target="_blank">Some alt text
Promoções
target="_blank">Some alt text
Viaje com as séries
target="_blank">some alt text
Viaje comigo
target="_blank">some alt text
Ofertas Submarino
target="_blank">Some alt text
Os melhores do ano
target="_blank">Some alt text
Viajando no mundo das cores

A prisão do rei - Victoria Aveyard

>>  sexta-feira, 21 de abril de 2017

AVEYARD, Victoria. A prisão do rei. São Paulo: Editora Seguinte, 2017.538p.(Red Queen, v.3). Título original: King’s cage.

“Quando o conheci fui seduzida por sua dor. Ele era o menino na sombra, um filho esquecido. Eu me reconheci nele. Sempre atrás de Gisa, a estrela cintilante do mundo dos meus pais. Sei agora que foi proposital. Ele me enganou quando era príncipe, me atraindo para sua armadilha. Agora, estou na prisão do rei. Mas ele também está. Minhas correntes são as Pedras Silenciosas. As dele são a coroa.” p.183

O terceiro livro da série Red Queen já começa cheio de adrenalina. O final de Espada de vidro deixou todos os leitores loucos pela continuação, e comigo não foi diferente. E eu estava curiosa para saber o que aconteceria com a protagonista, que para mim era o pior personagem da série rs. E Victoria Aveyard me surpreendeu com A prisão do rei.

O mundo é dividido basicamente em prateados e vermelhos. Prateados são a realeza, pessoas com poderes diversos, poderosos. As casas antigas, se unem em torno do monarca. Os vermelhos são a ralé, os empregados/escravos que lutam para sobreviver. Aos vermelhos restam a servidão, ou a guerra. A protagonista Mare Barrow, 17, descobre que tem poderes, apesar de ser uma vermelha. E isso começa a mudar tudo. Os rebeldes da Guarda Escarlate se revelam, o mundo começa a mudar.

A partir daqui contém spoilers se você não leu os livros anteriores.

Mare Barrow foi capturada por Marven, e virou o brinquedinho do rei. Aprisionada, sem os seus poderes, uma coleira no pescoço mostra literalmente o lugar que ela ocupa na corte. Ele a exibe, a coloca sobre seus poderes e a obriga a agir contra a Guarda Escarlate. Ela está atormentada pelos erros do passado, tem muito tempo para refletir e se arrepender. Um lado dela quer apenas odiar Marven e mata-lo, e ela insiste que esse lado sobreponha o outro... um que enxerga o jovem por quem se apaixonou. Ela não se arrepende por ter matado Elara, a rainha mãe, mas fica triste ao saber que nem todas as suas maldades eram influência da mãe, ele fez suas próprias escolhas. Ela não se perdoou pela morte do irmão, perdeu Shade por sua culpa, por seu orgulho.

Enquanto isso, o resto da Guarda Escarlate se organiza para a guerra, se escondendo, treinando, crescendo. Farley está grávida, mas nem isso a impede de lutar. Cam está cada dia mais forte, mas todas as suas forças são voltadas para encontrar seu irmão gêmeo e libertá-lo. Entre os rebeldes está Cal, o príncipe herdeiro que foi destronado pelo irmão mais novo. Um prateado ao lado dos vermelhos e novos vermelhos. Nem todos confiam nele. Muitos não sabe de que lado ele está. Ele fará de tudo para libertar Mare, resta saber se o amor dos dois vai ser maior do que as diferenças.

~~~~~~~~

Apesar da minha birra inicial com essa série – principalmente pela autora copiar muita coisa de outras distopias-, ela só melhora. Esse livro foi viciante, praticamente devorei a leitura, doida para saber o que ia acontecer. E para minha surpresa, a prisão fez bem para Mare! Ela amadureceu, mudou, deixou de olhar apenas só para o seu umbigo. Espero que dure esse nova fase, porque no segundo livro eu queria matar a garota rsrs.

O livro quase todo se passa com Mare na prisão, a vantagem é que com isso a narrativa alterna um pouco, e outros personagens como Cam e até mesmo Evangeline também narram a história. Outra personagem que surpreendeu foi Evangelina, passei dois livros torcendo para ela morrer, para nesse sentir empatia pela personagem. Grandes reviravoltas fazem parte do universo da série, no anterior sofri muito (e ainda não me conformo) com  a morte de Shade, nesse fiquei indignada com o final... mesmo já esperando esse desdobramento.

O período em que a protagonista ficou presa foi muito extenso, no  final eu já estava sem paciência por nada acontecer e Mare ficar sempre no mesmo lugar, fazendo as mesmas coisas. Quando finalmente algo acontece, o leitor não respira até o final, é fogo, porrada e bomba! As semelhanças com Game of thrones nesse livro são tantas, que chega a ser exagerado. Personagens semelhantes, traições, reviravoltas, jogos de poder e mudanças constantes. Eu tive de rir em algumas cenas, que foram realmente muito parecidas. Mas nem isso me fez desgostar, tanto, estou triste porque sei que o próximo livro vai demorar, não saiu nem nos EUA ainda.

Para quem não leu, acho que amar a série depende muito do gosto de cada leitor. Eu mesmo não gostei muito do primeiro, mas estou gostando mais a cada livro. Distopia adolescente, com muito drama, guerra, romance, super poderes e muitas reviravoltas. A autora escreve bem e não tem dó dos seus personagens, realmente qualquer um pode morrer, e isso já garante sempre a adrenalina do livro. Leiam!

Adicione ao seu Skoob!

Série Red Queen da Victoria Aveyard
  1. A rainha vermelha (Red Queen)
  2. Espada de vidro (Glass Sword)
  3. A prisão do rei (King's cage)
  4. Título não definido.
Interligados:
- Coroa Cruel (Cruel Crown) - Contos 0.1 Canção da rainha (Queen song) e 0.2 Cicatrizes de aço (Steel scars).


Avaliação (1 a 5):


Comente, preencha o formulário, e concorra ao Kit Top Comentarista de abril!

Postar um comentário

  © Viagem Literária - Blogger Template by EMPORIUM DIGITAL

TOPO