Anne de Green Gables - L. M. Montgomery

>>  segunda-feira, 14 de setembro de 2020

MONTGOMERY. Lucy Maud. Anne de Green Gables. Belo Horizonte: Editora Autêntica, 2020. 320p. (Anne de Green Gables, V.1). Título original: Anne of Green Glabes.

“- Vou dizer uma coisa sobre essa criança – Marilla falou, quando Anne já tinha ido para seu quarto. – Ela não é egoísta. Fico contente com isso, pois, de todos os defeitos, o que mais detesto numa pessoa é o egoísmo. Céus, tem só três semanas que ela chegou e parece que sempre esteve aqui. Não consigo imaginar este lugar sem ela. Agora, pare de me olhar com essa expressão de ‘Eu bem que falei’, Matthew! Isso é bastante desagradável numa mulher, mas é insuportável num homem. Estou perfeitamente disposta a admitir que estou feliz por ter consentido que ela ficasse conosco e que estou gostando da menina; portanto, não precisa ficar se vangloriando por isso. ” p.96

Eu já tinha ouvido falar muito bem sobre esse livro, mas não tive oportunidade de ler antes. Depois assisti e me apaixonei por Anne with an E da Netflix e com isso saíram várias novas edições dos livros. Eu escolhi a edição linda da Editora Autêntica para comprar e hoje conto para vocês o que achei do primeiro volume com Anne de Green Gables.

A ilha Prince Edward no Canadá é um lugar belíssimo. É lá que fica a província de Avonlea, uma pequena comunidade onde se localiza a fazenda de Green Gables. Lá vivem dois irmãos solteiros, Marilla e Matthew Cuthbert. Como eles já não são novos, decidem adotar um órfão que possa ajudar Matthew no trabalho da fazenda. Porém, talvez por engano, talvez por destino, uma menina é enviada para eles.

Anne Shirley tem 11 anos, é magra, com longos cabelos ruivos e muitas sardas. Uma menina feliz, expansiva, carinhosa e cheia de imaginação. Anne ama a vida e tudo o que tem a seu redor! Marilla fica incomodada com a falação incansável da criança, mas logo ela conquista o coração dessa senhora rígida e de pouca imaginação.

No começo a pequena comunidade estranha aquela criança tão incomum. Mas com o passar dos dias, Anne vai conquistando todos. Seu jeito de ver sempre o lado bonito e positivo da vida é encantador. Ela logo fica amiga de Diana, uma vizinha da mesma idade, e elas se tornam inseparáveis.  Anne começa a estudar, e logo faz mais amigas, além de alguns desafetos, como Gilbert, que falou mal de seu cabelo e nunca foi perdoado. Mas como Anne tenta sempre fazer o seu melhor, ela sempre tenta não falar mal de ninguém, o que nem sempre dá certo.

Com o passar dos anos, uma Anne bem precoce começa a amadurecer rápido, e logo está sonhando com a faculdade, com uma profissão e um futuro pelo qual espera alegremente.

