target="_blank">Some alt text
Promoções
target="_blank">Some alt text
Viaje com as séries
target="_blank">some alt text
Viaje comigo
target="_blank">some alt text
Ofertas Submarino
target="_blank">Some alt text
Os melhores do ano
target="_blank">Some alt text
Viajando no mundo das cores

Escravas de coragem - Kathleen Grissom

>>  quarta-feira, 23 de julho de 2014

GRISSOM, Kathleen. Escravas de coragem. São Paulo: Editora Arqueiro, 2014. 336p. Título original: The kitchen house.

“- Abinia, uma coisa eu sei. Qual é a cor da pessoa, nem quem é o pai, nem quem é a mãe, nada disso quer dizer nada. Nós é uma família, cuidando um do outro. A família deixa a gente forte nas hora de aperto. A gente fica tudo junto, ajudando um ao outro. É esse o verdadeiro sentido de família. Quando ocê crescer, vai levar esse sentimento de família dentro do peito.” p.147

Este livro me chamou a atenção quando bati o olho na capa e fui ler com uma expectativa enorme. A frase de capa “A história de uma escreva branca e e o amor inabalável por sua família negra” me fisgou completamente. Abordando a segregação racial nos EUA no final do século XVIII e início do XIX conheça Escravas de Coragem da Kathleen Grissom.

Lavinia não se lembrava de nada da sua vida de antes, na Irlanda com os pais e o irmão mais velho. Eles embarcaram em um navio para os EUA, em busca de uma vida melhor. Os pais morreram na travessia, o irmão foi vendido e ela, levada pelo capitão James Pyke para sua fazenda na Virgínia. Foi em 1791 e ela tinha 7 anos.

Belle não recebe com bons olhos aquela menina branca em sua cozinha, aquele trapinho de gente que só sabia vomitar tudo o que comia, parecia que a menina não iria vingar. E aos 18 anos, ela já tinha problemas suficientes. Filha ilegítima do capitão, Belle é uma escrava mestiça, sem saber ao certo onde é seu lugar no mundo. O capitão promete lhe libertar, sempre lhe trás presentes, mas nunca cumpre o prometido. Ela também não quer ir embora, aquela é a sua casa, os negros que trabalham na casa grande são sua família.

Mama Mae e Papa George acolhem Lavinia como uma de suas filhas, cuidam da menina assustada, tratam ela como igual, um deles. Alguns anos depois, Lavinia não consegue entender o que nela é diferente, sua pele branca vive afastando-a das pessoas que ama.

“-Abinia - disse ele, apontando para as galinhas -, olha praquelas ave. Umas é marrom, umas é branca e preta. Ocê acha que, quando ela têm pintinho, aquelas mamães e papais se incomoda com isso?” p.29

A medida que Lavinia cresce, ela começa a ser tratada de forma diferente, sendo acolhida na casa grande para ajudar a esposa do capitão, vítima da dependência do ópio. D. Martha piorava quando o capitão fazia suas longas viagens, e seu ódio por Belle, que ela acreditava ser amante do marido, sempre assustava a todos. Seu filho, Marshall, também estava crescendo, e se tornava perigoso. Já adolescente começou a andar com o capataz, vivia bêbado e fazendo ameaças. Belle precisava sair dali, antes que fosse tarde demais.

Assim se inicia a saga desta família, que ao longo de 19 anos se amaram e se apoiaram, acima de qualquer coisa. Lavinia ficará dividida entre dois mundos, a escravidão e a liberdade. Suas escolhas trarão consequências para a vida de todos.

~~~~~~~

Minhas expectativas estava nas alturas, e talvez por isso eu não tenha amado como esperava, embora tenha gostado muito da leitura. Na capa comparam com E o vento levou..., eu esperava algo mais parecido com  A resposta, protagonistas fortes que contestassem a situação em que viviam e lutassem por mudanças. Encontrei um romance triste, uma história de pessoas que se uniram por amor e uma comovente luta pela sobrevivência. Porém, a história não surpreende, e duas coisas não me conquistaram, Lavinia e o final.

Eu me apaixonei pela força e pela perseverança de Mama Mae, pela tenacidade do Papa George e pela coragem da Belle. Mas Lavinia vai decaindo durante o livro, no começo ela era apenas uma criança, cresce e se torna parte daquela família. Porém, a Lavinia já adulta não acerta uma. Ela é extremamente fraca e sem atitude; mesmo tendo consciência da impotência dela por ser apenas uma mulher, em uma época onde os homens faziam o que bem entendiam, me irritou muito!  A narrativa se alterna entre ela e Belle, deixando clara a diferença de oportunidades de futuro entre as duas, baseada na cor da pele de cada uma.

Agora o final, o problema não foi o que aconteceu, foi que o início e o meio do livro são mais interessantes que o final em si. Os acontecimentos finais tiveram pouco apelo emocional para mim, eu comecei tão empolgada e estava adorando, aí achei o final meio morno. E fora que faltou um epílogo, mas eu sempre falo isso, sou fissurada com finais redondinhos.

A história contada é triste e bem marcante, como todos os livros que tem como foco a segregação racial. Não tem como não mexer com o leitor, toda aquela luta, toda aquela dor. A autora aborda situações como abuso sexual, incesto, morte, traição, dependência química, etc. Eles trabalhavam e trabalhavam sem reclamar, em troca, recebiam mais sofrimento. E olha que eles eram os negros privilegiados, os criados da casa grande, onde não faltava comida ou algum conforto, a situação dos negros do campo era infinitamente pior. Impossível não odiar os brancos responsáveis por tudo isso, ou por maldade, no caso do capataz e do filho do capitão, ou por falta de atitude, como o capitão e sua mulher.

Apesar de eu não ter amado como esperava, é uma leitura emocionante, que eu indico aos fãs de romances históricos nesse estilo. Leiam!

Avaliação (1 a 5): 3.5

Comente, preencha o formulário e concorra ao Kit Top comentarista do mês de julho!

Postar um comentário

  © Viagem Literária - Blogger Template by EMPORIUM DIGITAL

TOPO