target="_blank">Some alt text
Promoções
target="_blank">Some alt text
Viaje com as séries
target="_blank">some alt text
Viaje comigo
target="_blank">some alt text
Ofertas Submarino
target="_blank">Some alt text
Os melhores do ano
target="_blank">Some alt text
Viajando no mundo das cores

A fazenda - Tom Rob Smith

>>  quinta-feira, 9 de abril de 2015

SMITH, Tom Rob. A fazenda. 1 ed. Rio de Janeiro: Editora Record, 2015. 334p. Título original: The farm.

“Esses boatos consistirão basicamente em mentiras. Mas não importa que sejam mentiras, porque quando você mora em uma comunidade que acredita nessas mentiras, repete essas mentiras, as mentiras se tornam reais – reais para você, reais para os outros. Você não tem como escapar delas, porque não é uma questão de provas, é maldade, e maldade não precisa de provas.” p.131

O inglês Tom Rob Smith é conhecido pelo aclamado Criança 44, primeiro livro de uma trilogia policial que se passa na Rússia, após a Segunda Guerra Mundial; a narrativa bem desenvolvida, baseada em fatos reais e com uma ampla abordagem psicológica, destaca o livro entre outros do gênero. E claro, seu novo livro no Brasil foi para o topo da minha lista. Hoje conto para vocês minha opinião sobre A fazenda.

Daniel levava uma vida tranquila na Inglaterra ao lado de seu parceiro, suas maiores preocupações, além da crescente falta de trabalho, era a oportunidade e a coragem, para contar aos pais sobre seu relacionamento com Mark. Seus pais haviam se aposentado e resolvido se mudar para uma região rural da Suécia, terra natal de sua mãe, Tilde. Ele vinha adiando a visita a fazenda há algum tempo. Ao receber um telefonema urgente do  pai, Chris, tudo o que ele sabia sobre os pais cai por terra.

O pai conta que a mãe não está bem, que teve um surto psicológico e está internada no hospital para doentes mentais. Daniel se assusta, a mãe sempre foi muito tranquila e racional, preocupado e prestes a entrar em um voo para a Suécia, recebe um telefonema da mãe, que afirma ter tido alta do hospital e que pai está mentindo. Diz que não é louca, que tem provas de que algo horrível aconteceu naquele lugar. No momento está a caminho de Londres, para lhe contar tudo.

De um lado o pai preocupado, afirmando que a mãe precisa de cuidados médicos. De outro a mãe desesperada, implorando para que ele escute seu relato e veja suas provas. A mãe afirma que seu pai é um mentiroso, pois faz parte de uma conspiração. Cabe a Daniel ouvir e tomar uma decisão.

~~~~~~~

O estilo é bem diferente de Criança 44, este é mais um thriller psicológico, que aos poucos apresenta a história de seus personagens. O suspense pode tanto ser real, como pode ser fruto de uma mente perturbada, cabe também ao leitor tomar um lado, decidir no que acreditar.

Narrado em primeira pessoa, por Daniel e por Tilde, o autor aos poucos vai apresentando o cenário da fazenda, dos moradores da região e do crime que pode ou não ter acontecido. A evolução é lenta, no início fiquei impaciente com a lentidão da narrativa; depois fui me apegando ao enredo e achei o final interessante. Me surpreendeu, foi diferente das teorias que criei no decorrer da história.

A parte psicológica é realmente o ponto chave. Várias questões são levantadas, em certo momento o leitor está cheio de interrogações. A abordagem é interessante. Daniel, júri e juiz da mãe, que só tem suas próprias palavras para provar algo. E desde o início, sabemos que ela pode não ser uma narradora confiável. O pai afirma que a mãe precisa de ajuda. Conspiração ou mania de perseguição?  O que Daniel deve escolher? Uma mãe louca ou um pai criminoso?

O mistério em torno dos personagens, verdade ou mentira, é muito mais interessante do que tudo que possa ou não ter acontecido na fazenda. São muitas as questões levantadas: Tilde está dizendo a verdade ou surtando? Se diz a verdade, como viveu ao lado de um homem e o amou por tantos anos? Se ela era tão calma e racional, como surtou em poucos meses? Se o pai diz a verdade, porque seu desespero em chegar até eles? Perguntas, perguntas. Aguardamos ansiosamente pelas respostas.

O final me conquistou, mas não amei o livro como um todo. Talvez pelo inicio lento, e também pela história contada minuciosamente pela mãe de Daniel não ser tão interessante. Sem dúvidas é um livro muito bem escrito, com um enredo diferente e intrigante. Ele precisa do momento certo para ser apreciado, precisa também de que o leitor saiba o que esperar, já que não é um thriller de ação como eu esperava pelo estilo do autor. Leiam!

Adicione ao seu Skoob!

Avaliação (1 a 5): 3,5

Comente, preencha o formulário e concorra ao Kit Top Comentarista de abril!

Postar um comentário

Posts Recentes

  © Viagem Literária - Blogger Template by EMPORIUM DIGITAL

TOPO