target="_blank">Some alt text
Promoções
target="_blank">Some alt text
Viaje com as séries
target="_blank">some alt text
Viaje comigo
target="_blank">some alt text
Ofertas Submarino
target="_blank">Some alt text
Os melhores do ano
target="_blank">Some alt text
Viajando no mundo das cores

Viajando no Mundo das Capas #15: Branca como o leite, vermelha como o sangue

>>  quinta-feira, 24 de janeiro de 2013


Vamos conferir mais capas das edições internacionais de certo livro? O livro de hoje é Branca como o leite, vermelha como o sangue, que a Nanda já resenhou aqui no blog.  

“Chega ao Brasil Branca como o leite, vermelha como o sangue, de Alessandro D’Avenia, o romance sobre o ano mais intenso na vida de um jovem, em que ele aprende a lidar com os próprios sentimentos e, consequentemente, com seu amadurecimento. Leo é um garoto de dezesseis anos como tantos: adora o papo com os amigos, o futebol, as corridas de motoneta, e vive em perfeita simbiose com seu iPod. As horas passadas na escola são uma tortura, e os professores, “uma espécie protegida que você espera ver definitivamente extinta”. Apesar de toda a rebeldia, ele tem um sonho que se chama Beatriz. E, quando descobre que ela está terrivelmente doente, Leo deverá escavar profundamente dentro de si, sangrar e renascer para a vida adulta que o espera. Um traço interessante na narrativa de D’Avenia é a técnica de utilizar cores para descrever os sentimentos e as sensações do menino Leo; por exemplo, o branco, sinônimo de solidão e silêncio: “O silêncio é branco. Na verdade, o branco é uma cor que não suporto: não tem limites. (...) Ou melhor, o branco não é sequer uma cor. Não é nada, é como o silêncio.” (p. 10) O leitor perceberá a transformação de um garoto com todas as características da juventude – rebelde, egoísta, egocêntrico – numa pessoa madura e responsável. Essa mudança começa a ser percebida quando Leo deixa de jogar o jogo decisivo do campeonato de futebol para cuidar de sua amiga doente. A convivência despertará nele o sentimento de cumplicidade e do verdadeiro amor, promoverá o debate do que é realmente o sonho e mostrará que, no crescimento emocional, é importante a presença de um orientador, um mentor.Branca como o leite, vermelha como o sangue não é apenas um romance de formação ou uma narrativa de um ano de escola: é um texto corajoso que, por meio do monólogo de Leo – ora descontraído e divertido, ora mais íntimo e atormentado –, conta o que acontece no momento em que, na vida de um adolescente, irrompem o sofrimento e o pesar, e o mundo dos adultos parece não ter nada a dizer.”

~~~~~


Brasil, Andorra, Albânia: Gostei apenas das duas primeiras capas. 


China, Bulgária, Alemanha: Não gostei da capa da China. E não gostei da forma que foi escrito o título na capa da Bulgária. 


Espanha, Holanda, Eslovênia: A duas primeiras são parecidas com a da Andorra e Bulgária. 


Portugal, Itália, Hungria: Achei a capa de Portugal bem bonita. Não achei essa capa da Itália muito bonita. 


Polônia, Turquia, Rússia: É... A capa da Polônia é OK. Não gostei muito da capa da Turquia, eles podiam ter trabalhado melhor nela. 

~~~~~

Bem, por hoje é isso. Qual capa vocês preferem? 

Querem sugerir um livro para essa coluna? Clique aquiVejo vocês semana que vem :) Abraços.







Postar um comentário

  © Viagem Literária - Blogger Template by EMPORIUM DIGITAL

TOPO