target="_blank">Some alt text
Promoções
target="_blank">Some alt text
Viaje com as séries
target="_blank">some alt text
Viaje comigo
target="_blank">some alt text
Ofertas Submarino
target="_blank">Some alt text
Os melhores do ano
target="_blank">Some alt text
Viajando no mundo das cores

Ofélia - Lisa Klein

>>  quarta-feira, 28 de agosto de 2019

KLEIN, Lisa. Ofélia. São Paulo: Editora Verus, 2019. 265 p. Título original: Ophelia.

Não consigo recordar quando foi e qual foi a última vez que li um romance de época. Não é um estilo que tenho o costume de ler, mas curto todas as vezes que tenho a oportunidade. Ofélia, contudo, não é um romance de época qualquer. Vamos descobrir por quê?

Ofélia é uma menina que cresceu sem mãe e sem o amor materno ou qualquer tipo de carinho, atenção ou amor. O pai é um puxa-saco do rei e o irmão, um rapaz que vive solto no mundo. De repente, Ofélia é vista pela rainha e é levada para viver no castelo de Elsinor, passando a ser treinada para se tornar uma dama.

Além de dama da maior confiança da rainha Gertrudes, Ofélia, que é linda, espirituosa e inteligente, chama a atenção do príncipe Hamlet, e os dois, tão distantes na escala da sociedade, passam a se amar em segredo.

De repente, algo terrível acontece e a Dinamarca passa a não ser um lugar bom para se viver. Ofélia precisa escolher entre o amor e sua própria vida, entre fugir (carregando consigo um perigoso e terrível segredo) e ficar e,  talvez, não sobreviver.

                                                                  ~~~~~~~~~~~

Então, caros leitores, já ouviram, alguma vez, falar de uma história semelhante? Se você acha que se trata de uma releitura de Hamlet, de William Shakespeare, acertou em cheio. Uma das tragédias mais famosas do autor é transformada em uma releitura pela autora Lisa Klein, trazendo Ofélia como figura principal.

Assim como na história original, Ofélia é muito inteligente e à frente de seu tempo. Isso para uma jovem dama vivendo no período de 1585.

Contudo, ainda que fosse muito inteligente, ela é ainda muito ingênua quando o assunto é o amor, o coração, afinal ela é muito jovem e não sabe nada sobre relacionamentos, tampouco tem amigas ou mesmo uma mãe para conversar sobre essas coisas. Ela acaba por cair nas graças de ninguém menos que o príncipe da Dinamarca, Hamlet, e, a partir de então, sua vida é apenas agonia e caos.

Fiquei muito agoniada ao longo da leitura. Sei como a história de Hamlet é trágica, mas Ofélia é um livro angustiante em outro nível. Ver toda a inocência da personagem, beirando a cegueira, me deixou mal.

Contraditoriamente, apesar dessa agonia toda, o livro se mostrou muito morno na minha visão.

Acabei torcendo por um personagem secundário e me peguei dizendo, várias vezes ao longo da história, que se Ofélia tivesse se apaixonado por Horácio, e não por Hamlet, a história seria outra e, possivelmente, tudo teria tomado um rumo bem mais feliz.

O livro é dividido em três partes. No prólogo, o leitor já é preparado para a tragédia que o aguarda ao longo da leitura. Nas partes um e dois, acompanhamos a ascensão e a queda do Reino da Dinamarca e, via de consequência, daqueles que ali habitam.

A terceira parte, na minha humilde opinião de leitora, foi totalmente desnecessária. Entendo que há necessidade de dar um desfecho à personagem, contudo acho que não era necessário estender tanto mais a história. O que realmente importava na história inteira (e pelo que eu esperava) acontece nos últimos cinco parágrafos. O restante da terceira parte foi maçante e me segurei para não pular páginas para terminar logo.  

Quanto ao filme, a expectativa é grande. Tenho receio de ficar enfadonho em determinado momento (o tempo previsto de filme, pelo que vi, é de mais de 2h15min!)  mas, como sou fã da Daisy Ridley, com certeza será mais fácil acompanhar sem morrer de tédio como quase acontece com o livro. E Laertes, o irmão de Ofélia, é interpretado por ninguém menos que o eterno Draco Malfoy, o que me deu ainda mais vontade de assistir! O príncipe Hamlet, interpretado por George MacKay, não  se parece em nada como Hamlet que imaginei, e pelo trailer não me agradou muito, rs. Na minha imaginação, o conceito de bonito vai muito além disso, mas quem sou eu para questionar, não é?

Então, se você curte releituras, leia! E assista ao trailer da adaptação (ainda não consegui trailer legendado, mas o que vale é a intenção!)


Adicione ao Skoob!

Avaliação (1 a 5): 






                           Comente, preencha o formulário, e concorra ao Kit Top Comentarista de agosto!

Postar um comentário

  © Viagem Literária - Blogger Template by EMPORIUM DIGITAL

TOPO