target="_blank">Some alt text
Promoções
target="_blank">Some alt text
Viaje com as séries
target="_blank">some alt text
Viaje comigo
target="_blank">some alt text
Ofertas Submarino
target="_blank">Some alt text
Os melhores do ano
target="_blank">Some alt text
Viajando no mundo das cores

O inverno das fadas - Carolina Munhóz

>>  terça-feira, 4 de setembro de 2012

MUNHÓZ, Carolina. O inverno das fadas. Rio de Janeiro: Editora Casa da palavra, 2012. 304p.

“A sombra do homem atravessou o corpo do rapaz. Eles novamente a tomou nos braços e pressionou os lábios carnudos contra os dela. A Leanan não lutava, apenas apreciava. Quando o beijo terminou, sem dizer uma única palavra, se despediram em silêncio. Ele sentiu o coração apertado e a famosa falta do ar... Ela... Fingiu não sentir a mesma coisa.” p. 45

Quem acompanha o blog sabe que eu amo livros de fantasia, e as fadas são um dos meus seres de literatura fantástica preferidos; por este motivo também vou ficando mais exigente quando fala-se do assunto. O livro de hoje é uma mescla de romance, fantasia e mitologia celta. Conheçam O inverno das fadas da brasileira Carolina Munhóz.

Sophia Coldheart é uma fada, mas a moça é muito mais do que uma bela e delicada fadinha com lindas asas e beleza estonteante. Sophia é uma Leanan Sidhe (Wikipédia), uma fada-amante, a inspiração dos artistas. Sua incrível beleza se assemelha a de uma moça de 18 anos para os mortais, mas ela já viveu muito mais do que isso. No Outro Mundo, onde vive com seu avô, sua beleza é eterna, lá ninguém envelhece ou adoece.

Como uma Leanan Sidhe, Sophie deve cumprir seu papel na ordem de todas as coisas para continuar vivendo, seu papel é triste e solitário, embora ela seja sempre amada e admirada pelos artistas apaixonados que conquista. A fada é capaz de inspirar e transformar seus artistas em lendas, em sucesso absoluto. Sua energia já influenciou cantores, atores e escritores. Eles se tornaram lendas, mas também tiveram uma vida muito breve. Ela os leva ao topo, mas no caminho suga a energia de seus amantes, e mais cedo ou mais tarde, leva-os ao desespero e depois a morte.

Quando Sophia conhece William Bass, um jovem escritor de uma pequena cidade da Inglaterra, já está cansada de sua sina. Ela não quer mais conquistar jovens corações e depois levá-los a morte, ela tem dúvidas sobre seu papel neste mundo. Mas seu avô acaba convencendo-a a encontrar William, ela é toda família que lhe restou. Sua mãe se casou com um elfo, e como uma Leanan acabou causando sua morte e morreu logo depois. Ela é tudo para o avô e precisa da energia dos homens para viver.

Quando resolve encontrar William no mundo mortal, algo diferente acontece. Não é só ele que fica louco por ela e caído de amor. Ela também começa a se apaixonar. Porém, Sophia sabe do destino daquele mortal, por mais que ela o ame, ele vai acabar morrendo, como todos os outros.

~~~~

Inicialmente eu achei a trama muito diferente, pois o mito em cima das Leanan Sidhe é extremamente interessante. Uma fada capaz de oferecer aos artistas inspiração ilimitada e muito sucesso em sua obra; em troca de seu amor e de sua energia vital. E inconscientes do perigo, os homens se apaixonam perdidamente por aquela bela mulher levando-os a uma vida de muito sucesso, mais com uma morte prematura. A protagonista é atormentada por sua sina, acaba se apaixonando por um humano e sabe que o destino de Will, será o mesmo de muitos outros.

Desde o começo da historia eu temi pelo final, eu me perguntava se a autora seguiria a mitologia que criou ou se faria algo e cederia aos apelos dos “finais felizes”. Eu posso dizer que o livro não teve o final que eu gostaria, o desfecho deixou muito a desejar, mas não tem como falar do assunto sem spoilers, então quem já leu me conte o que achou do livro. Aquela filosofia de perdoar para seguir em frente, aquela coisa toda que bandeia para o lado do espiritismo não me atrai na literatura de fantasia.

A narrativa é leve e falando apenas do cerne do enredo, eu me envolvi com a historia e gostei do desenvolvimento. O romance dos dois tem tudo de surreal, ela aparece para ele em sonhos, quando se encontram só ele a enxerga, e ele sabe que ela é um ser do outro mundo, uma fada, só não sabe que ela também é uma fada perigosa. O romance é bonito e com algumas cenas bem hot. O poder de atração de Sophia, combinado com o trágico destino que espera por Will me conquistaram.

Por outro lado, vejo que alguns personagens mereciam mais destaque e fariam toda a diferença no livro. O padre da cidade, a ex-namorada gótica, a fada lésbica, o elfo apaixonado por Sophia. Todos eles poderiam ser mais bem desenvolvidos e enriquecer o enredo, saindo do foco central que ficou apenas no casal protagonista. O mundo das fadas também foi mal explorado, uma pena, porque acredito que daria outro peso ao livro, me lembrei até de A dança das florestas, um dos melhores livros do estilo, exatamente por saber explorar o universo onde a historia se passa.

As muitas referências a cultura pop, as frases dos capítulos e citações de músicas em inglês foram outro aspecto do qual não gostei. Bom, durante o livro somos apresentados as vítimas anteriores de Sophia, e é clara a ligação deles com artistas reais e muitos famosos que faleceram no último ano. Eu lia e lembrava do Michael Jackson, da Amy Winehouse, do ator Heath Ledger, entre outros. Eu achei de mal gosto, e olha que eu sou lerda nem sou ligada a cultura pop, então com certeza outras pessoas reconheceriam as ligações bem mais do que eu.

Além disso, vi algumas incongruências e falhas de continuidade que me incomodaram muito. Por exemplo, uma hora fala-se como a fada custou para subir uma colina cheia de pedras, ai no outro ela sai voando pela janela. Ok, se ela pode voar porque ela não voa o tempo todo? Em outra parte ela reclama das roupas complicadas que precisa usar na terra, já que os decotes precisam ser enormes para acomodar suas asas e que gastava muita energia para escondê-las. Mas porque ela se preocupava com isso, se estava invisível para todos menos Will quase o tempo todo?  São alguns exemplos, mas algumas passagens causaram estranhamento e, para mim, poderiam ter sido corrigidas com uma revisão bem feita. Como resultado alguns capítulos ficaram confusos e acabei achando a narrativa pobre.

Para resumo da conversa, eu esperava bem mais do livro. Acredito que o leitor mais exigente também encontrará falhas no enredo. Eu amei a capa, foi um dos livros mais vendidos das Editora Leya na Bienal SP e tem muita gente amando a historia. Então leia e tire suas próprias conclusões.

Avaliação (1 a 5):

Postar um comentário

  © Viagem Literária - Blogger Template by EMPORIUM DIGITAL

TOPO