target="_blank">Some alt text
Promoções
target="_blank">Some alt text
Viaje com as séries
target="_blank">some alt text
Viaje comigo
target="_blank">some alt text
Ofertas Submarino
target="_blank">Some alt text
Os melhores do ano
target="_blank">Some alt text
Viajando no mundo das cores

Leviatã: A missão secreta - Scott Westerfeld

>>  quarta-feira, 23 de janeiro de 2013


WESTERFELD, Scott. Leviatã: A missão secreta. Rio de Janeiro: Editora Galera Record, 2012. 366p. (Leviatã, v.1). Título original: Leviathan.

“Com certeza os alemães e seus parceiros austríacos não eram tão estúpidos a ponto de começar uma guerra apenas porque um aristocrata qualquer tinha sido assassinado. Os mekanistas eram como a mãe de Newkirk. Eles tinham medo de espécies fabricadas e idolatravam suas máquinas mekânicas. Será que pensavam que a multidão de andadores e aeroplanos seria páreo para o poderio darwinista da Rússia, França e Grã-Bretanha?” p. 102

Conhecido no Brasil, especialmente, pela série Feios o autor Scott Westerfeld deixa o gênero distópico de lado e cria sua nova trilogia no estilo steampunk. Ninguém pode negar a versatilidade do autor, Scott tem também publicada no Brasil a série Vampiros em Nova York e Midnighters (um sobrenatural mais sombrio), mas como não li as outras não posso dar uma opinião melhor. Bom, para quem não conhece, steampunk é um subgênero da ficção científica ambientando em acontecimentos do passado, mas nos quais invenções tecnológicas modernas já existiam (ver Wikipédia). Confira mais na resenha de hoje, com o primeiro volume da trilogia: Leviatã: A missão secreta.

Entre 1914 e 1918 aconteceu o conflito que ficou conhecido como Primeira guerra mundial. Entre outros motivos, um evento em especial culminou no início do conflito - ou serviu de desculpa para tal, o assassinato do arquiduque Francisco Fernando herdeiro do trono do império Austro-húngaro. Esta é a base da nossa historia.

As potências europeias estão munidas de armamentos impressionantes para esta batalha, de um lado os mekanistas alemães investem em suas máquinas gigantes e modernas, movidas a combustível. De outro lado, os darwinistas ingleses contam com poderosos animais, fabricados e modificados geneticamente.

Aleksandar Ferdinand, 16 anos, príncipe do império austro-húngaro sabe que a guerra está prestes a começar, mas não sabia que sua família seria pivô deste evento. Acordado no meio da noite pelo homens de seu pai, o adolescente é informado de dois tristes fatos: seus pais foram assassinados, e ele precisa fugir se quiser sobreviver. Alek parte então para uma fuga alucinante em um ciclope Stormwaler, ele precisa aprender a pilotar, precisa fugir e se esconder. Motivos políticos e familiares não permitiram que ele fosse o legítimo herdeiro do trono, seu pai desposara uma “plebeia”, mas mesmo assim, seus inimigos o queriam morto.

As maquinas dos mekanistas são impressionantes, Alek rapidamente aprende a controlar o Storm, um andador como nenhum outro, acoplado de canhão e metralhadoras. Mas ele é apenas um garoto, não entende o que está acontecendo e só quer fazer o que é certo.

Do outro lado da batalha conhecemos Deryn Sharp, 15 anos, uma menina que sempre sonhou em pilotar como o pai. Mas não espalhe isso por ai, para todos ela é Dylan Sharp, um aspirante da Força Aérea Britânica. Dylan perdeu o pai em um acidente, e quer seguir seus sonhos, porém as mulheres não são permitidas no exército, e então, ele se disfarça de menino e consegue  iniciar seu treinamento. Porém precisa tomar muito cuidado, ninguém pode saber sua verdadeira identidade.

Dylan está com os darwinistas, com seus estranhos animais modificados. O mais impressionante deles é o Leviatã, uma baleia-zepelim, um monstro poderoso que só precisa estar vivo para voar. O Leviatã conta também com seus perigosos gaviões, seus morcegos cheios de dardos e muito mais. 

O caminho de Alek e Dylan irá se cruzar, e se inicia uma emocionante aventura em plena guerra.

~~~~~~

Estou achando este gênero muito interessante, a forma como o autor mistura a historia real com a fantasia. Ele insere personagens reais, e mistura no meio do enredo, foi muito interessante conhecer as invenções de Darwin e dos Mekanistas na guerra. E Scott escreve muito bem, seu enredo é cheio de aventura e ação e as coisas realmente acontecem, eu não tenho aquela sensação de que o autor está economizando acontecimentos para a sequência.

E os dois protagonistas são diferentes e muito fofos, cada um a sua maneira. Alek é educado e maduro, um rapaz que quer fazer o melhor para proteger seus aliados e que pensa muito para sair de várias enrascadas. Ao mesmo tempo, sua inocência e sua criação real acabam por entregá-lo em alguns momentos, colocando todos de seu grupo em perigo. Ele está perdido, sofrendo pela perda dos pais e sem saber como será seu futuro.

Dylan ou Deryn é cheia de atitude e não mede palavras, a menina é inteligente, esperta e faz de tudo para escapar de qualquer enrascada. Ela fala demais, encara qualquer perigo de frente e é muito corajosa. Tanto que ninguém desconfia que Deryn não é um menino, eu me diverti muito nos diálogos com ela.

As maquinas mekanistas não surpreendem tanto, já vimos muito disso nos filmes de ficção científica e fora que hoje isso seria fácil de existir. Agora os bichos darwinistas são estranhos e nojentos. Imagina você andando dentro do estômago de uma baleia... viva?

“– Isto é... nojento. Nós estamos dentro de um animal!
– Sim, mas a lona de seus zepelins é feita de bucho de boi. É como estar dentro de um animal, não é? Assim como usar uma jaqueta de couro!
– Mas este animal está vivo!
– Verdade. E estar dentro de um animal morto é muito pior, se pensar bem. Vocês mekanistas são um bando de gente estranha.”

Não posso também deixar de comentar da edição perfeita, a capa em alto relevo é maravilhosa, no verso dela tem um mapa colorido maravilhoso e o livro todo é cheio de ilustrações muito legais.

O livro é o primeiro de uma trilogia, então vamos ver como serão as sequencias. Por enquanto eu não me apaixonei, mas adorei Leviatã. Uma coisa curiosa que me incomodou muito em Feios, é que o autor tem mania de repetir palavras à exaustão, e aqui eu percebi a mesma coisa; no final eu já estava cansada de ver Deryn dizendo monstrinho, aranhas berrantes e outras expressões.

Sem dúvidas eu indico para quem ama historia, para quem acha que não gosta – o livro é uma ótima maneira de começar; e acima de tudo, para quem ama uma boa aventura. Leiam!

Trilogia Leviatã do Scott Westerfeld
  1. Leviatã: A missão secreta (Leviathan)
  2. Beemote: A revolução (Behemoth)
  3. Goliath (ainda não lançado no Brasil).
Avaliação (1 a 5):

Postar um comentário

  © Viagem Literária - Blogger Template by EMPORIUM DIGITAL

TOPO