target="_blank">Some alt text
Promoções
target="_blank">Some alt text
Viaje com as séries
target="_blank">some alt text
Viaje comigo
target="_blank">some alt text
Ofertas Submarino
target="_blank">Some alt text
Os melhores do ano
target="_blank">Some alt text
Viajando no mundo das cores

Manual da boa moça

>>  segunda-feira, 2 de maio de 2011




Gente, tenho uma longa história pra contar sobre a minha abdução, uma experiência transcendental que pode até render uma crônica depois. Nanda pagou o resgate aos extraterrestres de uma terra distante e agora estou de volta.

Adorei a ideia de P.C. Cast em Manual do novato 101. A ideia de ter um manual que te explique diretinho o que fazer nas mais diversas situações, com a garantia de que tudo vai dar certo, pode ser muito boa. Nada de livros de auto-ajuda, que tem respostas muito subjetivas. Ser “levado pela mão” nas mais diversas áreas facilitaria muito a vida da gente.

Tipo no quesito, “Como ser mulher nos tempos atuais”. Gente, tá muito difícil ser mulher. Os ensinamentos da vó e da mãe não são mais suficientes pra tantas escolhas. As lições para atingir a suposta perfeição, que vão fazer de você uma mulher bem sucedida, com um bom marido, filhos lindos, um corpão de dar inveja, pele de seda, cartão de crédito liberado, apelido de fruta e tempo pra ir ao shopping e ao cabeleireiro, estendem-se por vários capítulos. “Como parecer 10 anos mais jovem”, “Vista-se para impressionar”, “Como ser santa na rua e puta na cama”.

Posso confessar? Eu tenho medo. Eu tenho muito medo. Perdi o bonde da mulherzinha. Os tratamentos de beleza estão há anos-luz do meu conhecimento. Tenho preguiça de fazer a unha, porque ela sempre estraga quando vou dar banho no meu cachorro. E isso eu faço toda semana. Eu nem gosto de bolsa. Tenho uma única e ela serve para todas as ocasiões. Acho horrorosas as Louis Vuitton, parecem coisa das minhas tias-avós. Meus sapatos se resumem a sete pares, contando duas rasteirinhas. Faço minha depilação com um creminho que não dói nada. Não passo maquiagem para trabalhar, nem batom. Isso permite que eu acorde mais tarde. Estimulação russa me parece algum tipo de tortura soviética. E que diabos é nude?

Sem esse tal manual continuo falando mais palavrões do que se espera de uma lady, rindo alto demais e sentando com a coluna toda torta. Faz sentido? Alguém tem uma solução melhor? Que escreva um guia sobre isso.

Postar um comentário

  © Viagem Literária - Blogger Template by EMPORIUM DIGITAL

TOPO