target="_blank">Some alt text
Promoções
target="_blank">Some alt text
Viaje com as séries
target="_blank">some alt text
Viaje comigo
target="_blank">some alt text
Ofertas Submarino
target="_blank">Some alt text
Os melhores do ano
target="_blank">Some alt text
Viajando no mundo das cores

Viajando no mundo das cores #16 - Dicas de materiais 2: Auxiliares

>>  quarta-feira, 26 de agosto de 2015


Dicas de materiais 2: Materiais auxiliares

Estou devendo essa segunda parte da coluna tem meses, que vergonha. Eu já falei sobre o mais importante nesse hobby, o lápis de cor. Mas além deles, tem muita coisa que vocês podem usar para conseguir um resultado melhor. Hoje vou falar das dicas mais simples e desses materiais auxiliares. Depois volto para falar para vocês sobre os materiais especiais.

O estilete versus o apontador
Quando comecei a colorir, minha irmã que estudou design, me ensinou a apontar com estilete. A vantagem do estilete é que gasta muito pouco lápis, além de você conseguir uma ponta bem mais fina para colorir espaços menores sem borrar. O apontador desperdiça muita mina, principalmente porque toda caixa tem algum lápis que vem quebrado, você aponta e ele já quebra de novo, com o estilete você consegue trabalhar com esses lápis problemáticos. A vantagem do apontador para mim é rapidez, lápis escolar, que eu não tenho dó de gastar, normalmente uso apontador mesmo, mas rápido e fácil. Esse apontador da Color’Peps é bem bom, gosto muito. Não gosto de apontadores elétricos, acaba com o lápis muito rápido. Tem aqui um tutorial para apontar com estilete.

O apontador Kum (via Hérida porque eu não tenho... ainda)
O Kum é um apontador de uso profissional, que possui 2 orifícios que apontam o lápis em duas etapas. Na primeira etapa (orifício 1) o apontador desbasta apenas a madeira, deixando a mina intacta, ou seja, o apontador não "gasta" a mina do lápis, pois só a madeira é retirada. Na segunda etapa, com a mina já exposta, afia-se a ponta do lápis, nessa etapa há um pequeno desgaste da mina, porém ela é opcional. O usuário afia a ponta apenas se desejar. Então o Kum economiza lápis. Ele vem também com duas entradas para apontar grafite e com duas lâminas extras para serem trocadas quando o apontador perder o fio. É um apontador caro, mas ele dura alguns anos. Compre aqui ou aqui.

Borracha e Lápis borracha
A borracha é essencial. Para apagar pequenas borradinhas para fora da linha, para dar mais luz quando você esquece de deixar pedaços mais claros ou a cor está mais escura do que você gostaria. Eu uso muito também quando faço fundo com giz pastel seco (vou mostrar nos materiais especiais), para apagar quando borra no desenho. O lápis borracha é ótimo para os detalhes e apaga mais, quando sai um risco para fora do desenho e coisas assim. Mas você tem que ter cuidado de limpá-los antes em uma folha de rascunho, senão ao invés de apagar você vai transferir cor para o papel e piorar a situação rs.

Prancheta
Vejo muita gente comentar que não consegue cores tão fortes sem forçar muito a mão, transferência para o papel não é força. É principalmente qualidade do lápis, técnica e aplicação. E uma dica essencial para isso é usar uma prancheta para dar firmeza no desenho que você está colorindo. Eu não pego no livro sem ela, é a folha, a prancheta embaixo e aí começo o trabalho. O bom é que também protege a folha debaixo, se você tiver usando tinta ou outros materiais que umedecem muito o papel, como cola glitter. Sim, eu uso de tudo que vocês imaginarem rs.

Pincel
As caixas de lápis de cor aquareláveis (Faber Castell, Color’Peps, Staedtler – que é um sonho por sinal) precisam de um pincel para você aquarelar depois de colorir. Quem só usa lápis seco (colore normal) não sabe o que está perdendo, aquarelar é um sonho e é bem fácil de aprender. Você pode misturar cores, deixar um espaço em branco para depois aquarelar e deixar a luz, colorir rabiscado e depois consertar aquarelando rs. Porém, os pinceis que vêm nas caixas são uma porcaria, todos eles. Eu uso um de maquiagem, o menor na foto, e esse maior da Tigre para fundo. Mas agora quase que só uso...


Aqua pen (Water Brush)
Gente isso é um sonho, quase nem uso mais o pincel. É uma espécie de caneta com um pincel na ponta, você enche de água e usa para aquarelar rápido e fácil. As canetas são encontradas em tamanho P, M e G, o que varia é a largura do pincel. A minha é dessa, e tem também essa aqui da Casa dos artistas. A minha da foto é a P, mas eu já comprei a grande para aquarelar desenhos maiores. Tem um tutorial para vocês entenderem melhor aqui.


Blender
Gente isso é vida! Hahaha. Já adianto que é mais difícil de encontrar, mas vale a pena a procura. Eu comprei de 2 marcas, da Caran D’ache e da Derwent, ambos são muito bons, com efeitos diferentes. O Blender você usa para misturar cores ou suavizar efeitos em lápis seco. Você pode pegar seu lápis comum, colorir um espaço e ficar meio riscado, não fica totalmente uniforme, ai você vai lá e usar o blender, tudo certo. Para esfumar é ótimo, une cores diferentes com perfeição. O blender da caran D’ache eu uso muito depois de aquarelar também. Quando a gente aquarela fica uma cor mais opaca, perde o brilho. O blender resolve esse problema.

Além desses materiais tenha sempre com você algodão, papel toalha, cotonete, papel rascunho. Eu sempre testo tudo que é diferente no final do livro mesmo, para ver se o papel do livro que estou colorindo aguenta o material sem borrar, é o melhor a se fazer, antes de usar qualquer coisa diferente. Eu sempre uso papel rascunho para limpar borracha, lápis borracha e outros antes de reaplicar. No caso de pincel e aqua pen o melhor é o papel toalha. Algodão e cotonete uso para fazer fundos com pastel (seco ou oleoso), que vou mostrar melhor no próximo post.

Acho que é isso gente, espero que vocês tenham gostado. Quem tiver dicas de outros materiais que eu tenha esquecido aqui, mande nos comentários.  

Comente, preencha o formulário, e concorra ao Kit Top Comentarista de agosto!

Postar um comentário

Posts Recentes

  © Viagem Literária - Blogger Template by EMPORIUM DIGITAL

TOPO