target="_blank">Some alt text
Promoções
target="_blank">Some alt text
Viaje com as séries
target="_blank">some alt text
Viaje comigo
target="_blank">some alt text
Ofertas Submarino
target="_blank">Some alt text
Os melhores do ano
target="_blank">Some alt text
Viajando no mundo das cores

Em águas sombrias - Paula Hawkins

>>  quinta-feira, 25 de maio de 2017

HAWKINS, Paula. Em águas sombrias. Rio de Janeiro: Editora Record, 2017. 364p. Título original: Into the water.

“Voltei as pastas, à procura de mais informações sobre Libby. Vasculhei as páginas impressas e as fotos, reproduções de velhos artigos de jornal, recortes de revistas, aqui e ali seus garranchos na borda das páginas, quase sempre ilegíveis, raramente distintos. Havia nomes que eu já tinha ouvido e nomes que não: Libby e Mary, Anne e Katie, Ginny e Lauren, e lá, no topo da página sobre Lauren, em tinta preta grossa, você havia escrito: Beckford não é um local de suicidas. Beckford é um local para se livrar de mulheres encrenqueiras.” p.89

Não curti tanto o primeiro livro da autora, A garota no trem, mas como adoro thriller psicológico, resolvi dar mais uma chance para o seu trabalho. Esse livro teve os direitos cinematográficos vendidos antes mesmo do lançamento, e promete muito suspense e mistério com Em águas sombrias da Paula Hawkins.

Nel Abott era fascinada pela história local, principalmente por tudo o que dizia respeito ao “Poço dos afogamentos”, um lugar sinistro na pequena Backford, onde ao longo dos anos, várias mulheres perderam a vida. Nel estava escrevendo um livro sobre o local, mas não acreditava que aquele era apenas um lugar de suicídios, não acreditava que todas aquelas mulheres tinham encontrado a morte sozinhas. Poucos meses antes, uma adolescente tinha morrido naquele mesmo local. Katie tinha apenas 15 anos e a família estava destruída pela perda. Depois disso, Nel redobrou sua obsessão pelo local. Até que seu corpo também é encontrado lá, naquele Poço que tanto a fascinava. Teria ela caído, sucumbido ao desespero, ou sido empurrada?

Jules não falava com a irmã mais velha há vários anos. Nunca a perdoara por algo que acontecera durante a adolescência. E enquanto Nel lhe telefonava ao longo dos anos, sempre deixando recados; ela nunca mais falara com a irmã, apenas ignorava as mensagens. Agora precisa voltar a cidade que tanto a assusta, encarar velhos medos, e a culpa pela morte da irmã. Será que teria feito diferença se ela houvesse atendido as ligações?

Lena é a filha de 15 anos de Nel, ela acredita que a mãe tenha se matado, mas não se abre com ninguém. Nem com a polícia, nem com a tia odiosa que resolvera aparecer tarde demais. Lena parece aceitar a morte da mãe. Já Jules tem certeza de que a irmã não se jogou. Jules tem pavor da casa do moinho, pavor daquelas águas... e do passado. E, bem lá no fundo, um fascínio pelo Poço dos afogamentos.

~~~~~~

Com um início truncado e várias narrativas que se alternam, eu demorei um pouco a me envolver com a narrativa de Em águas sombrias. Porém, para minha surpresa, o suspense só foi melhorando no decorrer das páginas, e eu acabei gostando mais desse livro do que de A garota do trem. Saber o que aconteceu com Nel é a base do suspense, mas várias tramas secundárias estão interligadas. O que causou a morte de Katie, o que Lena esconde, e muitos outros segredos sobre as mulheres que morreram no mesmo local. 

Várias teorias passaram pela minha cabeça enquanto eu lia, a autora acabou optando (novamente) pelo mais óbvio, mas mesmo assim eu não posso dizer que tenha matado o desfecho. Ela realmente conseguiu me confundir com tantas possibilidades de finais, e mesmo sendo o mais fácil, de certa forma, me surpreendeu. Eu também gosto da escrita sombria da autora, do clima tenso e até assustador. Ela descreve as águas escuras, lamacentas e turbulentas do rio de forma tão sombria, que chega a dar arrepios.

Agora, confesso, continuo tendo problemas com os personagens (eu odiei a protagonista alcoólatra de A garota do trem). Hawkins constrói personagens imperfeitos. Pessoas que mentem, traem, enganam e até matam. TODOS os seus personagens têm um lado sombrio, não existe aqui o mocinho da história. E embora esse aspecto possa ser algo diferente e até inquietante, acaba me afastando da trama. Eu não consigo gostar dos personagens, não consigo me apegar a eles ou me importar com o que acontece. Jules é um pé no saco, deprimida, esquisita, insegura. Lena é a própria adolescente rebelde, resolvendo tudo sem pensar nas consequências. E até a finada Nel me irritou, se não se metesse tanto onde não era chamada, estaria viva  rs. Então faltou empatia, e acredito que só isso que fez com que eu não amasse o livro.

O livro debate temas muito fortes e interessantes. Ele fala sim de mulheres que perderam a vida de forma sinistra ou por se entregar para a morte. Mas nas entrelinhas, fala de preconceito, de machismo. Fala como essas mulheres foram afetadas pela sociedade em que viviam. Pelos olhares, pelos julgamentos, pela falta de escolha. Pela solidão que as deixaram sem ter em quem confiar para pedir ajuda. Independentemente de como chegaram ao fundo do Poço dos afogamentos, todas tiveram suas histórias sombrias.

Esse é um suspense forte, pesado, que conta muito nas entrelinhas. A narrativa é confusa no início, mas logo fica interessante e prende o leitor até o final. Para quem gosta de suspense, esse é, no mínimo, intrigante. Leiam!

Adicione ao seu Skoob!


Avaliação (1 a 5): 3,5


Postar um comentário

  © Viagem Literária - Blogger Template by EMPORIUM DIGITAL

TOPO