target="_blank">Some alt text
Promoções
target="_blank">Some alt text
Viaje com as séries
target="_blank">some alt text
Viaje comigo
target="_blank">some alt text
Ofertas Submarino
target="_blank">Some alt text
Os melhores do ano
target="_blank">Some alt text
Viajando no mundo das cores

Alta sociedade - Sarah Mason

>>  terça-feira, 24 de janeiro de 2012

MASON, Sarah. Alta sociedade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2006. 322p. Título original: High society.

“Os olhos da minha mãe arregalam-se quando ela vê o gorro com pompom cor-de-laranja e a jaqueta de camurça marrom que ainda não tirei.
- Meu Deus Clemmie. O que é que você está usando?
Holly deixa de abraçar meu pai e informa:
- Ela está disfarçada.
- Tire isso, Clemmie. Você vai assustar os vizinhos.”p.153

A inglesa Sarah Mason ficou conhecida pelo seu maior sucesso, meu chick-lit preferido de todos os tempos: Um amor de detetive. Holly e a família Colshannon são hilários e o riso corre solto durante o livro. Desde então sempre quis ler os outros livros da autora,  mas demorei para conseguir encaixá-lo na lista. Agora graças ao Clube da Chocólatras BH \o/ este é o meu livro do mês de janeiro, escolhido pela Silvinha. Conheçam o imperdível Alta sociedade de Sarah Mason.

Clemmie Colshannon é a irmã de Holly, a protagonista de Um amor de detetive. Então o mais legal é que temos de volta Holly, James e todas as loucuras da família Colshannon. A moça é duplamente azarada, conseguiu perder o namorado e o emprego no mesmo dia. Na verdade Seth seu ex-namorado idiota causou sua demissão. Depois disto ela simplesmente resolveu sumir do mapa e fez uma viagem ao redor do mundo.

Quando volta ao país ela acaba voltando para a casa dos pais na Cornualha – condado que fica a sudoeste de uma península da Inglaterra. Aparentemente recuperada de seu coração partido, mas sem grandes expectativas, ela acaba por arrumar emprego em um café local. Este poderia ser um enredo entediante, mas com a família de Clemmie junto isto está longe de ser verdade.

Seu pai Patrick e sua mãe Sorrel não são nada convencionais, na casa ainda vive Morgan um poodle louco e uma gaivota, Norman! Sua mãe é uma ótima atriz – apesar que incorpora tanto o papel que continua nele fora dos palcos – e agora está ensaiando para sua nova produção teatral chamada Jane Calamidade. Seu irmão Barney é um surfista bonitão que de repente começa a mudar seu estilo para impressionar uma paixão secreta. Holly precisa de uma boa matéria com urgência, antes que seu chefe a demita do Bristol Gazette.

Sempre presente nas loucuras está Sam, o rapaz é o melhor amigo de Barney e como seus pais morreram quando ele era muito pequeno foi praticamente criado na casa da família. Sam é educado, bonito, inteligente e vive implicando com Clemmie. A nova namorada de Sam também está sempre por perto, os pais adoram Charlotte, mas Clemmie odeia o sotaque da garota e vive procurando defeitos nela.

É então que Emma - uma colega de Holly responsável pela coluna de fofocas e celebridades -  desaparece misteriosamente do jornal, seu pai é um promotor famoso e ninguém tem nenhuma pista de seu paradeiro. Holly e Clemmie encontram uma pista importante, e o que parecia uma ótima história se transforma numa crise. Para ajudá-las a família inteira parte rumo ao sul da França fugindo do psicopata – ou psicólogo, como insiste em dizer a mãe de Clemmie.

“- Ela é uma chata. Holly, ela é uma atuária! – Olho fixamente para ela, esperando que caia a ficha e ela compartilhe do meu horror.
- Clemmie, você sabe o que é uma atuária?
- Bem, não. Não sei. Mas parece ser incrivelmente chato, seja o que for. Afinal de contas, o que é isso?
- Na verdade, também não sei. Mas tenho certeza de que não é tão ruim quanto parece. Charlotte é muito legal depois que você a conhece.
- Eu disse a ela que Morgan faria xixi na perna dela se ficasse parada de pé por muito tempo.
- Clemmie! Isso é realmente maldade! – Holly diz, com um sorrisinho. 
– É por isso que ela fica tão aflita quando está perto dele?” p. 50

Eu adoro os chick-lits da Sarah Mason, são extremamente divertidos e fogem dos clichês que estamos acostumados a ver. Apesar dos problemas com as carreiras, Holly e Clemmie são jovens, bonitas e divertidas. Clemmie é uma negação para a moda e parece não se preocupar nada com isto. Na verdade enquanto viajava sua mãe doou quase todas suas roupas para os pobres e agora ela anda por aí de calças de pijamas e botas do irmão.

Os personagens têm características bem estereotipadas, a mãe é completamente maluca, o pai é quem consegue colocar algum bom senso na família, o irmão surfista desligado e a confusão na vida das irmãs. Até os animais da família protagonizam muitas cenas engraçadas. Acho que se eu convivesse com uma pessoa maluca como a Sorrel eu surtaria, mas para os leitores é pura diversão.

Eu senti falta no livro de saber mais sobre o romance de Holly e James, tenho saudade dos personagens. Holly aparece bastante do livro, mas seu relacionamento não é o foco da historia. Engraçado que Clemmie é uma protagonista que parece mais uma narradora, a roda não gira em torno dela. O livro é mais voltado para as confusões do que para o romance, achei que o final podia ser mais elaborado, sempre acho os finais deste tipo de livro muito corrido. Esta família lembra um pouco as loucuras da família Walsh da Marian Keyes.

No mais eu adorei o livro e não vejo a hora de ler outro da autora. Indico para todos os fãs do estilo, se não conhecem o trabalho da autora não esperem mais. Alta sociedade não é exatamente uma continuação de Um amor de detetive, mas mesmo assim acho melhor ler o outro antes para seguir a ordem cronológica da historia. Leiam!!

Família Colshannon de Sarah Mason
  1. Um amor de detetive
  2. Alta sociedade
Avaliação (1 a 5):

Postar um comentário

  © Viagem Literária - Blogger Template by EMPORIUM DIGITAL

TOPO