target="_blank">Some alt text
Promoções
target="_blank">Some alt text
Viaje com as séries
target="_blank">some alt text
Viaje comigo
target="_blank">some alt text
Ofertas Submarino
target="_blank">Some alt text
Os melhores do ano
target="_blank">Some alt text
Viajando no mundo das cores

O nome do vento - Patrick Rothfuss

>>  quarta-feira, 13 de outubro de 2010

ROTHFUSS, Patrick. O nome do vento. Rio de Janeiro: Editora Sextante, 2009. 652p. (As crônicas do Matador do Rei, V.1) Título original: The name of the Wind.

“Além disso, a raiva é capaz de nos manter aquecidos durante a noite, e o orgulho ferido pode instigar um homem a fazer coisas maravilhosas.”

O livro de hoje me demandou uma dedicação maior e mais tempo do que costumo para terminar a leitura, mas ao invés de correr para terminar (como ás vezes faço por causa das postagens no blog) eu resolvi ler calmamente e saborear cada uma das páginas de O nome do vento de Patrick Rothfuss. Este não é um livro fácil de descrever nem de resenhar, mas vou tentar contar um pouco do que espera por vocês neste épico fenomenal. 

Esta é a história de Kvothe... Kvothe o sem sangue, Kvothe o arcano ou Kvothe o matador do Rei. Ele tinha cabelos ruivos de verdade, vermelhos como o fogo. Seus olhos eram escuros e distantes, e ele se movia com a segurança sutil de quem conhece muitas coisas. Hoje ele era apenas Kote, o dono da Pousada Marco do Percurso em um pequeno vilarejo longe de tudo. Mas eis que ele resolve nos contar a sua história, desde a sua infância. 

Kvothe e seus pais eram parte dos Edena Ruh, uma trupe teatral famosa e reconhecida na corte, e viviam viajando com suas carroças levando seu espetáculo a todos as cidades. Desde cedo ele aprendeu a cantar e a representar, tinha talento para as duas coisas além de uma inteligência sem limites. Naquela época ele era apenas um garoto feliz e curioso que amava muito seus pais.

Em suas andanças com a trupe ele conhece Abenthy, um sábio arcanista que se junta à trupe e começa a dar aulas para Kvothe. O professor logo fica impressionado com a inteligência e o talento do garoto em todas as matérias, mas principalmente pela sua curiosidade pelas simpatias, a arte de dar nomes a todas as coisas, também conhecida como magia. Este foi o período em que ele foi realmente feliz.

Até que uma tragédia abala a infância de Kvothe, quando sua família é assassinada pelo Chandrianos - um grupo misterioso e visto pela maioria apenas como uma lenda - e agora ele está sozinho no mundo. Ele quer vingança, mas para isso ele precisa sobreviver. Ele quer chegar à universidade, se tornar um arcanista e aprender magia, mas para tanto ele precisa de dinheiro, e agora ele é só mais um menino de rua em uma grande cidade. 

“- Entretanto, neste momento disponho de dois iotas em minha bolsa, e não há nenhum lugar no mundo em que possa conseguir mais do que isso. Não tenho nada de valor para vender que já não tenha vendido. Aceitem-me por mais do que dois iotas- prossegui – e não poderei freqüentar a Universidade. Aceitem-me por menos e estarei presente todos os dias, e todas as noites farei o que for preciso para me manter vivo enquanto estudo aqui.”

E é ai que vamos acompanhando a luta diária de Kvothe, todos os percalços por quais ele passou e sua perseverança sem limites. Não vou contar mais sobre o enredo do livro, este eu acredito que deve ser descoberto a cada página, para que vocês tenham a mesma experiência surpreendente que eu tive.

A história é narrada em primeira pessoa e totalmente centrada na trajetória sofrida do protagonista, das suas lutas e suas vitórias inteligentes. O romance é detalhista e muito bem construído, impossível não se agarrar a cada página do livro e ficar ansiosa pelo final. Difícil saber se nosso personagem será o herói ou o bandido da história, por onde passa ele consegue se sobressair e por isso desperta admiração e também muita inveja.

Alguns personagens secundários são bem interessantes, embora com a narração em primeira pessoa, não ficamos sabendo tanto sobre eles. Como Denna, um moça bonita e misteriosa por quem Kvothe se apaixona, seus colegas mais próximas e alguns arcanistas. 

O livro entrou para a minha lista dos favoritos, amei o enredo e me surpreendi muito com a história. Agora não posso deixar de dizer que achei que terminou muito no ar, por mais que seja uma trilogia eu queria saber mais sobre o destino do protagonista e ficou parecendo que o livro todo era uma grande introdução. Agora estou desesperada pela continuação e pelo que sei só será lançada em junho de 2011 por aqui, paciência, o jeito vai ser esperar. 

Aprovado e recomendado para todos que gostam de uma boa história épica, tentei achar algum outro livro ou autor para servir de comparação, mas não consegui achar (vi comentários comparando com Tolkien e com HP mas para mim são muito diferentes); o que posso dizer é que este é um enredo primoroso, indicado também para o público adulto. O nome do vento é diferente de tudo que eu já li e é um livro indispensável no acervo. 

Trilogia As Crônicas do Matador do Rei do Patrick Rothfuss
  1. O nome do vento
  2. O temor do sábio (Wise Man's Fear)
  3. Doors of Stone
2.5 A música do silêncio (The slow regard of silence things)

Avaliação (1 a 5):

Postar um comentário

  © Viagem Literária - Blogger Template by EMPORIUM DIGITAL

TOPO