“- Bem, eu não gostaria de ser mais ninguém, exceto eu mesma, ainda que passasss toda a minha vida sem o conforto dos diamantes – Anne declarou. Estou muito satisfeita por ser Anne de Green Gables, com meu colar de pedras peroladas. Sei que Matthew me deu o colar com muito mais amor do que aquela madame do vestido rosa jamais recebeu, mesmo possuindo tantas joias. ” p. 84

~~~~~~

Eu amo livros nessa “vibe” positiva que falam sobre amor, fé, que ensinam a valorizar o que temos e pensar sempre de forma positiva. O estilo é parecido com Pollyanna, Heidi e outros clássicos, livros infantis maravilhosos! Na minha infância eu me apaixonei por esses livros, li e reli várias vezes. O “Jogo do contente” da Pollyanna me inspirou desde a adolescência. Anne foi um livro que eu não tinha tido a oportunidade de ler quando criança, mas que me encantou agora como adulta!

Engraçado que pela primeira vez, vou falar que a série de TV superou o livro... Ou então, que eu devia ter lido antes de assistir a série. A série é perfeita, muito bem trabalhada e o livro perdeu um pouco de seu encantamento depois dela. Um pouco por não ter mais surpresas, mas principalmente por não desenvolver tanto os outros personagens.  

Como a série têm vários livros, eu pensei que cada um falaria de um ano mais ou menos da vida de Anne, ledo engano. Esse primeiro volume já termina com ela com 16 anos, muita coisa já aconteceu. A série é bastante fiel ao livro, mas melhorou o enredo para mim em vários sentidos. Ela desenvolveu melhor vários personagens que aqui só são citados e não tem quase destaque, como Jerry (o rapaz que trabalha na fazenda), a tia da Diana, Josephine e vários outros personagens. No livro Josephine é uma tia solteira com bastante dinheiro. Na série ela é homossexual, vive com uma mulher e é bem à frente de seu tempo (o livro se passa aproximadamente no início do século XX). Gilbert também é pouco citado nesse primeiro volume, ele e Anne brigaram logo no início por algo bobo e ela nunca o perdoou. Os dois têm uma competitividade nos estudos desde então, mas só se fala que ele é gentil, inteligente e bonito.

A série de TV dramatiza mais alguns assuntos, como o bullying que Anne sofre na escola, a briga com a Marilla pelo broche perdido, no livro ela já é aceita pelas outras meninas logo, e não tem tanto drama. 

Já o livro tem mais cenas engraçadas! Eu morri de rir com os devaneios da Anne que fala sem parar. E com as trapalhadas que ela faz também. Como quando tenta tingir o cabelo de preto e ele fica verde, ou quando vai fazer um bolo para a esposa do pastor e coloca óleo de rícino ao invés de baunilha.

É impossível não amar Anne e não torcer por ela desde as primeiras páginas, uma órfã cheia de esperança e enxergando a felicidade em cada flor e árvore do caminho, literalmente. Eu amei o relacionamento dela com Matthew, mas principalmente a forma como aos poucos Marilla vai abrindo seu coração para a criança. Eles formam uma família tão linda! Adorei também a amizade dela e Diana, a duas sempre inseparáveis, com direito a muito drama, declarações de amor e lágrimas.

Meu coração se partiu mais para o final, não acredito que já aconteceu algo tão triste! Realmente não imaginava algo assim por agora, até porque na série não aconteceu isso ainda. Só que por algum motivo o livro não me emocionou nessa parte, acho que fiquei em choque rs. Por outro lado, meus olhos marejaram lá no começo, quando Anne quase é devolvida por “não ser um menino”. A série de TV Canadense foi cancelada, mas os fãs estão tentando vários movimentos para que outro canal retome, fica o sonho dela virar exclusivamente uma produção Neflix, estou torcendo!

Livros como Anne, Pollyanna e Heidi são muito indicados para o público infanto-juvenil e jovem adulto! É uma ótima dica para presentear adolescentes, principalmente as meninas. Eles são lindos, divertidos, românticos e passam lindas lições que podemos levar para a vida toda. Anne fala sobre ética, respeito, religião, amor ao próximo, solidariedade, honestidade. Fala sobre a importância do amor, da família e da amizade, e sobre como sempre devemos valorizar aquilo que temos e agradecer por isso! É sobretudo uma linda história de fé!  

Eu adorei e já estou curiosa para ler a continuação!

Vocês não têm dúvidas de que eu indico, não é? Leiam!!

Adicione ao seu Skoob!

Série Anne de Gren Gables da L. M. Montgomery:
  1. Anne de Green Gables (Anne of Green Gables)
  2. Anne de Avonlea (Anne of Avonlea)
  3. Anne da Ilha (Anne of the island)
  4. Anne of windy poplrs (os demais ainda não lançados nesta edição)
  5. Anne’s house of dreams
  6. Anne of Ingleside
  7. Rainbow valley
  8. Rilla of Ingleside
  9. The Blythes are quoted.
Avaliação (1 a 5):


Comente, preencha o formulário, e concorra ao Top comentarista de setembro!!

Postar um comentário

  © Viagem Literária - Blogger Template by EMPORIUM DIGITAL

TOPO