target="_blank">Some alt text
Promoções
target="_blank">Some alt text
Viaje com as séries
target="_blank">some alt text
Viaje comigo
target="_blank">some alt text
Ofertas Submarino
target="_blank">Some alt text
Os melhores do ano
target="_blank">Some alt text
Viajando no mundo das cores

Deus não abandona - Vanda Amorim

>>  terça-feira, 25 de novembro de 2014

AMORIM, Vanda. Deus não abandona. São Paulo: Globo, 2011. 254p.

“-Meu Deus, a minha busca deveria ter sido silenciosa, pois eu só tenho dúvidas, não tenho certeza de absolutamente nada. E se for um engano? Por que duvidei?” p.79

Há alguns anos li um romance da brasileira Vanda Amorim e adorei, Crocodilo sonhador. Quando este livro foi lançado, em 2011, recebi um exemplar da autora, mas a sinopse não me atraiu como o anterior e acabei deixando para depois. Até que o escolheram como minha leitura desse mês no Clube dos chocólatras e hoje conto para vocês o que achei de Deus não abandona.

Norah era a mais velha de três irmãs, filhas de pais muito pobres a família passou por muitas dificuldades no interior da Espanha. Desde cedo aprendeu a ajudar os pais e a cuidar da irmãzinha mais nova, Marian. A irmã do meio, Vivian, se sentia um pouco esquecida, não tinha a responsabilidade da mais velha nem demandava cuidados como a mais nova, que precisava urgente de um transplante de rim. Norah tinha muita fé em Deus, e acreditava que a irmã ficaria melhor. Os cuidados com a irmã levaram Norah a sonhar com uma carreira na área de saúde. Estudiosa desde pequena e apaixonada pelos livros, ela estudou muito para ser enfermeira, e mais tarde para se tornar médica.

Anos depois, conhece Ollavo no hospital em que trabalha, ambos sentem uma atração imediata, mas havia empecilhos para que eles ficassem juntos e acabam sufocando esta paixão. Norah sempre foi uma boa pessoa e merecidamente conquistou uma carreira, boas condições financeiras e um bom marido. Quando seu filho, Lorenzo, é sequestrado e a polícia não encontra nenhuma resposta, Norah coloca em cheque tudo aquilo em que sempre acreditou, inclusive sua fé em Deus.

~~~~~~~

A autora tem uma narrativa mais erudita, domina a gramática muito bem e se diferencia bastante de outros autores nacionais nesse sentido. A prosa é bem articulada e é clara a preocupação com as normas da nossa língua. Que a Vanda escrevia bem eu já sabia, este livro mantém esta qualidade, já o enredo não me conquistou como Crocodilo sonhador.

Apesar de abordar temas interessantes como sequestro, violência e abuso sexual e também de explorar sentimentos como amor, fé, inveja, mentira e amizade, o desenvolvimento da trama não me prendeu. Nem os personagens. Norah é santinha demais, boa demais e incapaz de enxergar maldade nas pessoas ao seu redor. Citou-se excessivamente o quanto ela era boa, linda e inteligente e isso e aquilo, foi cansativo. Os homens também não me chamaram a atenção, Ollavo era um cara bom e ponto. A família de Norah foi muito bem apresentada no início, mas depois são deixados de lado. Não conta-se o que aconteceu com suas irmãs já adultas e pelo tanto que ela era dedicada a família, achei uma falha não falar nada sobre ninguém, só sobre a Norah. O personagem que aparece na segunda parte do livro, João, passa por poucas e boas e sua história é comovente, mas para mim não fluiu. Na verdade foi isso, o livro não fluiu. Não tive aquela sensação gostosa de virar a página, não estava curiosa para saber o que iria acontecer e o final não trouxe surpresas.

E como sou exigente com suspense/policial esta parte achei muito furada. Tanto de não acharem pista nenhuma sobre o Lorenzo, como a parte do Inácio lá passar anos fazendo o que fez com pessoas diferentes e a polícia não descobrir nada.

Agora, como citei no início, sempre achei que este livro não era para mim, tanto que recebi em 2011 e ao ler a sinopse deixei na estante esperando um bom momento. Eu não sou religiosa e por isso toda a parte relacionada a fé, de que Deus não abandona e etc, que deve comover muitos leitores, não mexeu comigo. Na verdade, confesso, o que fiquei pensando depois do pobre coitado do menino comer o pão que o diabo amassou era que “imagina se abandonasse”. :P

Por tudo isso não devo ser a melhor pessoa para falar do livro, mas para mim não funcionou. Quem leu me conte o que achou. ^^

Avaliação (1 a 5):

Comente e concorra ao Kit Top comentarista de novembro, preencha o formulário!

Postar um comentário

  © Viagem Literária - Blogger Template by EMPORIUM DIGITAL

TOPO