target="_blank">Some alt text
Promoções
target="_blank">Some alt text
Viaje com as séries
target="_blank">some alt text
Viaje comigo
target="_blank">some alt text
Ofertas Submarino
target="_blank">Some alt text
Os melhores do ano
target="_blank">Some alt text
Viajando no mundo das cores

Viaje com as séries #139 – A dor do cancelamento

>>  segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

A época de definição se as séries continuam ou não na próxima temporada, geralmente, é tensa. Será que a nossa queridinha que deu uma bambeada na audiência conseguirá sobreviver nesse mundo onde apenas números altos e lucros importam? E aquela novata que te impressionou, será que vinga? No entanto, há também a parte positiva – como em tudo na vida -, é nessa hora que aquela série que já deu o que tinha para dar pode ser finalmente cancelada e você poderá se livrar dela sem peso na consciência – como comentado na semanapassada.


Mas quando a gente gosta, o cancelamento é terrível, triste, desolador. Por alguns instantes a vida fica um pouco mais triste. Algumas deixam uma marca eterna, como Gilmore Girls para mim. Minha série favorita de todos os tempos. Saudades eternas. Quero mais. Volta, por favor. Opa, saí do assunto.
Semana passada tive que me despedir de uma série que me surpreendeu: Selfie. Não dava nada por ela, até assistir e me apegar extremamente com os personagens, principalmente Eliza e Henry. Era muito legal a química entre os dois e aquela parceria mútua poderia render muito mais, Henry ensinando Eliza a ser mais social no mundo real e a dar menos importância aos likes “internéticos” e Eliza ensinando Henry a ser sociável mesmo, menos certinho ao extremo.


Aliás, um era o completo oposto do outro e por isso podiam mostrar coisas que o outro não via. Aí a audiência não rendeu o que deveria e a série foi cancelada, teve apenas 13 episódios exibidos. Não terminou redondinho, mas terminou legal. Não colocaram o carro na frente dos bois, como falamos por aqui no Sul, fecharam do jeito certo, porém, com assuntos em aberto. O que me deixou com mais vontade ainda de ter episódios extras. #xatiada #sério #quemaldade
Falando nisso, uma das partes mais chatas do cancelamento, além do cancelamento em si, é quando a decisão é tomada do nada e a trama não tem um final adequado, simplesmente para. Que porcaria das trevas!!! Aí você acompanhou a série, às vezes por mais de uma temporada, e simplesmente acaba. Witches of East End foi assim, por exemplo, a segunda temporada acabou de um jeito “uau, não vejo a hora de desvendar isso na próxima temporada” e tcharam, foi cancelada! Acabou, se eu queria respostas já era. Pode ser que encontre nos livros em que a série foi baseada, mas tirando pelo primeiro livro, a série andou por um caminho diferente e aí? Aí a gente esquece, fazer o quê?


Bom mesmo é quando a série ganha a chance de acabar do jeito certo, fechando as histórias, juntando as pontas. Assim aconteceu com Fringe, acontecerá com Glee e também com a minha queridinha de agora, Parenthood – oi, Lorelai que agora é Sarah, ficarei sem te ver de novo. Vários comentários apontavam que a série que conta com Lauren Graham no elenco acabaria na temporada passada, mas graças aos deuses serialísticos o povo deu a chance de fazer uma temporada final. Assuntos pendentes poderão ser resolvidos e muita emoção ainda rolou e rolará. Essa semana o último episódio será exibido e tenho certeza que vou chorar litros, porque em todo episódio eu me emociono, na despedida será quase perda total da minha dignidade. Quem gosta de drama precisa assistir, é uma das melhores.


Ficar sem alguns dos personagens favoritos não é fácil, a recuperação é demorada, por vezes dolorosa, mas sempre acabamos encontrando outra pessoa legal, que vale a pena admirar e ficar do lado – porque nunca substitui – daquele que não veremos mais.

Conta pra mim, qual cancelamento mais fez você sofrer até hoje?


Postar um comentário

Posts Recentes

  © Viagem Literária - Blogger Template by EMPORIUM DIGITAL

TOPO