target="_blank">Some alt text
Promoções
target="_blank">Some alt text
Viaje com as séries
target="_blank">some alt text
Viaje comigo
target="_blank">some alt text
Ofertas Submarino
target="_blank">Some alt text
Os melhores do ano
target="_blank">Some alt text
Viajando no mundo das cores

A filha do pastor das árvores - Gillian Summers

>>  quarta-feira, 28 de março de 2012

SUMMERS, Gillian. A filha do pastor das árvores. Rio de Janeiro: Editora Bertrand, 2011. 280p. (Faire folk, v.1). Título original: The tree shepherd’s daughter.

“O que deseja filha do Pastor das árvores?
Keelie abriu os olhos. A árvore falara mentalmente com ela. Suas palavras aparentavam ser clorofiladas também, e partes delas chegaram a germinar, enraizando-se em seu cérebro.” p. 174

Que eu adoro fadas e afins não é segredo, desde que vi a capa e a sinopse deste livro me apaixonei e não via a hora de tê-lo em mãos. A historia tem uma mitologia própria, ligada a magia da terra e ao poder da natureza; as árvores são seres vivos e portadores de pensamentos e magia. Este mundo é também novidade para a protagonista, uma adolescente californiana descrente. Saibam o que eu achei de A filha do pastor das árvores de Gillian Summers.

Keelie Heartwood, 15 anos, tem sua vida mudada para sempre com a morte precoce de sua mãe. A menina foi criada na ensolarada Califórnia, estudava em uma escola importante e tinha muitos amigos, a mãe sonhava que a filha fosse advogada como ela. Keelie agora faria de tudo para agradá-la. Ela estava sofrendo, pela perda da mãe, pelas últimas palavras bruscas que havia trocado com ela, mas principalmente pelo seu temido destino.

Agora que a mãe morrera, sua guarda iria para o pai, alguém que Keelie mal conhecia e que as abandonara quando ela era uma criança. Ela não queria nada disto, mas sem poder impedir, acaba indo parar no colorado, no Festival da Renascença de Montanha alta. Zekeliel Heartwood, Zeke, vivia na floresta e evitava ao máximo o contato com a civilização. Nos festivais ele fabricava e vendia seus móveis, as pessoas encenavam a idade média, com suas roupas e seus jogos.

Keelie se recusa a aceitar o pai, ou a pensar em viver naquele festival renascentista idiota, ela pensa em fugir e voltar para sua casa. Para piorar vive sempre encharcada, suas malas extraviaram no avião e ela precisa se conformar em vestir aquelas fantasias horrorosas.

Tudo a irrita, principalmente a proximidade da floresta – ela era alérgica a árvores desde criança-, as roupas ultrapassadas, a lama, a chuva e aquelas pessoas estranhas. Logo que ela chega percebe que ali tudo é diferente. Algumas pessoas usam orelhas pontudas "falsas" e ela consegue se comunicar com as árvores. Desde criança sempre que tocara em um móvel ela sabia, qual era a madeira e de onde vinha aquela arvore. Ali, seus problemas aumentaram, ela não entende nada.

Lá ela conhece Lord Sean do Bosque, o cavaleiro mais bonito do lugar, mesmo que usasse aquelas orelhas estranhas e participasse daquela idiotice. Junto com ele está sempre a odiável Lady Elia, a cachinhos dourados. No festival também estão Sir Davey, o anão, e Knot, o gato estranho e cheio de personalidade de seu pai. Ela faz amizade com Raven, uma moça mais velha e que parece compreender melhor seus problemas.

Keelie precisa aprender a conviver com o pai, descobrir sobre suas origens e sobre seus estranhos "poderes". Sem entender nada, continua negando tudo ao seu redor, continua querendo escapar para sua vida antiga e deixar tudo aquilo para trás.

Este foi um livro difícil de avaliar, depois que terminei a leitura troquei várias vezes a nota no skoob de 4 para 3 e vice-versa. Queria poder dar 3,5 porque a ideia do livro é muito legal, mas várias coisas não me conquistaram. Continuo em crise com a nota do Skoob como vocês podem perceber rs.

Eu gostei da proposta, do enredo e da narrativa das autoras. Gostei do povo da floresta, das pessoas divertidas do festival e dos poderes dos elfos. Porém, muita coisa não foi bem desenvolvida, acho que a série promete, mas ao primeiro livro faltou amadurecer a historia.

Engraçado que nos livros de fantasia temos o costume de reclamar daqueles amores à primeira vista, daquele moço perfeito e apaixonado. Aqui não tem quase nenhum romance e isto fez falta na historia. Lord Sean chega como a promessa de romance, o mocinho lindo que encanta a protagonista, porém ele mal aparece na historia, não da bola para a menina e mesmo assim ela pensa nele em todos os momentos. Não gostei do personagem e nem do pseudo romance.

Falando de personagens adorei Knot e Sir Davey. O primeiro é um gato cheio de personalidade, o personagem mais divertido da historia. O segundo é cheio de sabedoria e muito interessante. A protagonista é a típica adolescente sofredora... perdeu a mãe, não aceita  a ideia de gostar do pai e transforma tudo em um grande drama. Queria sacudir e estapiar Keelie no decorrer da historia, em partes eu entendia o choque cultural da menina, em outras eu acho que ela não acordava nunca.

O vilão da historia também não ficou muito delineado, assim como seus propósitos. Achei isto confuso, mas não vou detalhar para não contar muito para vocês. Espero mais da continuação, mas não pensem que não gostei, adorei a ideia da autora e me encantei pelo mundo mágico criado. 

Acho que o livro irá dividir as opiniões, tem gente que irá adorar e outros que não gostarão do desenvolvimento do enredo. Quem leu me conte o que achou, eu apesar dos pontos negativos devorei o livro e espero mais da continuação.

Folk Trilogy de Gillian Summers
  1. A filha do pastor das árvores (The tree shepherd’s daughter)
  2. No coração da floresta (In to the wildewood)
  3. O segredo da floresta do pânico (The dread florest’s secret).
Avaliação (1 a 5):

Postar um comentário

Posts Recentes

  © Viagem Literária - Blogger Template by EMPORIUM DIGITAL

TOPO