target="_blank">Some alt text
Promoções
target="_blank">Some alt text
Viaje com as séries
target="_blank">some alt text
Viaje comigo
target="_blank">some alt text
Ofertas Submarino
target="_blank">Some alt text
Os melhores do ano
target="_blank">Some alt text
Viajando no mundo das cores

Os assassinos do cartão-postal - James Patterson e Liza Marklund

>>  quarta-feira, 18 de junho de 2014

PATTERSON, James. MARKLUND, Liza. Os assassinos do cartão-postal. São Paulo: Editora Arqueiro, 2014. 304p. Título original: The postcard killers.

“Jacob Kanon, um detetive de homicídios da 32ª  delegacia do Departamento de Polícia de Nova York, estava muito longe de casa. Os assassinos o tinham levado até Berlim. Jacob os seguia havia seis meses, sempre dois passos atrás, talvez até três ou quatro.” p.18

Eu amo policiais, sempre que vejo um lançamento no estilo já fico toda empolgada. Com este não foi diferente, a capa e o título já logo me conquistaram. Hoje vou contar o que achei de Os assassinos do cartão-postal do James Patterson e Liza Marklund.

Casais felizes, recém-casados, jovens apaixonados em férias na Europa. A viagem dos sonhos, onde eles resolvem curtir cada minuto e aproveitar para viver novas experiências. Ledo engano, não é assim que eles aparecem quando encontrados, em algum quarto de hotel qualquer, onde o sangue é a principal decoração. Gargantas cortadas, mortes violentas e inexplicáveis. A polícia não tem pistas, eles ainda não descobriram um padrão.

Jacob Kanon, detetive da polícia de Nova York, sabe que não são crimes aleatórios. Ele vem perseguindo os assassinos há tempos, seguindo rastros frios pelas cidades Europeias, vivendo para conseguir justiça. Ele consegue ver um padrão, mas não consegue enxergar o quadro completo. Primeiro eles escolhem um repórter qualquer na cidade, aí eles enviam um cartão postal. Um ponto turístico, uma frase misteriosa. Em seguida o mesmo repórter recebe uma foto, um casal morto estampa a imagem grotesca. Jacob é um homem torturado desde que Kimmy, sua única filha, se tornou uma das vítimas.

Em toda a Europa casais são encontrados mortos com a garganta cortada. Estocolmo é a próxima cidade escolhida. Ele sabe que nunca esteve tão próximo dos crimes, mas a polícia não demonstra interesse naquele homem alucinado, um policial do outro lado do mundo se metendo onde não deve. A jornalista Dessen Larsson acaba de receber um cartão-postal. Ela não sabe porque foi escolhida, não entende como acabou metida nessa confusão, mas quer ajudar.

E é assim, que um detetive aparentemente decrépito e uma repórter desconhecida, unem forças para descobrirem pistas que levem aos culpados.

~~~~~~~

A trama é boa, a história é rápida e interessante. Eu teria adorado, se não tivesse achado motivos para não acreditar no desenvolvimento. Valeu a leitura, porém, acho que é um policial ótimo para iniciantes no gênero, mas que não irá conquistar os leitores mais exigentes e que já leram muitos thrillers.

Gostei de Jacob e Dessen, uma dupla improvável e marcada por vidas difíceis. Jacob o pai amargurado, inconsolado com a perda da filha. Ela a jornalista disposta a ajudar e nem um pouco preocupada em conseguir a manchete, algo bem incomum na profissão. Os dois desprezados pela força policial, correndo por fora para tentar pegar os assassinos.

Agora a polícia, é inacreditavelmente incompetente! Os crimes são chocantes e marcam a Europa, Interpol e várias outras agências estão envolvidas na investigação... e ninguém tem pistas. Achei tudo muito difícil de acreditar. Ok, eles limpam as cenas e não deixam pistas e digitais, são inteligentes e frios. Mas eles não analisam os últimos passos das vítimas, demoram séculos para descobrir que um casal estava envolvido. Não olham cartão de crédito, câmeras de vídeo, nada. Até que Jacob entra em cena, e começa a mostrar o óbvio.

Aí tem os suspeitos, não vou contar muito para evitar spoilers. Mas tem uma chave e a polícia nem tenta descobrir o que ela abre. Eles não verificam os antecedentes da dupla, nada! Simplesmente não me convenceu, até um policial novato agiria melhor que todas estas agências da Europa.

E o casal de assassinos, bla, estereótipo vazio e sem graça. Não tem sentido, os personagens são extremamente mal construídos e uma combinação de clichês que não deram certo.

Engraçado que eu li do autor 1° a morrer e amei, tenho vários da série Clube das mulheres contra o crime esperando na estante. Mas o que eu tentei ler do autor depois disso, não funcionou para mim. Este eu não achei péssimo, mas é fraco se você começa a pensar no que está lendo.

Como eu disse, indico para quem não lê muito do gênero. Quem ama policial e é mais exigente , acho que irá se incomodar com os problemas na investigação. Apesar disso, o mote principal com os cartões-postais e casais sendo mortos é muito interessante. Gostei da premissa, mas esperava bem mais da trama. Quem leu me conte se gostou. ^^

Avaliação (1 a 5):

Comente e concorra ao Kit Top Comentarista de Junho preenchendo o formulário!

Postar um comentário

  © Viagem Literária - Blogger Template by EMPORIUM DIGITAL

TOPO