa do Clube Intrínsecos, fiquei cada vez mais desesperada para que minha fila imensa de leitura me desse uma trégua para que eu pudesse ler os livros maravilhosos que a Intrínseca vem enviando mensalmente por meio desse clube do livro mais lindo! Então, um pouco antes do recesso de carnaval (e com as renovações de parcerias), finalmente consegui dar um tempinho nas leituras e fiquei pensando em qual livro dos Intrínsecos eu leria primeiro, já que todos são super intrigantes e eu não via a hora de ler todos. Então, escolhi um que me fazia pensar, toda vez que eu olhava para a estante: “Já, já quero ler este”: Os prós e os contras de nunca esquecer. Coincidentemente, a oportunidade surgiu logo que a editora lançou o livro em edição normal (como vocês sabem, o Clube Intrínsecos dá aos assinantes o direito de receber um livro que ainda não foi lançado pela editora e com uma capa super exclusiva, certo?). E, apesar de ter lido junto com todo mundo que está comprando/recebendo a edição normal, fico feliz de poder compartilhar com vocês a minha opinião também. E então, vamos conhecer Os prós e os contras de nunca esquecer?

Joan Lennon Sully é uma menina de dez anos aparentemente comum, não fosse o fato de ter uma memória excepcional. Tudo começou supostamente quando ela tinha dois anos e foi a uma loja com o pai, que a deixou sozinha no carrinho por dois segundos e ela se esticou para frente do carrinho e... puft!, caiu de cabeça no chão. Desde então ela sofre de HSAM – memória autobiográfica altamente superior. O que isso quer dizer? Que tudo o que aconteceu na vida dela fica registrado como se ela tivesse um banco de dados na cabeça. Data, dia da semana, roupa que as pessoas estavam usando (inclusive ela própria), tudo o que foi dito, palavra por palavra. Nada escapa.

Filha única, recebeu o nome do Joan Lennon porque seu pai e sua avó paterna sempre foram muito fãs dos Beatles, em especial do John Lennon, mas, como o nome Lennon para uma garota foi vetado pela mãe, ela foi registrada como Joan Lennon.

A mãe é professora e o pai é um musico que está passando por uma crise profissional.

Gavin, um grande amigo do pai de Joan, é ator e também está passando por um momento difícil. Seu companheiro, Sydney, que também era melhor amigo de Paige, mãe de Joan, acabou de falecer. Gavin não vê mais sentido em nada. Tudo o que ele mais quer é esquecer. Depois de um ataque que o fez aparecer inclusive nos telejornais, Paige o convida para passar uma temporada em sua casa.

Joan está preocupada com duas coisas: 1) com a possibilidade de o pai fechar o estúdio (Joan não quer que isso aconteça, pois todas as recordações boas – ou a maioria delas – junto do pai envolvem os dois tocando, gravando ou compondo). É seu lugar favorito na vida! Ela precisa ajudar o pai de alguma forma; 2) com o fato de que as pessoas têm a memória muito inferior à dela. Isso a faz querer fazer algo grandioso para que seja sempre lembrada, assim como seu maior ídolo: John Lennon. Ela acha que o melhor meio para que isso aconteça é pela música. Então, decide participar de um concurso chamado “O futuro grande compositor”, pois acredita que, se vencer, será eternizada na memória das pessoas. Para isso, ela vai contar com a ajuda de quem menos esperava: Gavin.

Enquanto isso, Gavin começa a descobrir alguns segredos que Sydney vinha escondendo dele, alternando entre querer saber mais e desejar que tivessem sido enterrados com Sydney.
 
E, enquanto Gavin tenta se distanciar das memórias que guarda de seu falecido amado, Joan tenta se eternizar na memória das pessoas, e ambos vão encontrar um no outro a força de que precisam para alcançar aquilo que buscam.

                                                             _____________


A narrativa é alternada entre Joan e Gavin, cada um narrando um capítulo, sempre dando continuidade ao que o outro estava contando no capítulo anterior.

O livro é dividido em cinco partes, cada uma com um nome de uma música famosa dos Beatles (embora eu ache que quase 100% das músicas deles devem ser famosas).

Joan é encantadora e, apesar de parecer madura para a idade, não é uma criança-adulta, daquele jeito pedante que as crianças maduras demais costumam ser. Pelo contrário, ela é cativante! Ao mesmo tempo que é madura demais, ela é totalmente criança, e isso faz o leitor se afeiçoar à personagem.

Os pais de Joan, Ollie e Paige, são ótimos como seres humanos e como pais. Quando crescer quero ser igual a eles!

Gavin é gato, simpático, e torci para que ele se recuperasse logo de sua perda e seguisse em frente. Sei como é perder alguém amado de forma repentina, então me solidarizei bastante com os sentimentos que brigavam dentro dele o livro todo.

Há um levíssimo tom de mistério cercando a história enquanto Gavin tenta descobrir o que Sydney teria escondido dele. Esperei que fosse algo mais grave, mas nem de longe acertei do que se tratava. (Calma, não é O mistério, não é um livro de suspense).

Achei muito interessante a forma como a memória, as lembranças são tratadas na história. O autor, por meio da protagonista, me levou a pensar em como precisamos de coisas materiais para nos lembrarmos dos momentos marcantes de nossas vidas. Tenho certeza de que, em algum cantinho, você tem aquela caixinha com algum lembrete que ative sua memória para algum acontecimento, como um show, um filme especial, uma viagem inesquecível (#quemnunca).

Enquanto Joan é a personificação do desapego em relação ao que se precisa para se lembrar das coisas (muito embora ela escreva tudo em um diário), Gavin é a personificação de alguém que precisa de algo material para ativar uma lembrança. E isso é muito interessante de ir observando ao longo da história.

Para quem é fã dos Beatles, há menção a diversas músicas, referências à história da banda, do John Lennon em especial.

O final é lindo, redondinho e teve uma passagem específica que me fez ficar com os olhos cheios de lágrimas. É fofo, é engraçado, é divertido. Forte candidato a Top 10 – 2019!

Indico para todas as pessoas, sem restrições! Leiam!

Adicione ao Skoob!

Avaliação (1 a 5): 








 Comente, preencha o formulário, e concorra ao Kit Top comentarista!

Postar um comentário

  © Viagem Literária - Blogger Template by EMPORIUM DIGITAL

TOPO