target="_blank">Some alt text
Promoções
target="_blank">Some alt text
Viaje com as séries
target="_blank">some alt text
Viaje comigo
target="_blank">some alt text
Ofertas Submarino
target="_blank">Some alt text
Os melhores do ano
target="_blank">Some alt text
Viajando no mundo das cores

Mrs. Dalloway – Virginia Woolf

>>  segunda-feira, 4 de dezembro de 2017

WOOLF, Virginia. Mrs. Dalloway. São Paulo:  Companhia das Letras, 2017. 235p. Titulo original: Mrs. Dalloway.

Sinopse: Obra mais famosa de Virginia Woolf, Mrs. Dalloway narra um único dia da vida da famosa protagonista Clarissa Dalloway, que percorre as ruas de Londres dos anos 1920 cuidando dos preparativos para a festa que realizará no mesmo dia à noite. Pioneiro na exploração do inconsciente humano por meio do fluxo de consciência, Mrs. Dalloway se consagrou tanto pelo experimentalismo linguístico quanto pelo retrato preciso das transformações da Inglaterra do período entre guerras. Misto de romance psicológico com ensaio filosófico, este livro resiste a classificações simplistas e inaugura um gênero por si só. Precursor de algumas das maiores obras literárias do século XX, este romance é uma leitura incontornável que todo mundo deve fazer ao menos uma vez na vida.

Não sei se vocês costumam ler as sinopses que coloco antes de toda resenha que escrevo (uma tentativa de passar o enredo da história e deixar o texto mais para minhas opiniões e comentários). No caso desta resenha, peço que vocês leiam a sinopse, com atenção especial para o último trecho:

“... este romance é uma leitura incontornável que todo mundo deve fazer ao menos uma vez na vida”.

Nada que eu escrever aqui, por mais filosófico, feminista e significativo que seja, resumirá os sentimentos após ler este livro do que o trecho acima. Então, desde já eu aviso: esta resenha terá elementos políticos, especialmente de defesa ao feminismo, e defenderá a importância dos clássicos da literatura. Então, se você não quiser dar prosseguimento ao texto, tudo bem. Pelo menos fique com a frase acima e um dia dê chance a este clássico imortal, atemporal e muito bem escrito.

Consigo ver alguns olhos revirando ao ler estas palavras – escrever sobre Mrs. Dalloway e sua importância é algo já esperado – mas já é esperado pois foi um dos que melhor chegou ao cerne de diversas questões que antes eram ignoradas, e é uma voz tão autêntica e real que até hoje é atual e moderno.

Para vocês que continuam, aviso que é impossível escrever sobre Mrs. Dalloway e não reservar algumas palavras sobre o feminismo. Sendo “contra” ou “pró”, é inegável o fato de que há uma dominância de autores homens, com história escritas sobre homens, para homens, com o pensamento de um homem. São poucas que conseguiram entrar neste mercado um tanto quanto preconceituoso, e aqui temos que exaltar as conterrâneas de Virginia Woolf, Jane Austen e Charlotte Brontë. Austen e Brontë escreveram obras que estão entre as minhas raras favoritas detentoras de 5 estrelas, e ao ler esta obra de Virginia Woolf não consegui deixar de realizar esta comparação, especialmente com Jane Eyre.

Jane Eyre foi publicado em 1847, e hoje é visto como um marco para a literatura Vitoriana inglesa. Mrs. Dalloway foi publicado em 1925 e eu realmente não consigo pensar em uma obra que reflete melhor o espírito artístico da década de 1920. As duas obras têm mulheres como protagonistas, e histórias que giram em torno delas. Assim, todos acontecimentos, todos personagens, todo pensamento, todo desenvolvimento, TUDO é feito no viés delas, sobre elas, para elas, e o que é o mais importante (e o mais legal), de acordo com seu consciente, com seu pensamento.

O que me encanta em Jane Eyre é como uma mulher consegue sofrer tanto e mesmo assim seguir em frente, como uma mulher sofre tanto em uma sociedade tão paternalista, machista, que espera determinados comportamentos de todas as pessoas, sejam elas diferentes ou não, independente da vontade, dos desejos, dos pensamentos. Jane Eyre era forte nas suas sutilidades, feminista nos seus princípios, e era autêntica nas suas decisões.

Os personagens de Woolf, especialmente Clarissa Dalloway, também tem essas “peculiaridades” modernas, e é o centro da própria história. Toda a história acontece em um único dia, e há enredo e espaço para isso. A narrativa nos faz pensar: a nossa história é mais do que as nossas interações com o mundo externo, mas o aspecto subjetivo, de pensamento, de considerações internas tem tanta relevância, se não até mais. Façam um exercício: tentem anotar todos os pensamentos, todas as ideias, todas as “viagens” de sua mente no espaço de um dia. Eu tentei fazer isso e não durei um minuto. Esse é o tamanho do nosso subconsciente, da nossa capacidade de pensamento, da nossa interação com o mundo próprio que é a mente humana. E a mulher? Ah, a mulher pode se comportar como uma bela dama, recatada e do lar. Pode ser esposa, mãe, trabalhadora, pode ser calada, educada, elegante. Mas ela também pensa, e ninguém tem controle sobre os limites (ou faltas de limite) da mente de ninguém. Ninguém controla a alegria alheia, o sentimento alheio, a tristeza alheia, o amor alheio, o desejo alheio, os gostos alheios.

O mais interessante, e o que mais me marcou neste livro, é a questão da identidade das pessoas. Quem somos nós para falar quem outra pessoa é? Quem somos nós para invejarmos uma Sally Seton, julgar um bon vivant, rotular donas de casas, atletas, lésbicas, mães? Cada um sabe de seus anseios de sua identidade, de sua felicidade.

No final das contas, a Clarissa Dalloway que Virginia Woolf nos apresenta é tão diferente da Jane Eyre de Brontë que, para mim, as duas são iguais. Duas mulheres, fruto de sua época, presas pela sociedade mas livres no intelecto.

Adicione ao seu Skoob!

Avaliação (1 a 5):

Comente, preencha o formulário, e concorra ao Top comentarista de dezembro!

Postar um comentário

  © Viagem Literária - Blogger Template by EMPORIUM DIGITAL

TOPO