target="_blank">Some alt text
Promoções
target="_blank">Some alt text
Viaje com as séries
target="_blank">some alt text
Viaje comigo
target="_blank">some alt text
Ofertas Submarino
target="_blank">Some alt text
Os melhores do ano
target="_blank">Some alt text
Viajando no mundo das cores

Suicidas - Raphael Montes

>>  quarta-feira, 4 de dezembro de 2019

MONTES, Raphael. Suicidas. São Paulo: Companhia das Letras, 2017. 430 p.

Que eu gosto de literatura nacional todo mundo já está sabendo. Que eu não leio muitos livros de suspense/thriler psicológico/terror já não é assim tão fácil lembrar, mas é um fato que tem mudado (pelo menos meu interesse no estilo), graças aos livros do Raphael Montes. O primeiro livro que li dele, Uma mulher no escuro, foi um dos grandes favoritos do ano e, depois da leitura, fiz um projeto de ler todos os livros do autor. A ideia de ler Suicidas começou depois que participei de um evento com o autor na Bienal do Livro do Rio de Janeiro 2019, e ele contou onde estava quando teve a ideia de escrever o livro. (Durante a missa. Sim. Você não leu errado). Depois de descobrir esse fato inusitado, fiquei desesperada para ler! Agora deixo para vocês as minhas impressões (e que impressões) sobre Suicidas.

Alessandro é um rapaz estudioso, inteligente, tem o sonho de ficar famoso com suas histórias e se tornar um grande escritor. Ele tem um melhor amigo, Zak, que é um riquinho, filhinho de papai, herdeiro de uma grande fortuna. Ambos vivem suas vidas normalmente, são estudantes de Direito e aparentemente têm um grande futuro pela frente, não fosse um fato: eles estão a caminho da morte. Isso mesmo. Alessandro, Zak e outros sete jovens da elite carioca vão se reunir para participar de uma roleta-russa.

Um ano se passa e uma delegada de polícia, se valendo de um caderno de anotações de Alessandro em que ele narra, com riqueza de detalhes e requintes de crueldade, os acontecimentos do fatídico dia da morte dos nove jovens, decide investigar um pouco mais a fundo para tentar entender o que teria realmente acontecido.

Aos poucos, graças às anotações de Alessandro, vêm à tona as histórias de vida, os segredos e a realidade por trás da máscaras que os jovens insistem em sustentar para manter uma vida aparentemente feliz.

                                                               ~~~~~~~~

O livro é narrado alternadamente de três formas: por meio do diário de Alessandro, contando a vida dele. Esse caderno acaba tendo ligação com o “livro” que ele escreve a partir da sua ida com os outros jovens para a casa dos pais do Zak para participarem da roleta-russa. E, por fim, há a reunião organizada pela Delegada a fim de tentar entender o que aconteceu, por meio da leitura dos cadernos de Alessandro.

Por essas narrativas, o leitor vai conhecendo, aos poucos, Alessandro e os demais jovens.

Uma palavra define para mim esse livro: pesado, rs. Ele entrou para lista dos dois livros mais pesados que já li na vida! É tenso, é cruel, e antes que você pense que por causa disso eu não gostei do livro, já preciso dizer que não se engane! Exatamente por ser assim que se tornou um dos livros favoritos desse estilo!

A escrita em si é fluida por natureza, mas a curiosidade de saber o que vai acontecer e como vai acontecer faz com que flua ainda mais rápido. Eu só queria saber por quê. Qual a razão para 9 jovens quererem dar fim à própria vida?! E de repente as coisas vão se desenrolando de uma forma que eu já não sabia se queria que alguém se salvasse, e comecei a odiar alguns personagens e a gostar de outros que no início eu não daria a menor atenção.

Alguns trechos foram especialmente difíceis de ler e não tenho vergonha de assumir que uma parte específica (que apenas o autor e quem já leu com certeza saberão qual é) eu não dei conta de ler.

Juro que até hoje às vezes tenho a sensação de que sonhei com essa história. Possivelmente o que me ajudou muito a passar por esse livro foi o ambiente em que eu estava enquanto lia. No feriado de 15 de novembro, viajei para uma cidade  que nem sinal de celular tinha. Paz, sossego, cachoeiras lindas.

E não é que não indique o livro, já que me impressionou tanto a ponto de se tornar um queridinho. Só acho que não é uma leitura que possa ser feita por qualquer pessoa.

Se Raphael Montes ler esta resenha e puder me contar com mais detalhes essa história de igreja, suicidas, eu vou adorar! Desde já, agradeço! Rs!

De qualquer modo, leiam os livros do autor! Já, já teremos mais duas resenhas dele aqui no blog! Aguardem!

Adicione ao Skoob!

Avaliação (1 a 5):







Comente, preencha o formulário, e concorra ao Kit Top comentarista de novembro/dezembro!

Postar um comentário

  © Viagem Literária - Blogger Template by EMPORIUM DIGITAL

TOPO