target="_blank">Some alt text
Promoções
target="_blank">Some alt text
Viaje com as séries
target="_blank">some alt text
Viaje comigo
target="_blank">some alt text
Ofertas Submarino
target="_blank">Some alt text
Os melhores do ano
target="_blank">Some alt text
Viajando no mundo das cores

Flavia de Luce e o teatro das marionetes - Alan Bradley

>>  quinta-feira, 21 de julho de 2011

BRADLEY, Alan. Flavia de Luce e o teatro das marionetes. São Paulo: Editora Saraiva, 2011. 328p. Título original: The weed that strings the hangman’s bag. (The Buckshaw Chronicles, V.2)

"Fiquei lá parada por um momento, me inclinando um pouco para frente para ver se as lágrimas que caíam de seus olhos estavam reagindo com a superfície porosa da lápide. Lágrimas, eu sabia, eram compostas basicamente de água, cloreto de sódio, manganês e potássio, enquanto a pedra calcária era feita principalmente de calcita, que era solúvel em cloreto de sódio, mas apenas a altas temperaturas. Portanto, a não ser que a temperatura no pátio da igreja de São Tancredo subisse de repente em várias centenas de graus, parecia improvável que alguma coisa quimicamente interessante fosse acontecer ali.
Me virei e fui andando."

Uma série juvenil que todos deveriam conhecer! Sim, entre as novas séries esta é uma das minhas preferidas, além de divertida ela é inteligente, tem mistério e uma protagonista encantadora. As histórias são independentes, mas se você ainda não conhece o primeiro volume clique AQUI. E com vocês Flavia de Luce e o teatro das marionetes de Alan Bradley.

Primeiro vocês precisam saber que Flavia de Luce é brilhante, aos 11 anos de idade a nossa heroína é apaixonada por química, tem como hobby pesquisar venenos e possui um laboratório muito bem equipado. Talvez por tudo isso, ou talvez devido a uma curiosidade acima do normal ela também adora solucionar crimes.

Em segundo lugar posso contar que Flavia perdeu a mãe ainda bebê, mora com o pai e duas insuportáveis irmãs mais velhas na pequena cidade inglesa de Bishop’s Lace; mais precisamente na decadente mansão Buckshaw. Sua melhor amiga é uma bicicleta chamada Glayds e com ela se aventura por toda a cidade quando não está enfurnada no laboratório.

Quando nossa historia começa Flavia passeia tranquilamente pelo cemitério – vocês podem observar que ela nunca procura por crimes, os casos chegam até ela – quando fica conhecendo a bonita Nialla, assistente de ninguém menos do que o famoso Rupert Porson. Ele estava na cidade por acaso, o vigário o convence a apresentar seu belo show de marionetes e tudo ia bem com João e o pé de feijão até que ao invés da marionete do gigante cair morto no palco, quem cai é o próprio Rupert. Elementar meu caro, morto!

Um artista eletrocutado e nenhuma pista de seu assassino – o que pode ser verdade para a polícia, pois Flávia já começou a investigar -, um passado revelador, insólitas circunstâncias levam a outra morte no passado. Os suspeitos são muitos, a mente de Flávia já anda longe tentando desvendar mais um enigma.

Entre idas a florestas perigosas, invasão a biblioteca da cidade, conversas “inocentes” com alguns moradores e muitas escapadas dos compromissos com a família conseguirá Flavia descobrir o assassino? E ainda, fará isto antes que seja tarde demais?

Vou repetir o que falei sobre o primeiro livro da série: Vocês não podem deixar de ler este livro!! É um juvenil muito inteligente e cheio de suspense e mistério, com uma protagonista encantadora e irreverente. Os cenários do século XIX e a narrativa mais rebuscada contribuem para uma trama única e inovadora.

Flavia é inteligentíssima, cheia de atitude e nenhum medo de se colocar em situações arriscadas. Ao mesmo tempo é apenas uma menina de 11 anos, sobre com os diálogos maldosos das irmãs mais velhas – Daphne a leitora compulsiva e Ophelia a musicista metida – e com o jeito conservador do pai. Criada em uma família onde demonstrações de afeto são nulas e criada sem a presença da mãe podemos perceber uma certa melancolia, que ela logo descarta com algum pensamento inteligente.


A trama do canadense Alan Bradley usa um vocabulário abrangente para um juvenil, tem lições de químicas complicados (não entendi metade rs) e por isso conquista fácil o público adulto. As crianças vão se agarrar a outros detalhes, mas acredito que não perderam a magia da história. E vocês ainda têm alguma duvida? Leiam!!

Série The Buckshaw Chronicles:
  1. Flavia de Luce e o mistério da torta (The Sweetness at the Bottom of the Pie)
  2. Flavia de Luce e  o Teatro das Marionetes (The Weed that Strings the Hangman’s Bag) 
  3. Flavia de Luce e o enigma da cigana (A Red Herring Without Mustard)
  4. Flavia de Luce e o segredo das sombras (I am half-sick of shadows)
  5. Speaking from Among the Bones (Os demais ainda sem previsão de lançamento)
  6. The Dead in Their Vaulted Arches
  7. As Chimney Sweepers Come to Dust.
Avaliação (1 a 5): 

Postar um comentário

  © Viagem Literária - Blogger Template by EMPORIUM DIGITAL

TOPO